Homem doente da Europa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Os cães da guerra, caricatura de 11 de junho de 1876 na revista Punch, representando a Rússia atacando os otomanos de trás de quatro cães que representam as nações balcânicas. Enquanto, o Reino Unido, escondido atrás de uma cerca, recomenda à Rússia que tenha cuidado.

A expressão "homem doente da Europa", entretanto aplicada a diversos outros países europeus, refere-se ao império Turco-Otomano e também à fraqueza e declínio de uma economia aparentemente normal.

A origem da frase é atribuída ao czar Nicolau I da Rússia, referindo-se à situação vivida pelo Império Otomano no século XIX.[1] O uso deste termo se tornou popular durante a Guerra da Crimeia.

Na década de 1970, o termo foi aplicado ao Reino Unido, que estava vivendo uma pior situação econômica que outros países europeus. O mesmo aconteceu com a Espanha no início dos anos 1980.

A Irlanda também foi nomeada para esse epíteto durante o longo período de pobreza antes da década de 1980. Nessa época Portugal também foi relacionado com este nome.

Na década de 1990, a Rússia e outros países do Leste Europeu foram chamados de homens doentes da Europa, devido à grave crise econômica, altas taxas de AIDS/SIDA e alcoolismo e ao declínio demográfico que sofriam. No final desta década, a imprensa relacionou esse nome com a Alemanha devido ao alto custo da reunificação alemã.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikisource
A Wikisource contém fontes primárias relacionadas com Homem doente da Europa