Imperialismo (Hobson)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela política expansionista, veja Imperialismo.

Imperialismo foi um discurso político-econômico ecrito por John A. Hobson em 1902.

Essencialmente Hobson relata que a expansão imperial é impulsionada pela busca de novos mercados e oportunidades de investimentos em regiões ultramarinas. O livro causou influência em pensadores como Bujarin, Lenin e Hannah Arendt.

Como cientista político, J.A. Hobson disse que era uma prática econômica, política e cultural comum às nações com um sistema econômico capitalista. Por causa de sua capacidade produtiva inata para gerar lucros, requer empreendimentos socioeconômicos de larga escala, de longo prazo e custosos, como o imperialismo. Uma sociedade capitalista poderia evitar o recurso ao imperialismo através da redistribuição radical dos recursos econômicos nacionais entre a sociedade e, assim, aumentar o poder de consumo econômico de cada cidadão. Depois de tais ajustes econômicos, uma nação capitalista, ela pode direcionar a produção e o consumo [consumerism | consumption]] de bens e serviços para os mercados do país, porque "os mercados internos são capazes de expansão indefinida ... desde que a "renda", ou poder de demanda de commodities, seja distribuída apropriadamente.[1]

Referências

  1. Hunt, E.K. (2003). Property and Prophets: The Evolution of Economic Institutions and Ideologies. Armonk, New York: M.E. Sharpe, Inc. pp. 183–184. ISBN 0-7656-0609-7 
Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.