Fernão de Pina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fernão de Pina
Ocupação ,

Fernão de Pina, nascido na Guarda[1], fidalgo da Casa Real[2], padroeiro da matriz de Cavadoude[3], foi o 10.° cronista-mor e guarda-mor da Torre do Tombo, da qual foi nomeado em 1523 e até 1548.[4] Era filho do cronista Rui de Pina[5][6].

Foi sucedido enquanto guarda-mor da Torre do Tombo por Damião de Góis, em virtude da sua prisão no castelo da Alcáçova de Lisboa[7], pela Inquisição, em 1548[8] e da respectivo auto-da-fé de 31 de Março de 1550, e depois por António Pinheiro, enquanto cronista-mor, em 1550[9], em virtude da sua condenação, pela Inquisição[10].

Vida[editar | editar código-fonte]

O cronista, vivendo na cidade da Guarda e exercendo o ofício pago pelo Almoxarifado dessa comarca, só passou a residir oficialmente na corte em 1536[11].

Era homem “envolto de carnes”, “maldisposto do baço” e visitado com frequência por “febres quartãs”, talvez de personalidade difícil e até de alguma sobranceria intelectual[12].

Aos cinquenta anos de idade detinha um vasto património pessoal distribuído pela sua terra natal, casas de morada sobre a Porta do Sol em Lisboa e, “Acima de Sacavém”, uma quintã do Alião em Unhos. Vivia, aliás, do seu ordenado com visível desafogo e algum alarde fidalgo, como o próprio revelação ao mencionar que caçava com dois cavalos e dois açores. Era letrado em grego e latim, conhecedor da língua hebraica e dono de uma vasta livraria com “Livros de humanidade”[13].

Processo da Inquisição[editar | editar código-fonte]

Fernão de Pina, posto que acusado de se confessar poucas vezes e de descrer no Santíssimo Sacramento, nunca deixou de cumprir as suas obrigações religiosas[14].

Mesmo assim, foi acusado de heresia e sujeito a um processo que ditou o seu afastamento do cargo de cronista-mor, onde seria sucedido por António Pinheiro.

Uma longa desatenção por parte dos estudiosos tem caracterizado o processo inquisitorial contra Fernão de Pina, cronista-mor do reino, e guarda-mor do arquivo da Torre do Tombo desde 1523, cargo já ocupado pelo seu pai, Rui de Pina. Julgado culpado de nutrir crenças e «dizer palavras outras muitas sospectas na fé escandalosas», Pina abjurou de forma privada à frente dos inquisidores de Lisboa a 31 de Março de 1550.

O acesso privilegiado à documentação faziam dele um «homem perigoso»:[10]

Em data imprecisa desse ano de 1546 (certamente depois da Páscoa) a Inquisição procedeu à prisão de Pina. Tratava-se de «pessoa poderosa», conforme escreveram os juízes nas actas. Apesar disso, ou talvez mesmo por isso, o cronista régio sofreu um longo abandono.

Assim, já antes tinha sido afastado do cargo de guarda-mor da Torre do Tombo, tendo sido apontado em seu lugar Damião de Góis:[10]

O seu destino já estava escrito antes da sentença. Demonstra-o, de igual modo a atribuição em 1548 do cargo de guarda-mor da Torre do Tombo a Damião de Góis «em quamto Fernão de Pina não for livre dos casos per que ora he preso e acusado».

Dados genealógicos[editar | editar código-fonte]

Filho de Rui de Pina e de Catarina Vaz de Gouveia, filha do Dr. Pedro de Gouveia do Conselho do Rei D. Manuel I e seu Desembargador do Paço.

Casado comː

Tiveramː


Referências

  1. Rui de Pina: na (re)descoberta da cidade..., por Helder Sequeira (Dir.), Correio da Guarda, em 7.12.14
  2. Processo de Fernão de Pina, Inquisição
  3. Fernão de Pina, cronista e guarda-mor da Torre do Tombo, padroeiro da matriz de Cavadoude, termo da guarda, por Francisco Bilou
  4. Os Guardas-Mores da Torre do Tombo
  5. NFP - Nobiliário das Famílias de Portugal - Felgueiras Gayo - Carvalhos de Basto, 2ª Edição - Braga, 1989 - Vol. VIII - pg. 280
  6. GEPB - Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira - Editorial Enciclopédia - Lisboa - vol. 21 - pg. 678
  7. Fernão de Pina, cronista e guarda-mor da Torre do Tombo, padroeiro da matriz de Cavadoude, termo da guarda, por Francisco Bilou
  8. GÓIS, Damião de (1502-1574), por Ana Isabel Buescu, Repositório da Universidade Nova de Lisboa
  9. Processo de Fernão de Pina, Inquisição
  10. a b c Marcocci, Giuseppe (2012). A consciência de um império: Portugal e o seu mundo (Séc. XV- Séc. XVI). [S.l.]: Imprensa da Universidade de Coimbra. ISBN 978-989-26-0132-8 
  11. Fernão de Pina, cronista e guarda-mor da Torre do Tombo, padroeiro da matriz de Cavadoude, termo da guarda, por Francisco Bilou
  12. Fernão de Pina, cronista e guarda-mor da Torre do Tombo, padroeiro da matriz de Cavadoude, termo da guarda, por Francisco Bilou
  13. Fernão de Pina, cronista e guarda-mor da Torre do Tombo, padroeiro da matriz de Cavadoude, termo da guarda, por Francisco Bilou
  14. Fernão de Pina, cronista e guarda-mor da Torre do Tombo, padroeiro da matriz de Cavadoude, termo da guarda, por Francisco Bilou
  15. Sumários do Livro de Notas de Francisco Cardoso, tabelião de Montemor-o-Velho (1551-1553), existente no Arquivo Histórico Municipal de Coimbra, por Paula França e Pedro Pinto, Imprensa da Universidade de Coimbra, 25-Jun-2021, pág.s 84 e 91
  16. Sumários do Livro de Notas de Francisco Cardoso, tabelião de Montemor-o-Velho (1551-1553), existente no Arquivo Histórico Municipal de Coimbra, por Paula França e Pedro Pinto, Imprensa da Universidade de Coimbra, 25-Jun-2021, pág. 90
  17. Sumários do Livro de Notas de Francisco Cardoso, tabelião de Montemor-o-Velho (1551-1553), existente no Arquivo Histórico Municipal de Coimbra, por Paula França e Pedro Pinto, Imprensa da Universidade de Coimbra, 25-Jun-2021, pág. 85 e 91
  18. Sumários do Livro de Notas de Francisco Cardoso, tabelião de Montemor-o-Velho (1551-1553), existente no Arquivo Histórico Municipal de Coimbra, por Paula França e Pedro Pinto, Imprensa da Universidade de Coimbra, 25-Jun-2021, pág. 84 e 87
  19. Sumários do Livro de Notas de Francisco Cardoso, tabelião de Montemor-o-Velho (1551-1553), existente no Arquivo Histórico Municipal de Coimbra, por Paula França e Pedro Pinto, Imprensa da Universidade de Coimbra, 25-Jun-2021, pág. 85

Precedido por
Rui de Pina
Cronista-mor
1523-1550
Sucedido por
António Pinheiro
Ícone de esboço Este artigo sobre História de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.