Ecoeficiência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Dezembro de 2008). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A ecoeficiência pode ser obtida através da união entre, o fornecimento de bens e serviços sustentáveis a preços competitivos que satisfaçam as necessidades humanas, e assim, promove a redução dos impactos ambientais e de consumo de recursos naturais.

No âmbito da poluição ambiental, um [sistema] ecoeficiente é aquele que consegue produzir mais e melhor, com menores recursos e menores resíduos. Para tal, pressupõem-se oito elementos fundamentais para a ecoeficiência:

  1. Minimizar a intensidade de materiais dos bens e serviços
  2. Minimizar a intensidade energética de bens e serviços
  3. Minimizar a dispersão de tóxicos
  4. Fomentar a reciclabilidade dos materiais
  5. Maximizar a utilização sustentável de recursos renováveis
  6. Estender a durabilidade dos produtos
  7. Aumentar a intensidade de serviço dos bens e serviços
  8. Promover a educação dos consumidores para um uso mais racional dos recursos naturais e energéticos
Exemplos de medidas de ecoeficiência
  • Substituir equipamentos convencionais por produtos com fechamento automático ajuda a amenizar o problema de escassez da água
  • Optar por formas alternativas de geração de energia.
  • Implantar sistema de iluminação automático, reduzindo, gastos supérfluos de luz.
  • Substituir lâmpadas convencionais por lâmpadas de baixo consumo.
  • Separar os resíduos.
  • Resíduos sólidos devem ser reduzidos, reciclados e reutilizados.
  • Fazer a compostagem de resíduos orgânico.
  • Desenvolver ações sociais, envolvendo a comunidade local e, se possível, expandir os programas à toda a sociedade.
  • Políticas de reflorestamento.

Ainda de acordo com o WBCSD ( World Business Council for Sustainable Development), existe quatro áreas que proporcionam possibilidades para melhorar a ecoeficiência, que envolve todo o ciclo de vida do produto ou serviço. [1]

  • A reorientação dos processos: os processos industriais podem ser reorientado para reduzir o consumo de recursos, diminuir as correntes de contaminação, aumentar o uso de matérias reciclados, assegurar a acorrera disposição dos resíduos, evitar qualquer tipo de riscos e, assim reduzir custos.
  • A revalorização dos subprodutos: através da cooperação com outras empresas, pode-se incentivar a revalorizar de diferentes produtos. O que pode ser um subproduto para uma empresa poder ser matéria-prima para outra; este procedimento tem como objetivo alcançar o resíduo zero.
  • O redesenho dos produtos: o design dos produtos segundo critérios ecológicos e a compra ambientalmente carreta têm muita importância porque definem a funcionalidade do produto: também é importante saber que materiais serão utilizados em sua produção, como será o uso reaproveitamento ou não.
  • A recolocação dos mercados: as empresas inovadora vão além da alteração do design do produto e buscam novas maneiras de satisfazer as necessidades dos clientes e se recolocar em novos mercados, idealizando produtos menos intensivos no uso de materiais e energia, ou inclusive substituindo o produto por serviços

Implantar um sistema de gestão ambiental em uma empresa, diminui custos, evita riscos ambientais, acaba com o diferencial competitivo, evita riscos à saúde dos funcionários e clientes, alcança a conformidade legal, reduz a poluição, garante a manutenção de recursos naturais e motiva as pessoas envolvidas a engajarem nas questões ambientais.

Algo que tem sido praticado em muitos hotéis como medida ecoeficiente é o incentivo á reutilização de toalhas e roupas de cama.

External links[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre ecologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
  1. Dias, Reinaldo. Gestão Ambiental - Responsabilidade Social e Sustentabilidade. [S.l.: s.n.], 2011. ISBN 978-85-224-6286-5