Ed Bradley

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ed Bradley
Nome completo Edward Rudolph Bradley, Jr.
Nascimento 22 de junho de 1941
Filadélfia
Estados Unidos Estados Unidos
Morte 9 de novembro de 2006 (65 anos)
Nova Iorque
Estados Unidos Estados Unidos
Nacionalidade Estadunidense
Ocupação Jornalista

Edward Rudolph Bradley, Jr., mais conhecido como Ed Bradley (Filadélfia, 22 de Junho de 1941Nova Iorque, 9 de Novembro de 2006) foi um jornalista estadunidense.

Fez sua carreira a serviço da CBS, tendo ficado célebres as suas reportagens para o programa 60 minutes. Ficou ferido enquanto cobria a guerra do Vietname. Tornou-se o primeiro correspondente negro da Casa Branca (1976-1978). [1]

Venceu 19 prémios Emmy, entre outros galardões. Ed Bradley foi durante 25 anos um dos jornalistas do "60 minutes" e um dos mais conhecidos jornalistas negros da televisão. Era também apreciador de jazz, adoptando Nova Orleães como o seu local de eleição.

Foi o único jornalista da televisão a entrevistar Timothy McVeigh, condenado à morte e executado pelo atentado à bomba contra o edifício federal de Oklahoma City que fez 168 mortos e centenas de feridos em 1995.

Entre os seus trabalhos e mais distinguidos estão os que realizou sobre abusos sexuais no seio da Igreja Católica nos EUA, sobre doentes de cancro cerebral, sobre o tiroteio ocorrido num liceu em Columbine (Colorado), em Abril de 2001, e sobre as consequências do Furacão Katrina em Nova Orleães, em 2005.

Considerado um dos mais brilhantes jornalistas afro-americanos da televisão norte-americana, entrou na CBS na qualidade de colaborador da delegação de Paris em 1971. Um ano depois foi enviado para a delegação de Saigão e ali permaneceu até 1974, ano em que regressou a Washington depois de ter ficado ferido no Camboja.

Faleceu a 9 de Novembro de 2006, aos 65 anos devido a uma leucemia.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.