Saltar para o conteúdo

Joseph Glanvill: diferenças entre revisões

71 bytes adicionados ,  03h34min de 31 de março de 2016
Ajustes
m (Bot: A migrar 6 interwikis, agora providenciados por Wikidata em d:Q2713252)
(Ajustes)
[[FicheiroImagem:Joseph Glanvill.jpg|thumbminiatura|rightdireita|Joseph Glanvill]]
'''Joseph Glanvill''' ({{dni|lang=br|||1636|si}} - {{morte|lang=br|||1680}}) foi um filósofo inglês, um dos primeiros [[Membro da Royal Society|membros da Royal Society]].
'''Joseph Glanvill''' (1636-1680), foi um filósofo inglês, um dos primeiros membros da [[Royal Society]]. Opunha-se à filosofia aristotélica ensinada na sua universidade, Oxford, tendo sido em parte influenciado pelos Platónicos de Cambridge. Em ''The Vanity of Dogmatizing'', 1661,pugnou a favor de uma ciência empírica que poderia alcançar uma certeza relativa, mas não a infalibilidade. Antecipou a perspectiva de [[Hume]] de que na relação de causa e efeito, ''propter hoc'' nada é senão um ''post hoc'' repetido. Em ''Philosophical Considerations Touching Witches and Witchcraft'', 1666 – redenominado ''Sadducismus Triumphatus'' em 1681, aludindo à mundividência secular tradicionalmente atribuída aos saduceus – defendeu, ao opor-se ao materialismo e ao ateísmo, não apenas a crença em Deus mas também a crença na feitiçaria, denegrindo assim a sua reputação póstuma. <ref>Dicionário de Filosofia coordenado por Thomas Mautner. Edições 70, 2010</ref>
 
'''Joseph Glanvill''' (1636-1680), foi um filósofo inglês, um dos primeiros membros da [[Royal Society]]. Opunha-se à filosofia aristotélica ensinada na sua universidade, Oxford, tendo sido em parte influenciado pelos Platónicos de Cambridge. Em ''The Vanity of Dogmatizing'', 1661,pugnou a favor de uma ciência empírica que poderia alcançar uma certeza relativa, mas não a infalibilidade. Antecipou a perspectiva de [[Hume]] de que na relação de causa e efeito, ''propter hoc'' nada é senão um ''post hoc'' repetido. Em ''Philosophical Considerations Touching Witches and Witchcraft'', 1666 – redenominado ''Sadducismus Triumphatus'' em 1681, aludindo à mundividência secular tradicionalmente atribuída aos saduceus – defendeu, ao opor-se ao materialismo e ao ateísmo, não apenas a crença em Deus mas também a crença na feitiçaria, denegrindo assim a sua reputação póstuma. <ref>Dicionário de Filosofia coordenado por Thomas Mautner. Edições 70, 2010</ref>
 
{{Referências}}