Hospital da CSN

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Hospital Santa Cecília
ICC
Nome(s) anterior(es) Hospital da CSN
Localização Volta Redonda-RJ,  Brasil
Fundação 1 de maio de 1953 (68 anos)
Tipo Privado
Especialidades Diversas
Site https://www.hospitalsantaceciliavr.org.br/
Coordenadas 22.5165° S 44.101824° O
editar

O Hospital da CSN é um hospital criado pela Companhia Siderúrgica Nacional, à época de sua fundação, na cidade de Volta Redonda. Inaugurado em 01 de Maio de 1953 e localizado no bairro Vila Santa Cecília, sua rotina era exclusivamente para atendimento de funcionários da CSN e seus familiares, com maior atenção para a parte de acidentes de trabalho, pois havia um ambulatório criado especialmente para atender esta demanda.[1]

Foi o primeiro hospital do estado do Rio e o quinto de todo o Brasil a alcançar a Acreditação em Nível 3.[2] É, também, o único a fazer cirurgias cardíacas na região Sul Fluminense, e inclusive atende a demanda do sistema público de saúde, via SUS.[3]

Passou por diversas administrações e recebeu o nome de Hospital Santa Cecília de Volta Redonda.[4] Desde junho de 2020, o hospital é operado pelo grupo ICC,[5] porém, o imóvel ainda pertence ao grupo CSN.

Administração Pelo Grupo Vita[editar | editar código-fonte]

Após a privatização da CSN, o Hospital continuou a ser administrado pela empresa até o ano 2000, quando o imóvel do Hospital foi cedido em comodato gratuito por 10 anos - ou seja, até 2010 - pela Companhia ao Grupo Vita.[6] Depois disso, o grupo deveria pagar um aluguel mensal a CSN ou devolver o imóvel.

Foi nesta administração que o hospital tornou-se o primeiro do estado do Rio e o quinto de todo o Brasil a alcançar a Acreditação em Nível 3. Em 2006, o hospital foi Acreditado no Nível de Excelência pela ONA (Organização Nacional de Acreditação).[2]

Imbróglio Judicial e Ordem de Despejo[editar | editar código-fonte]

Em 2014, por conta de atrasos no pagamento de aluguel, o grupo CSN entrou com uma ação judicial contra o Grupo Vita pedindo a devolução do imóvel, já que a CSN entendia que a dívida total somava R$ 21 milhões.[7]

O imbróglio arrastou-se na Justiça até 2017, quando os desembargadores do Tribunal de Justiça decidiram que o Grupo Vita não poderia sofrer despejo do imóvel, por conta do impacto social que a decisão acarretaria.[6] Por conta disto, a CSN e o Grupo Vita tiveram que chegar a um consenso quanto ao valor do aluguel – que deveria ser depositada em juízo. Alguns pagamentos chegaram a ser realizados, mas num determinado momento, o Grupo Vita parou com os depósitos. No final de janeiro de 2018, esta inadimplência foi constatada pela Justiça.[6] Por conta disso, em maio de 2018, um juiz determinou que o Grupo Vita deveria ser despejado do imóvel até 30 de junho de 2018.[8]

Tão logo veio a público a sentença, os deputados federais Mandetta e Deley solicitaram a criação de uma comissão externa para acompanhar a situação do Hospital. Eles argumentaram tratar-se de um tema de interesse público, já que o Vita é o maior hospital da região sul fluminense.[9] O prefeito da cidade, Samuca Silva] preocupado com uma possível demissão em massa, ligou para o presidente do grupo CSN, Benjamin Steinbruch, solicitando para que, independente de quem fosse o novo operador do hospital, absorvesse os funcionários para que o impacto social na transferência da gestão fosse minimizado.[10]

Administração pelo Grupo Soebras[editar | editar código-fonte]

Em 18 de junho de 2018, a Sociedade Educativa do Brasil (Soebras) adquiriu 100% das ações do hospital, bem como garantiu quitar a dívida anterior reclamada pelo grupo CSN. .[4]

A partir de então o passou a se chamar Hospital Santa Cecília de Volta Redonda,[4] mas o imóvel ainda pertence ao grupo CSN.

Administração pelo Grupo ICC[editar | editar código-fonte]

Em 1º de junho de 2020, em plena pandemia de COVID-19, o Instituto do Câncer do Ceará (ICC) assumiu o controle do Santa Cecília.[5] Mesmo com as dificuldades ocasionadas pelo contexto histórico, no primeiro ano de gestão, o grupo realizou diversas reformas e adquiriu novos equipamentos, investindo cerca de 5 milhões de reais, além de aumentar o quadro de funcionários.[11][12]

Referências

  1. biblioteca.ibge.gov.br/ Hospital da Companhia Siderúrgica Nacional: Volta Redonda, RJ
  2. a b focoregional.com.br/ Vita acredita em solução para manter o hospital
  3. diariodovale.com.br/ Médicos tentam manter hospital da CSN aberto
  4. a b c avozdacidade.com/ Hospital Vita, em Volta Redonda, é comprado pela Soebras
  5. a b «ICC assume operação de hospital da CSN». Diário do Vale. 22 de janeiro de 2020. Consultado em 5 de junho de 2021 
  6. a b c jornalaqui.com/ O Vita não pode fechar
  7. oglobo.globo.com/ Justiça determina o despejo de hospital em Volta Redonda
  8. jornalponto.com/ Decisão: Grupo Vita terá que deixar hospital da CSN em 30 de junho
  9. camara.leg.br/ Cancelada reunião com ministro da Saúde sobre despejo do Hospital Vita, em Volta Redonda
  10. jornalaqui.com/ Leilão branco
  11. «Hospital Santa Cecília comemora um ano em Volta Redonda». Diário do Vale. 2 de junho de 2021. Consultado em 5 de junho de 2021 
  12. «ICC completa um ano de gestão do Hospital Santa Cecília». Foco Regional. 1 de junho de 2021. Consultado em 5 de junho de 2021