Fotografias coloridas à mão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Fotografia colorida de Werner Haberkorn, que representa o Vale do Anhangabaú.

Fotografia colorida à mão refere-se a qualquer método de adicionar ''cores''manualmente, a uma fotografia em preto e branco, geralmente para aumentar o realismo da fotografia ou para os artísticos.[1] A coloração à mão também é conhecida como pintura à mão ou sobrepintura. Desde o princípio das descobertas relacionadas, à fotografia, inúmeras tentativas foram sendo feitas para adicionar cor às imagens. Como a produção de imagens a cores naturais era impossível, diversas técnicas foram desenvolvidas para adicionar a cor, ou mesmo aumentar a ilusão de vida das imagens. Dentre elas, o uso de bases (como papel, por exemplo) coloridas.

Normalmente, aquarelas, óleos e lápis ou pastéis e outras tintas ou corantes são aplicados à superfície da imagem usando dedos, cotonetes ou aerógrafos. As fotografias coloridas à mão foram mais populares em meados do século XIX antes da invenção da fotografia colorida e havia algumas empresas especializadas na produção de fotografias coloridas à mão.

Daguerreótipo colorido à mão
Fotografia colorida à mão atribuída a Adolfo Farsari

Várias patentes de métodos de colorir daguerreótipos foram registradas[2]. Daguerreótipos recebiam uma camada de verniz ou goma arábica sobre a qual a tinta (aquarela ou óleo) era aplicada. Também era possível a aplicação de pigmentos que, ao serem aquecidos ou eletrizados[3], se fundiam. O resultado podia ser transparente, ou opaco (cobrindo a imagem, como se fosse, de fato, uma pintura).

O resultado dependia da competência do profissional (colorista). Se fotografias já eram algo caríssimo, fotografias coloridas eram um símbolo de status. Muitas vezes, aplicava-se a cor apenas a detalhes.

Quando surgiram as fotografias impressas em papel, colori-las ficou mais fácil, acessível até mesmo a amadores. Podiam ser coloridas com aquarela, pastel e vários outros materiais. Também passaram a ser produzidos slides para projeção,[4] colorindo transparentes fotografias impressas em placas de vidro.

História[editar | editar código-fonte]

A fotografia monocromática (preto e branco) foi realizada pela primeira vez pelo daguerreótipo em 1839 e posteriormente aprimorada por outros métodos, incluindo: calótipo, ambrótipo, tintype, impressão albuminada e gelatin silver print. A maioria das fotografias permaneceu monocromática até meados do século XX, embora experimentos produzissem fotografias coloridas desde 1855 e alguns processos fotográficos produzissem imagens com uma cor geral inerente, como o azul do cianótipo. Na tentativa de criar imagens mais realistas, fotógrafos e artistas pintariam fotografias monocromáticas à mão. Os primeiros daguerreótipos coloridos à mão são atribuídos ao pintor e gravador daSuíça Johann Baptist Isenring, que usou uma mistura de goma arábica e pigmento para colorir daguerreótipos logo após sua invenção em 1839.[5] O pó colorido foi fixado na delicada superfície do daguerreótipo pela aplicação de calor. Variações dessa técnica foram patenteadas em Inglaterra por Richard Beard em 1842 e em França por Étienne Lecchi em 1842 e Léotard de Leuze em 1845. Mais tarde, a coloração foi usada com sucessivas inovações fotográficas, desde impressões em albumina e prata em gelatina até lanternas. [6]

Esforços paralelos para produzir imagens fotográficas coloridas afetaram a popularidade da coloração das mãos. Em 1842 Daniel Davis Jr. patenteou um método para colorir daguerreótipos através de galvanoplastia, [7] e seu trabalho foi refinado por Warren Thompson no ano seguinte. Os resultados do trabalho de Davis e Thompson foram apenas parcialmente bem-sucedidos na criação de fotografias coloridas e o método de galvanoplastia foi logo abandonado. Em 1850 Levi L. Hill anunciou sua invenção de um processo de daguerreotipagem em cores naturais em seu “Tratado sobre Daguerreótipo”.[8]

Fotografias coloridas à mão japonesas[editar | editar código-fonte]

Takaboko Island hc.jpg

A técnica de colorir fotografias à mão tornou-se extremamente popular no Japão. Era considerada uma arte refinada e muito respeitada desde o início da década de 1860[9]. O fotógrafo anglo-italiano Felice Beato, aproveitando em seus estúdios o talento já bem desenvolvido dos aquarelistas e gravadores japoneses, produziu um livro de retratos de japoneses coloridos à mão, Nature Types. O pintor Yokoyama Matsusaburo criou uma técnica chamada shashin abura-e, que consistia em remover o suporte de papel da emulsão fotográfica, colorindo-a a óleo, produzindo uma verdadeira pintura com base fotográfica.

Século XX[editar | editar código-fonte]

A chamada "era de ouro da fotografia colorida à mão" no hemisfério ocidental ocorreu entre 1900 e 1940.[10] O aumento da demanda por pinturas coloridas à mão no início do século XX é atribuído ao trabalho de Wallace Nutting. Nutting, um ministro da Nova Inglaterra, trabalhou a fotografia de paisagem colorida à mão como hobby até 1904, quando abriu um estúdio profissional. Ele passou os 35 anos seguintes criando fotografias coloridas à mão e se tornou o fotógrafo colorido à mão mais vendido de todos os tempos.[11]

Entre 1915 e 1925, as fotografias coloridas à mão eram populares entre a classe média nos Estados Unidos, Canadá, Bermudas e Bahamas como presentes de casamento acessíveis e elegantes, presentes para chá de panela, presentes de feriado, presentes de amizade e lembranças de férias. Com o início da Grande Depressão em 1929 e a subsequente diminuição nos números da classe média, as vendas de fotografias coloridas à mão diminuíram acentuadamente.[11]

Apesar da queda na popularidade, fotógrafos qualificados continuaram a criar fotografias coloridas à mão. Hans Bellmer fotografias coloridas à mão de suas próprias esculturas de bonecas da década de 1930 fornecem um exemplo de coloração manual contínua de fotografias na Europa durante esse período.[12]

Digitally-colourised picture of Finnish POWs, 6th January 1940. The picture has been restored and edited in Adobe Photoshop.

Outro fotógrafo de colorir à mão, Luis Márquez (1899–1978), foi o fotógrafo oficial e consultor de arte do Pavilhão Mexicano na Feira Mundial de 1939-40. Em 1937, ele apresentou ao governador do Texas James V. Allred uma coleção de fotografias coloridas à mão. A [Universidade Nacional Autônoma do México] na Cidade do México possui um extenso arquivo fotográfico de Luis Márquez, assim como a Universidade de Houston no Texas.[13]

Na década de 1950, a disponibilidade de filmes coloridos praticamente acabou com a produção de fotografias coloridas à mão. O aumento da popularidade de antiguidades e colecionáveis ​​na década de 1960, no entanto, aumentou o interesse em fotografias coloridas à mão. Desde cerca de 1970, houve um renascimento da coloração das mãos, como visto no trabalho de fotógrafos-artistas como Elizabeth Lennard, [Jan Saudek], Kathy Vargas e Rita Dibert. Robert Rauschenberg e o uso de outros meios combinados de fotografia e pintura em sua arte representam um precursor desse avivamento.

Apesar da disponibilidade de alta qualidade dos processos em cores, as fotografias coloridas à mão (geralmente combinadas com tons de sépia) ainda são populares por razões estéticas e porque os pigmentos utilizados têm grande permanência. Em muitos países onde o filme colorido era raro ou caro, ou onde o processamento de cores não estava disponível, a coloração manual continuava sendo usada e às vezes preferida na década de 1980. Mais recentemente, o processamento de imagem digital foi usado - especialmente na publicidade - para recriar a aparência e os efeitos da coloração das mãos. Agora, a coloração está disponível para o fotógrafo amador, usando um software de manipulação de imagens como o Adobe Photoshop.

Cristalótipo[editar | editar código-fonte]

Artigo principal: Cristalótipo

Cristalótipos eram fotografias impressas em vidro, coloridas com tinta a óleo, nas quais a cor era aplicada no lado oposto ao impresso da placa, gerando um efeito de profundidade.

Popularização[editar | editar código-fonte]

Fotografia de Luis Márquez

Fotografias coloridas à mão tornaram-se bastante populares entre 1900 e 1940, popularidade atribuída ao trabalho de Wallace Nutting. Durante a Grande Depressão, houve um declínio na demanda. A popularização do filme a cores reduziu ainda mais a demanda, no entanto, ela jamais desapareceu completamente. Profissionais talentosos são capazes de produzir belas imagens, que não podem ser conseguidas com o filme colorido. Entre eles está o fotógrafo mexicano Luis Márquez.

Nos dias de hoje, são comuns imagens digitais editadas de forma a imitar efeitos de fotografias coloridas à mão.

Técnicas relacionadas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Tesauro de arte e arquitetura, sv "coloração manual". Acessado em 22 de novembro de 2010.
  2. Henisch, H.K. & Henisch, B. (1996). The painted photograph 1939-1914: Origins, techniques, aspirations. Pennsylvania: The Pennsylvania State University Press. p. 21.
  3. Henisch. (1996). p. 24.
  4. Robinson, D., Herbert, S., Crangle, R., & Magic Lantern Society of Great Britain. (2001). Encyclopaedia of the magic lantern. London: Magic Lantern Society, p. 73-74.
  5. Henisch, HK & Henisch, B. (1996). "A fotografia pintada 1939-1914: Origens, técnicas, aspirações". Pensilvânia: The Pennsylvania State University Press. p. 21.
  6. Robinson, D., Herbert, S., Crangle, R. e Magic Lantern Society da Grã-Bretanha. (2001) Enciclopédia da lanterna mágica. Londres: Magic Lantern Society, p. 73-74.
  7. Henisch. (1996). p. 24.
  8. Hill, L. L., e McCartey, W. (1973). Um tratado sobre daguerreótipo. "A literatura da fotografia". Nova York: Arno Press.
  9. Henisch. (1996). p. 201.
  10. Ivankovich, M. & Ivankovich, S. (2005). “Fotografia pintada à mão do início do século XX: identificação e valor.” Kentucky: Collector Books. p. 11.
  11. a b Ivankovich. (2005). p. 12
  12. Museum, George Eastman (10 de junho de 2015). [http: / /www.geh.org/taschen/m198218940005.jpg «Página não encontrada»] Verifique valor |url= (ajuda). Consultado em 28 de setembro de 2017. [https: //web.archive.org/web/20070927194321/http: //www.geh.org/taschen/m198218940005.jpg Cópia arquivada em 27 de setembro de 2007] Verifique valor |archive-url= (ajuda)  Parâmetro desconhecido |url-status= ignorado (ajuda)
  13. [http: // digital. lib.uh.edu/cdm4/browse.php?CISOROOT=/p15195coll13 «Biblioteca digital da Universidade de Houston: Luis Marquez Fotografias»] Verifique valor |url= (ajuda). digital.lib.uh.edu. Consultado em 28 de setembro de 2017 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Fotografias coloridas à mão