Horto Florestal Dr. Luiz Teixeira Mendes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Horto Florestal Dr. Luiz Teixeira Mendes
Localização Brasão de Maringá - PR.svgMaringá, PR
País  Brasil
Tipo Espaço privado
Área 15 ha
Inauguração 1950
Administração Companhia Melhoramentos Norte do Paraná

O Horto Florestal Dr. Luiz Teixeira Mendes[1] é uma reserva florestal localizada na cidade de Maringá, estado brasileiro do Paraná.

História[editar | editar código-fonte]

O local em que o Horto Florestal se encontra foi preservado pela Companhia Melhoramentos Norte do Paraná, na década de 1950, quando a cidade ainda estava em sua fase inicial. A preservação foi feita a partir de dois objetivos:preservar essências da mata nativa da região, a Mata Atlântica, e por possuir no seu interior as nascentes que dão origem ao Córrego Borba Gato.

Sendo assim, começaram a ser plantadas várias mudas de árvores da mata nativa do Paraná, que iriam servir para o reflorestamento e arborização urbana da cidade de Maringá.

O bosque foi fechado em outubro de 2003, sob prerrogativa de restaurar a área verde, controlar a erosão forte do local e limpar o lixo despejado no local[2]. Porém o parque não foi aberto até hoje, e apenas em 2013, após decisão judicial que condenou a Prefeitura de Maringá e a Cia. Melhoramentos Norte do Paraná que começaram a reaver as obras[3].

Nome[editar | editar código-fonte]

O nome do Horto é uma homenagem ao agrônomo Dr. Luiz Teixeira Mendes (07/09/1883 - 12/07/1957), que foi dada logo após a sua morte. Dr. Luiz ajudou diretamente na criação do bosque, além de ter sido responsável pelo plantio e cuidados das plantas[4].

Referências

  1. «Maringá Turística». www2.maringa.pr.gov.br. Consultado em 22 de fevereiro de 2019 
  2. Diário, O. (1 de abril de 2013). «Recuperar para reabrir o Horto Florestal de Maringá». O Diário. Consultado em 22 de fevereiro de 2019 
  3. «Obras no Horto Florestal vão custar R$ 3,8 milhões à Prefeitura». Gazeta do Povo. Consultado em 22 de fevereiro de 2019 
  4. «Instituto da Árvore: Homenagem». Instituto da Árvore. Consultado em 22 de fevereiro de 2019