Emotivismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O emotivismo é uma visão metaética que reclama que as frases éticas não expressam proposições mas atitudes emocionais.[1][2]

Influenciado pelo crescimento da filosofia analítica e do positivismo lógico no século XX, a teoria foi expressa vivamente por A. J. Ayer no seu livro de 1936 Language, Truth and Logic, mas o seu desenvolvimento deveu-se mais a C. L. Stevenson.

O emotivismo é uma forma de não cognitivismo ou expressivismo. Está em oposição a outras formas de não cognitivismo (quasirrealismo e perspectivismo universal), assim como todas as formas de cognitivismo (incluindo o realismo moral e o subjetivismo ético).

Referências

  1. Garner and Rosen, Moral Philosophy
  2. Brandt, Ethical Theory