Festa Nacional do Milho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

A Festa Nacional do Milho (Fenamilho ou Festa do Milho) é a principal festa do município de Patos de Minas, assim como a maior festa agropecuária do estado de Minas Gerais. Realiza-se anualmente, entre os meses de maio e de junho. Nascendo apenas como comemoração pelo aniversário do município, a Fenamilho hoje se destaca por exercer profunda influência nos setores de comércio e serviços de toda a região.

Cidade Patos de Minas
Primeira comemoração 1958 (oficialmente)
Nome oficial Festa Nacional do Milho
Movimentação financeira R$ 100 milhões[1] (estimativa)
Rainha Nacional do Milho Jaciara Alves Mendonça

(2015-2016)

Realização
  • Sindicato dos Produtores Rurais de Patos de Minas
  • Prefeitura Municipal de Patos de Minas
Patrocinadores

(Edição 2015)

Website www.fenamilho.com.br

A Origem da Festa[editar | editar código-fonte]

A primeira festa realizada em Patos de Minas, e que destacou o milho como produto principal da atividade no campo, ocorreu em 1956, no distrito de Bom Sucesso, organizada pela professora Célia Santos de Lima. Ela contou, na época, com a colaboração das colegas Odília Assunção Pedra, Jesuína Porto e os alunos das Escolas Combinadas Monte Castelo, hoje Escola Estadual João Barbosa Porto.Toda a comunidade participou.

As crianças teceram artigos de artesanato como flores de palha, balaios e carrinhos de boi, usando a palha de milho. As mães dos alunos e outras professoras ajudaram na culinária, preparando bolos e broas de fubá, canjica e pipoca. A programação foi a seguinte: missa; apresentações de alunos e convidados da Escola, ao ar livre; palestra de conscientização do produtor para o valor do cultivo da terra e a importância do milho; apresentação artística da dupla José Joviano e Joviano José; mutirão de fiação e de capina e, ainda; mostra dos pratos feitos à base de milho.

A renda da festa foi destinada à manutenção da Vila dos Meninos.

A Primeira Festa: 1959[editar | editar código-fonte]

Já a primeira Festa do Milho, realizada na sede de Patos de Minas foi em 1959. Surgiu da necessidade de se criar um evento que movimentasse a cidade, seja com desfile de modas, bailes, festa da colheita ou para arrecadar recursos para obras na cidade. Nas pesquisas feitas, Padre Almir Neves de Medeiros apresentou à professora Ordalina Vieira a ideia de fazer uma festa para a Construção do Colégio Municipal. A conversa entre eles aconteceu na calçada do antigo Hotel da Luz. Lia Brochado, que era proprietária da Loja Rio Modas, também juntou-se aos dois, porque tinha o interesse em realizar um desfile de modas na cidade.

O Milho como símbolo da Festa[editar | editar código-fonte]

As amigas Lia Brochado e Ordalina Vieira seguiram para a Churrascaria Brasileira - que ficava no andar superior da Estação Rodoviária (já demolida, na praça Desembargador Frederico) - e se encontraram com Paulo Portilho. Ele sugeriu fazer a Festa da Colheita, nos moldes da Festa da Uva, no Rio Grande do Sul. Como Patos era um grande produtor de grãos, muitas ideias surgiram. Optaram então, pela Festa do Milho, por proporcionar melhores condições de ser aproveitado na decoração e por valorizar a cultura do município.

Consultaram empresários e lideranças e ficou definido que, ao realizar a festa, a renda seria revertida para a construção do Seminário Pio XII. Com o apoio do Biospo Diocesano, Dom José André Coimbra, foi constituída uma comissão de senhoras, para a organização do evento. Esta comissão visitou a Associação Rural e o presidente Pedro Pereira dos Santos lançou a ideia de realizar a 1ª Semana Ruralista. O prefeito Sebastião Alves do Nascimento - Binga, apoiou a iniciativa e assim, surgiu a Festa do Milho, tendo como data principal o dia 24 de maio, aniversário do município de Patos de Minas.

O Concurso "Rainha do Milho"[editar | editar código-fonte]

Seguindo tradições de outros festejos, a empresária Lia Brochado incentivou a realização de um concurso de beleza, no qual três representantes da sociedade patense concorreriam ao título de "Rainha do Milho". As três primeiras candidatas do concurso foram:

  • Helena Alves da Silva - candidata da Associação Comercial e das Casas de Comércio
  • Maria Marta Caixeta Borges - candidata dos Produtores Rurais e Associações Esportivas.
  • Nívea Santos de Oliveira - candidata da Associação Rural e Cooperativa.

Com a ideia de valorizar ainda mais a campanha para Rainha do Milho, uma comissão de voluntários e familiares das candidatas, resolveram idealizar carros alegóricos, tradição mantida até hoje. O desfile saiu da sede da Associação Rural (que localizava-se na Rua Major Gote), e seguiu pela Rua Tenente Bino até alcançar a Avenida Getúlio Vargas. O povo assistiu com entusiasmo.

Três jipes Willys foram ornamentados por senhoras da sociedade e familiares das candidatas, com muita originalidade, de forma a valorizar o milho na sua decoração.

Primeiros anos: 1960-1964[editar | editar código-fonte]

Durante os primeiros anos em que ocorreu, a Festa do Milho não abandonou seu caráter filantrópico: a renda obtida com a festa era doada à instituições da cidade de Patos de Minas.

Seu sucesso e sua abrangência tomavam maiores proporções ano após ano, e os eventos que ocorriam durante a festa começaram a se consolidar como tradições, como a eleição das rainhas do milho. Os shows, exposições de gado e de colheitas, e o tradicional baile de eleição da rainha, foram tornando a festa conhecida em toda a região do Alto Paranaíba, e posteriormente em todo o estado de Minas Gerais.

A Festa Nacional do Milho[editar | editar código-fonte]

A repercussão da Festa do Milho na economia agrária do país foi tão grande que, em 1965, o então Presidente da República, Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, através de seu Decreto Presidencial n°56.286, elevou o evento ao grau Festa Nacional do Milho - FENAMILHO, e tornou 24 de Maio o Dia Nacional do Milho, data cuja celebração ficaria a encargo do Ministério da Agricultura [2] .

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Fonte: A Fenamilho em números e informações
  2. Decreto n°56.286/65 - Art. 1º É instituído o Dia Nacional do Milho, destinado a estimular e orientar a cultura do milho no país. Parágrafo único. O Ministro da Agricultura fixará, anualmente, a data em que se comemorará o Dia Nacional do Milho e o local em que terá lugar a sua celebração.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Festas ou Celebrações é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.