Instituto dos Museus e da Conservação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Palácio Nacional da Ajuda

O Instituto dos Museus e da Conservação, I. P., era um Instituto Público português, abreviadamente designado por IMC, criado em 2007 na âmbito do Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado (PRACE), e que unia os anteriores Instituto Português de Museus e Instituto Português de Conservação e Restauro, assim como a Estrutura de Missão Rede Portuguesa de Museus. Era dependente do Ministério da Cultura.[1] Em 2011, foi fundido com o Instituto de Gestão do Património Arquitetónico e Arqueológico, I. P., gerando a Direção-Geral do Património Cultural.

Missão[editar | editar código-fonte]

O IMC passou a tutelar 28 museus, de arte, arqueologia, etnologia, e 5 Palácios Nacionais, instituições de referência patrimonial espalhadas por praticamente todas as regiões do País. Preservar e valorizar estes objectos únicos, garantindo que as gerações futuras poderão continuar a frui-los, era a principal preocupação do Instituto.

Bases de Dados[editar | editar código-fonte]

As bases de dados apresentadas, anteriormente dependentes do IMC, são agora dependentes da Direção-Geral do Património Cultural.

MatrizNet[editar | editar código-fonte]

Faculta a informação contida nas fichas de inventário de bens museológicos, assim como a informação relativa a bibliografia e a exposições temporárias dos museus anteriormente dependentes do IMC, agora da DGPC. Tem cerca de 40.000 entradas e possibilita a realização de pesquisas transversais nas colecções dos museus, em obras de uma determinada época histórica, período artístico ou autoria.[2]

  • Colecções
  • Exposições Temporárias

MatrizPCI[editar | editar código-fonte]

Base de informação de suporte ao Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial, permitindo além das pesquisas de manifestações imateriais inventariadas, a consulta de recursos de referência sobre património imaterial, incluindo legislação e normativos, edições eletrónicas e documentação técnica de relevância para a promoção da salvaguarda do Património Cultural Imaterial. [3]

  • Pesquisa do Inventário
  • Iniciar o procedimento de inventário de manifestações imateriais

MatrizPix[editar | editar código-fonte]

Permite a pesquisa sobre fundos fotográficos, em suporte digital, produzidos e geridos anteriormente pelo Instituto dos Museus e da Conservação a atualmente pela DGPC, designadamente os relativos à documentação das colecções dos Museus e Palácios Nacionais. Possui uma área de apresentação de Exposições fotográficas, quer constituam versões online de exposições apresentadas pela ADF/DGPC em museus e galerias, quer constituam exposições concebidas especificamente para acesso através do MatrizPIX. Permite ainda a selecção e pedido online de imagens. Possui cerca de 30.000 entradas.[4]

  • Pesquisa de Imagens
  • Exposições Online
  • Pedido de Imagens

Extinção[editar | editar código-fonte]

O IMC foi extinto em 29 de dezembro de 2011, por fusão com o Instituto de Gestão do Património Arquitetónico e Arqueológico, I. P., gerando um serviço de administração direta do Estado, a Direção-Geral do Património Cultural.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ministério da Cultura,D.L. 97/2007 de 29 de Março
  2. «MatrizNet». Direção-Geral do Património Cultural. Consultado em 19 de Abril de 2017 
  3. «MatrizPCI». Direção-Geral do Património Cultural. Consultado em 19 de Abril de 2017 
  4. «MatrizPix». Direção-Geral do Património Cultural. Consultado em 19 de Abril de 2017 
  5. Presidência do Conselho de Ministros, D.L. 126-A/2011 de 29 de Dezembro

Ligações externas[editar | editar código-fonte]