Eleições gerais na África do Sul em 1948

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

As eleições gerais na África do Sul em 1948 representaram um ponto de virada na história daquele país. Este pleito, no qual foi barrada a participação de sul-africanos de origem não-européia, foi disputado por dois grandes partidos políticos: o Partido Unido (PU) do então primeiro-ministro Jan Smuts e o Partido Reunido Nacional (PRN), liderado por Daniel François Malan, um clérigo da Igreja Reformada Holandesa. Durante a campanha, tanto o PU quanto o PN formaram coalizões com partidos menores. O PU se aliou ao esquerdista Partido Trabalhista, enquanto que o PRN se aliou ao Partido Afrikaner, que defendia os direitos da minoria africânder.

O PRN, percebendo que muitos brancos sul-africanos se sentiam ameaçados com as aspirações políticas dos negros, se comprometeu a implementar uma política de segregação racial rigorosa caso saísse vitorioso do pleito. O PRN rotulou este novo sistema de governo de "apartheid", nome pelo qual se tornaria universalmente conhecido. Em contraste a esta proposta direta, o PU apoiou vagamente a noção de lenta integração racial entre os diferentes grupos da África do Sul. A insatisfação dos brancos com os problemas econômicos internos da África do Sul no pós-Segunda Guerra Mundial e a organização superior do PRN provou ser um desafio significativo para a campanha do PU.

O PRN e o Partido Afrikaner ganharam 79 dos 153 assentos na Assembléia da África do Sul contra 74 da coalizão entre PU e Partido Trabalhista. Consequentemente, o PRN formou o novo governo, inaugurando a era do apartheid, formal e juridicamente. Mais de 45 anos depois, em 27 de abril de 1994, o Congresso Nacional Africano venceu as primeiras eleições livres do país, derrubando o Partido Nacional do governo e pondo um fim ao regime do apartheid.

Resultado[editar | editar código-fonte]

Partido Votos % dos votos Assentos
  Partido Reunido Nacional 401.834 37,7% 70
  Partido Afrikaner 41.885 3,93% 9
Coalizão Partido Reunido Nacional-Partido Afrikaner 443.719 41,63% 79
  Partido Unido 524.230 49,18% 65
  Partido Trabalhista 27.360 2,57% 6
Coalizão Partido Unido-Partido Trabalhista 551.590 51,74% 74
  Independentes 70.662 6,63% 0
Votos válidos 1.065.971 100,00% 153
Votos não-válidos 7.393
Total de votos 1.065.971 80,2%