Sistema europeu de gestão de tráfego ferroviário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de ERTMS)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A linha de alta velocidade Madrid-Barcelona está equipada com ERTMS.

O sistema europeu de gestão de tráfego ferroviário, mais conhecido pela sua sigla ERTMS (European Rail Traffic Management System), é uma iniciativa da União Europeia no seu empenho de garantir a interoperabilidade das redes ferroviárias, criando um único padrão a nível mundial.

O objetivo final é que todas as linhas europeias formem uma única rede, e que um trem (comboio) possa circular livremente ao longo dos diferentes países da União Europeia, algo que atualmente não é possível devido às diferenças em bitola, calibre, eletrificação e sistemas tecnológicos que existem entre as redes de cada um dos países comunitários. De qualquer forma, necessitará de um sistema alternativo de salvaguarda, que será próprio de cada país.

Componentes do sistema[editar | editar código-fonte]

O sistema ERTMS compõe-se de vários subsistemas (ou camadas):

-O European Train Control System (ETCS, Sistema Europeu de Controlo de Trens (Comboios)), se encarrega do controlo e da segurança do tráfego, ou seja: do bloqueio. É um sistema de controlo que permite evitar que um trem supere as velocidades máximas estabelecidas ou os sinais que indicam paragem, é um sistema melhorado sobre os sistemas de alarme automáticos já instalados em muitos países europeus. Este sistema dispõe de 5 níveis.

-O European Traffic Management Layer (ETML, Camada Europeia de Gestão do Tráfico), se encarrega da gestão e regularidade do tráfego nos Centros de Regulação e Controlo (CRC, equivalente ao CTC em muitas linhas convencionais), que é o lugar desde o qual se dirige o tráfego. As líneas Madrid-Toledo/Sevilha, assim como a Madrid-Valladolid e a Ourense-Santiago se controlam desde o CRC central localizado em Madrid-Puerta de Atocha; a linha Córdoba-Málaga desde o localizado em Antequera; a linha Madrid-Figueres desde o de Saragoça; e a que coneta Madrid com Valência e Alicante se gere desde o de Albacete. Por sua vez integra outros subsistemas, como são a planificação de capacidade (criação das marchas) e o ambiente operativo (regulação da circulação, enrotamento automático de trens (comboios), e ambiente: comunicações, telecomandos e detetores). Embora haja muitos mais, em Espanha funciona o DaVinci, que permite seguir o ciclo de vida completo do serviço ferroviário, desde a planificação, a criação de um trem (comboio) no ambiente de operação, a sua regulação e seguimento automático e a monitorização com desvios e previsões.

Implantação[editar | editar código-fonte]

Inscrição do uso do sistema ERMTS num trem (comboio) Thalys.

A implantação é progressiva nas linhas europeias, e se inicia por aquelas linhas que têm maior potencial para o tráfego internacional. Também se instalou em algumas linhas sem tráfego internacional devido a que ao ser um sistema de nova implantação tem um desenvolvimento tecnológico que permite maiores prestações que os diferentes sistemas nacionais anteriormente utilizados.

As primeiras circulações comerciais com ERTMS são as seguintes:

  • 2002. Primeiras circulações comerciais com ETCS nível 1 na linha Mattstetten-Rothrist Suíça.[1][2]
  • 22 de janeiro de 2006. Primeiras circulações comerciais (4 ETR 500 por sentido) com ETCS nível 2 e 300 km/h na LAV Roma - Nápoles. A partir de 17 de setembro de 2006 se passa a 7 trens (comboio) por sentido.
  • 19 de maio de 2006. Começam a circular os AVE série 102 a 250 km/h com ETCS nível 1 entre Madrid e Lérida. São as primeiras circulações a esta velocidade com ETCS nível 1. Os outros trens (comboios) desta linha continuam circulando com ASFA200.
  • 2 de julho de 2006. Começam as circulações comerciais com ETCS nível 2 na LAV linha Mattstetten–Rothrist (troço de 45 km entre Berna e Zurique): cada noite umas 12 circulações a partir das 22:30. A velocidade máxima é 160 km/h. Embora restringida no horário, se trata da primeira circulação comercial com ETCS Nível 2 e com trens (comboios) de vários tipos e fabricantes. A 22 de julho de 2006 se amplia o horário, passando a começar às 21:30, com o que são uns 20 trens (comboios) por dia os que circulam com ETCS nível 2.
  • 16 de outubro de 2006. ADIF permite entre Madrid e Lérida 280 km/h com ETCS nível 1.
  • 24 de outubro de 2011. ADIF permite a circulação de trens AVE a 310 km/h na LAV Madrid-Barcelona devido à implantação do ETCS nível 2.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «3rd Swiss Transport Research Conference. Página 9» (PDF). Consultado em 16 de abril de 2017. Arquivado do original (PDF) em 9 de novembro de 2016 
  2. «Bombardier web»