Equação de Starling

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Formulada em 1896, pelo fisiólogo britânico Ernest Starling, a equação de Starling ilustra o rol das forças hidrostáticas e oncóticas (chamadas também forças de Starling) no movimento do fluxo através das membranas capilares.

De acordo com a equação de Starling, o movimento do fluido depende de seis variáveis:

  1. Pressão hidrostática capilar (Pc)
  2. Pressão hidrostática intersticial (Pi)
  3. Coeficiente de reflexão, (R), um valor que é índice da eficácia da parede capilar para impedir a passagem de proteínas e que, em condições normais, se admite que é igual a 1, o que significa que é totalmente impermeável às mesmas e em situações patológicas inferior a 1, até alcançar o valor 0 quando pode ser atravessado por elas sem dificuldade.
  4. Pressão oncótica capilar (πc)
  5. Pressão oncótica intersticial (πi)
  6. Coeficiente de filtração (Kf), expressa a permeabilidade da parede capilar para os líquidos

Todas as pressões são medidas em milímetros de mercúrio (mm Hg), e o coeficiente de filtração se mede em milímetros por minuto por milímetros de mercúrio (ml·min-1·mm Hg-1). A equação de Starling se descreve da seguinte maneira:

\ Q = K_f ( [P_c - P_i] - R [\pi_c - \pi_i] )

A solução à equação é o fluxo de água desde os capilares ao interstício (Q). Se é positiva, o fluxo tenderá a deixar o capilar (filtração). Se é negativo, o fluxo tenderá a entrar no capilar (absorção). Esta equação tem um importante número de implicações fisiológicas, especialmente quando os processos patológicos alteram de forma considerável uma ou mais destas variáveis.

Aplicada a circulação humana[editar | editar código-fonte]

O movimento da água (o fluido no caso) depende da pressão coloidosmótica (π) e da pressão hidrostática (P) nos capilares (c) e no líquido intersticial (i) que banha os tecidos.

Pode ser expressa pelas variáveis com os seguintes nomes alternativos e adequados ao caso1 :

\ J_v = K_f ( [P_c - P_i] - [\pi_c - \pi_i] )

Onde:

  • Jv: movimento de líquido. Sempre que Jv for positivo (+), ocorrerá filtração (passagem de água do capilar para o tecido). Quando Jv for negativo (-), ocorrerá absorção (passagem de água do tecido para o capilar)
  • Kf: coeficiente de filtração (depende da condutividade hidráulica e da área de superfície do capilar)
  • Pc: pressão hidrostática capilar (varia de 10 à 30 mmHg, dependendo do local onde é medida)
  • Pi: pressão hidrostática intersticial; é levemente negativa, devido à constante sucção de líquidos pelos capilares linfáticos (-3 mmHg).
  • πc: pressão coloidosmótica capilar; exercida pelas proteínas plasmáticas (28 mmHg)
  • πi: pressão coloidosmótica intersticial (8 mmHg)

Equilíbrio de Starling[editar | editar código-fonte]

Nos indivíduos normais, a quantidade de líquido filtrada será quase igual à quantidade absorvida, sendo que a força efetiva para a filtração é de 0,3 mmHg. Esta pequena quantidade de líquido filtrado irá retornar à circulação através dos capilares linfáticos.

Considerando-se que Kf = 1, Pc média = 17,3 mmHg, Pi = - 3,0, πc = 28,0 e πi = 8,0, teremos:

Jv = 1 [(17,3 + 3) - (28 – 8)] = + 0,3 mmHg

Na extremidade arterial do capilar ocorre filtração, enquanto na extremidade venosa ocorre absorção. Isto acontece devido à diferença na pressão hidrostática nas extremidades do capilar: na extremidade arterial é de 30 mmHg, enquanto na extremidade venosa é de 10 mmHg.

Assim, tem-se, na extremidade arterial:

Jv = 1 [(30 + 3) - (28 – 8)] = + 13 mmHg

Na extremidade venosa:

Jv = 1 [(10 + 3) - (28 – 8)] = - 7 mmHg

Implicações em medicina[editar | editar código-fonte]

A equação de Starling guarda relações com a incidência de derrames, como os pleurais2 3 , com o estudo da fisiologia renal, como os edemas. 4

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. CIRCULAÇÃO - ib.ufpel.edu.br
  2. Geruza A. Silva; DERRAMES PLEURAIS: FISIOPATOLOGIA E DIAGNÓSTICO; Medicina, Ribeirão Preto, Simpósio: DOENÇAS PULMONARES; 31: 208-215, abr./jun. 1998 - www.fmrp.usp.br
  3. Daniel Martin Dinalli, Rodrigo Quintão Lopes, Marcelo Henrique de Oliveira Ferreira, Simone Ferreira Liboreiro; ESPIROMETRIA DE INCENTIVO NO DERRAME PLEURAL TRAUMÁTICO - www.respirafisio.com.br
  4. Fisiologia renal - www.labin.unilasalle.edu.br

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Fisiologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.