Heloísa Prieto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Heloísa Prieto
Nome completo Heloisa Braz de Oliveira Prieto
Nascimento 26 de agosto de 1954 (66 anos)
Nacionalidade brasileira
Ocupação escritora, pesquisadora cultural e tradutora
Principais trabalhos A Cidade dos Deitados
Página oficial
http://www.heloisaprieto.com/

Heloisa Braz de Oliveira Prieto (São Paulo, 26 de agosto de 1954) é uma escritora, pesquisadora cultural e tradutora brasileira, com um mestrado em comunicação e semiótica e doutorado em Teoria da Literatura.[1] Heloisa iniciou sua carreira de escritora quando era ainda professora de jardim da infância na Escola da Vila, em São Paulo.[2]

Sua obra publicada — mais de 70 livros entre contos e romances — abrange contos de fadas, fantasia, ficção e o relato de mitos e lendas indígenas. É mais conhecida como escritora de ficção para crianças e jovens adultos.

Sua série Mano, em co-autoria com o jornalista Gilberto Dimenstein, inspirou o filme As Melhores Coisas do Mundo, (Warner Brothers - dir: Laís Bodanzky),[3] que ganhou o prêmio de Melhor Filme para Crianças e Jovens em 2011, o Festival Internacional de Cinema para Crianças e Jovens Adultos (FICI), em Madrid, Espanha.

Além de sua obra publicada, também pesquisa mitos e lendas antigas e modernas; organiza e faz a curadoria de coleções de interesse transcultural; e cria e organiza oficinas de escrita criativa para crianças, adolescentes e adultos. É mentora de jovens escritores e coloca especial ênfase no apoio de talentos artísticos e literários dos povos indígenas.[4]

Premiações[editar | editar código-fonte]

Seu livro A princesa que não queria aprender a ler ganhou o prêmio de Melhor Livro infantil da União Dos Escritores Brasileiros, e Mata ganhou o de Melhor Livro de Folclore. Ela ainda foi premiada com Melhor Livro De Lendas por O livro dos pássaros mágicos e foi uma das vencedoras de Melhor Livro Para Jovens Adultos por A Cidade dos Deitados pela Fundação Nacional do Livro, que também selecionou sua Andarilhas em 2016 para o Catálogo de Bolonha de Livros para Crianças e Jovens Leitores. Seu livro Lá Vem História já vendeu mais de 300 000 cópias e se tornou uma série de TV para crianças na TV Cultura.[5]

Obras selecionadas[editar | editar código-fonte]

  • Lá Vem História – Companhia das Letras
  • Mata – Companhia das Letras
  • Mil e um fantasmas – Companhia das Letras
  • A princesa que não queria aprender a ler – FTD
  • O livro dos pássaros mágicos – FTD
  • A Cidade dos Deitados – Cosac Naify (2009)
  • Série Mano – Ática
  • Andarilhas – SM edições
  • O Jogo dos Tesouros – Edelbra
  • A Loira do Banheiro – Ática
  • Lenora – Rocco
  • Ian e a Música das Esferas – Rocco
  • Balada – Brinquebook
  • O jogo da Parlenda – Companhia das Letras
  • As sete cores de Íris – Papirus
  • Dragões Negros – Moderna
  • As estrelas se divertem – Moderna
  • Rotas Fantásticas – FTD
  • Gnomos e Duendes – Companhia das Letras
  • Divinas Aventuras – Companhia das Letras
  • De pernas pro ar - FTD

Referências

  1. «Escritora Heloisa Prieto participa de encontro em Passo Fundo - clicRBS Passo Fundo». clicRBS - Passo Fundo. 11 de agosto de 2010. Consultado em 14 de setembro de 2018 
  2. «Heloisa Prieto - Grupo Companhia das Letras». Companhia das Letras. Consultado em 14 de setembro de 2018 
  3. «The Best Things in the World». American Film Institute. Consultado em 14 de setembro de 2018 
  4. Madeira, Cauê (21 de setembro de 2011). «Heloísa Prieto: a busca pelo narrador interno de cada um». Biblioteca de São Paulo. Consultado em 14 de setembro de 2018 
  5. Carvalho, Gisleine; Cristiane, Yamamoto (2 de agosto de 2014). «Folclore na literatura - Educar para Crescer». Consultado em 14 de setembro de 2018. Arquivado do original em 21 de setembro de 2016  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)