Igreja Metodista Central (Porto Alegre)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fachada da Igreja Metodista Central

A Igreja Metodista Central é um prédio histórico de Porto Alegre, capital do estado do Rio Grande do Sul.

A doutrina metodista chegou ao Rio Grande do Sul por volta de 1875. Em Porto Alegre, no dia 27 de setembro de 1885, foi organizada a primeira congregação metodista, composta de seis membros fundadores, entre eles o Dr. João da Costa Correa, que deu início à obra da igreja metodista no Rio Grande do Sul. O primeiro templo foi erguido em 1885, na Rua Dr. Flores 91, sendo o berço do metodismo no estado.

O terreno do presente edifício, localizado à Rua Duque de Caxias 1676, esquina com a Rua Jerônimo Coelho, foi adquirido em 1907, e a sua construção foi terminada em 1914, tendo sido consagrado em 5 de setembro de 1915. Seu estilo é um neogótico bastante austero, de influência norte-americana, com planta de simetria radial e desenho poligonal, com uma torre quadrangular anexa. Construída sobre um embasamento elevado, no primeiro piso chamam a atenção as grandes janelas ogivais decoradas com vitrais sem imagens, as maiores com pequenos óculos acima. A entrada se dá por uma escadaria que conduz à base da torre, onde se abre a porta de acesso.

Interior

A torre sineira se eleva em três níveis: junto à base fica a entrada do templo, acima existem quatro óculos redondos, e por fim o último nível apresenta aberturas duplas em arco de ogiva, sem fechamento, e coroa a torre um coruchéu simples prismático com uma cruz no topo.

O interior é dividido em um pequeno átrio, que através de um largo vão envidraçado conduz diretamente à nave, que é totalmente despojada de adornos salvo os vitrais nas janelas e um lustre central simples. O teto é uma cúpula prismática com um forro de tijolos quadrados aparentes e um vigamento de concreto. Bancadas para a congregação e um pequeno altar para o Livro Sagrado, sobre um embasamento um pouco elevado do chão da nave, completam o recinto.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Placa comemorativa no interior da Igreja
  • Cassandra, Paula. Centro, palco da construção de templos e crenças. Porto Alegre: Jornal do Centro, agosto de 2007, p. 7.