Inferência

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Em Lógica, inferência ou ilação é operação intelectual mediante a qual se afirma a verdade de uma proposição em decorrência de sua ligação com outras proposições já reconhecidas como verdadeiras. Consiste, portanto, em derivar conclusões a partir de premissas conhecidas ou decididamente verdadeiras. A conclusão também é chamada de idiomática.

Definição[editar | editar código-fonte]

O processo pelo qual uma conclusão é inferida a partir de múltiplas observações é chamado processo dedutivo ou indutivo, dependendo do contexto. A conclusão pode ser correta, incorreta, correta dentro de um certo grau de precisão ou correta em certas situações. Conclusões inferidas a partir de observações múltiplas podem ser testadas por observações adicionais.

Exemplos de Inferência[editar | editar código-fonte]

Aristóteles definu uma série de silogismos, que podem ser usados ​​como blocos de construção para o raciocínio mais complexo. Começamos com o mais famoso de todos eles:

  • Todos os homens são mortais
  • Sócrates é um homem
  • Portanto, Sócrates é mortal.

O processo acima é chamado de dedutivo.

As premissas e a conclusão são verdadeiras, mas a lógica segue junto com inferência. Mas a verdade da conclusão nem sempre se segue da verdade das premissas. A validade de uma inferência depende da forma da inferência. Isto é, a palavra "válido" não se refere à verdade das premissas ou da conclusão, mas sim a forma da inferência. Uma inferência pode ser válida, mesmo se as partes são falsas, e pode ser falsa, mesmo se as partes são verdadeiras. Mas uma forma válida e com premissas verdadeiras sempre terá uma conclusão verdadeira.

Considere o seguinte exemplo:

A - Todos os frutos são doces.
B - A banana é uma fruta.
C - Portanto, a banana é doce.

Agora voltamos a uma forma inválida:

  • Todo A é B.
  • C é um B.
  • Portanto, C é um A.

Para mostrar que esta forma é inválida, buscamos demonstrar como ela pode levar a partir de premissas verdadeiras para uma conclusão falsa.

  • Todas as maçãs são frutas. (Correto)
  • Bananas são frutas. (Correto)
  • Portanto, as bananas são maçãs. (Errado)

Um argumento válido com premissas falsas podem levar a uma falsa conclusão:

  • Todas as pessoas gordas são gregas.
  • John Lennon era gordo.
  • Portanto, John Lennon era grego.

Quando um argumento válido é usado para derivar uma conclusão falsa de premissas falsas, a inferência é válida, pois segue a forma de uma inferência correta.

Um argumento válido pode também ser usado para derivar uma conclusão verdadeira a partir de premissas falsas:

  • Todas as pessoas gordas são músicos
  • John Lennon era gordo
  • Portanto, John Lennon era um músico

Neste caso, temos duas falsas premissas que implicam uma conclusão verdadeira.

Inferência incorreta[editar | editar código-fonte]

Uma inferência incorreta é conhecida como uma falácia. Os filósofos que estudam lógica informal compilaram grandes listas deles, e os psicólogos cognitivos têm documentado muitas vieses de raciocínio humano que favorecem o raciocínio incorreto.

Inferência logica automática[editar | editar código-fonte]

Os sistemas de IA primeiro providenciaram "inferência logica automática". Uma vez que estes já foram temas de investigação extremamente popular, levaram a aplicações industriais sob a forma de sistemas especialistas e depois "business rule engines".

O trabalho de um sistema de inferência é a de estender uma base de conhecimento automaticamente. A base de conhecimento (KB) é um conjunto de proposições que representam o que o sistema sabe sobre o mundo. Várias técnicas podem ser utilizadas pelo sistema para estender KB por meio de inferências válidas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Lógica é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.