Hegelianos de direita

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Hegelianos de direita é o nome dado a um grupo de estudantes e jovens professores da universidade Humboldt de Berlim formado após a morte de Georg Hegel, em 1837.[1]

Os hegelianos de Direita, de forte apologia ao conservadorismo, expandiram o conceito de estatismo e entendiam que as séries de evoluções dialéticas históricas tinham sido completadas, e que a sociedade da Prússia, como ela existia, era a culminação de todo o desenvolvimento social para a época. A maioria elogiou o Estado prussiano, por fornecer um extenso sistema de serviços civis, boas universidades, industrialização, e alta empregabilidade. Entrando assim em conflito com os hegelianos de esquerda que acreditavam que ainda haveria mudanças dialéticas mais extensas para acontecer,[1] e que aquela sociedade estava longe da perfeição e ainda continha focos de pobreza, que no Governo tinha lugar para a censura, e os não luteranos sofriam com a discriminação religiosa.

O Estado é absolutamente racional ... e tem o direito supremo sobre o indivíduo, cujo dever supremo é de ser um membro do Estado.[2]

Filosofia do Direito, "O Estado", p. 258

Filósofos hegelianos de direita incluem:

Referências

  1. a b Dallmayr, Fred. «The Discourse of Modernity: Hegel and Habermas». JSTOR 2026775 
  2. Cf. Hegel, Georg H. W. 1821. Philosophy of Right. Trad. S. W. Dyde, 2008. Cosimo, Google Print, p. 133
Ícone de esboço Este artigo sobre filosofia/um(a) filósofo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.