Jauar al-Siquili

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Jawhar as-Siqilli)
Ir para: navegação, pesquisa

Jawhar ibn Abdallah ou Gawhar as-Siqilli, dito al-Siqilli ("o Siciliano"), al-Rumi ("o Grego"), al-Saqlabi ("o Eslavo"), al-Katib ("o Chanceler") e al-Qaid ("o General"), (em árabe: جوهر الصقلي - início do século X - 1 de fevereiro de 992) [1] foi o mais importante líder militar da história do Califado Fatímida[2]. Ele liderou a conquista do Norte da África[3] e, depois, do Egito; fundou a cidade do Cairo[4] e construiu a grande Mesquita de al-Azhar.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Jawhar era um ghilman (escravo) siciliano de origem grega[5][6][7][8][9][10]. Sua família é oriunda do Emirado da Sicília (daí o epíteto الصقلي - o Siciliano) e chegou como escravo no Norte da África. Ele foi vendido ao califa Ismail al-Mansur por conta de sua inteligência e sagacidade. Sob o filho dele, al-Muizz, ele conseguiu sua liberdade, se tornou secretário pessoal do califa e logo, vizir e comandante militar dos fatímidas. Neste papel, ele retomou a expansão do califado e, junto com os ziridas, conquistou Fez, no norte de Marrocos, e avançou em direção ao Atlântico. Apenas as fortalezas de Ceuta e Tânger permaneceram sob controle dos omíadas do Califado de Córdoba.

Após ter assegurado as suas fronteiras ocidentais, as-Siqilli avançou em direção ao Egito e ocupou todo o território à volta do Nilo, então controlado pelos Ikchídidas (regentes em nome dos abássidas de Bagdá), após um cerco em Giza. A conquista foi antecipada por um tratado com o vizir dos Ikchídidas (pelo qual os sunitas teriam liberdade de culto) e, assim, os fatímidas conquistaram a região enfrentando pouca resistência. Depois disso, Jawhar governou o Egito até 972 em nome do califa.

Nesta função, ele fundou a cidade do Cairo em 969, ao norte de al-Fustat, para servir como nova residência dos califas fatímidas[11] e mandou construir a Mesquita de al-Azhar em 970. Embora a Palestina tenha sido ocupada após a conquista do Egito, a Síria resistiu após uma derrota dos fatímidas pelas mãos dos carmatas de Damasco. Porém, quando estes invadiram o Egito, Jawhar os derrotou em 22 de dezembro de 970, ainda que lutas esporádicas tenham continuado até 974. Para assegurar a fronteira meridional do Egito, uma embaixada foi enviada às terras cristãs da Núbia.

Após a mudança do califa para o Cairo, Jawhar caiu em desgraça com al-Muizz. Sob o seu sucessor, al-Aziz (r. 975-996), em cuja ascensão Jawhar teve um importante papel, ele foi reabilitado e se tornou regente novamente até 979. Finalmente, ele terminou em desgraça novamente após uma nova derrota na Síria, perto de Damasco.

O grande general morreu em 1 de fevereiro de 992.

Referências

  1. Monés (1991), p. 494
  2. Saunders, John Joseph (1990). A History of Medieval Islam. Routledge. p. 133. ISBN 0415059143 
  3. Chodorow, Stanley – Knox, MacGregor – Shirokauer, Conrad – Strayer, Joseph R. – Gatzke, Hans W. (1994). The Mainstream of Civilization. Harcourt Press. p. 209. ISBN 0155011979 
  4. Fossier, Robert – Sondheimer, Janet – Airlie, Stuart – Marsack, Robyn (1997). The Cambridge illustrated history of the Middle Ages. Cambridge University Press. p. 170. ISBN 0521266459 
  5. Raymond, André (2000). Cairo. Harvard University Press. p. 35. ISBN 0674003160 
  6. Khan, H.S.H. Prince Aly S. (1973). The Great Ismaili heroes: contains the life sketches and the works of thirty great Ismaili figures. H.S.H. Prince Aly S. Khan Cology Religious Night School. p. 23. OCLC 18340773 
  7. Mirza, Nasseh Ahmad (1997). Syrian Ismailism: The Ever Living Line of the Imamate, AD 1100-1260. Routledge. p. 110. ISBN 070070504X 
  8. Watterson, Barbara (1998). The Egyptians. Wiley-Blackwell. p. 257. ISBN 0631211950 
  9. Collomb, Rodney (2006). The rise and fall of the Arab Empire and the founding of Western pre-eminence. Spellmount. p. 73. ISBN 1862273278 
  10. Asante, Molefi K. (2002). Culture and customs of Egypt. Greenwood Publishing Group. p. 15. ISBN 0313317402 
  11. Irene Beeson (September/October 1969). «Cairo, a Millennial». Saudi Aramco World. pp. 24, 26–30. Consultado em 9 de agosto de 2007  Verifique data em: |date= (ajuda)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • S. H. Prince Aly, S. Khan Colony, Religious Night School, The Great Ismaili Heroes: Contains the Life Sketches and the Works of Thirty Great Ismaili Figures, University of Michigan
  • Monés, H. (1991). «Djawhar al-Siqillī». The Encyclopedia of Islam, New Edition, Volume II: C–G. Leiden and New York: BRILL. pp. 494–495. ISBN 90-04-07026-5 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]