Hiperproinsulinemia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A hiperproinsulinemia é uma doença onde a insulina não é suficientemente processada antes da secreção[1] e formas imaturas de insulina compensam a maioria da imunoreatividade da insulina circulante tanto nas condições de jejum quanto nas estimuladas por glicose (a imunoreatividade da insulina se refere a todas as moléculas detectáveis por um anticorpo de insulina, i.e. insulina, proinsulina, e material assemelhado à proinsulina). O termo é composto de hiper - alta, proinsulina - molécula de insulina imatura e -emia - condição sanguínea.

A hiperproinsulinemia é mais frequente na diabetes tipo 2. Tem sido atribuída a um defeito direto das células betas ou a um efeito indireto da desregulação da célula sob glicose sanguínea elevada sustentada (hiperglicemia).

Alguns alelos de insulina podem causar hiperproinsulinemia (veja tabela 2: formas monogênicas de diabetes do tipo 1, INS (insulina). Para descrições mais detalhadas das variações do gene da insulina levando à hiperproinsulinemia veja o OMIM 176730 da NCBI.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Dhanvantari S, Shen FS, Adams T; et al. (2003). «Disruption of a receptor-mediated mechanism for intracellular sorting of proinsulin in familial hyperproinsulinemia». Mol. Endocrinol. 17 (9): 1856–67. PMID 12829804. doi:10.1210/me.2002-0380