Jerónimo de Mendonça (historiador)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura outros significados para Jerónimo de Mendonça, veja Jerónimo de Mendonça.


Jerónimo de Mendonça
1ª edição da Jornada de África
Nascimento 1548
Morte 1607 (59 anos)
Nacionalidade Portugal Português

Jerónimo de Mendonça (em português antigo: Hieronymo de Mendoça; Porto ca. 15481607 ou depois[1]) ) foi um historiador português.[2][3]

Jerónimo acompanhou a África o rei D.Sebastião, e foi feito prisioneiro na Batalha de Alcácer-Quibir em 1578. Depois de resgatado voltou para Portugal, onde escreveu, como testemunha ocular daqueles sucessos, Jornada de África, que dedicou a D. Francisco de Sá de Menezes, senhor de Penaguião, em 20 de Janeiro de 1607.

Obra[editar | editar código-fonte]

  • Jornada de África (1607).

Diz Inocêncio Francisco da Silva:

"Nesta obra Jerónimo tem principalmente em vista (como ele diz no frontispício, e no prólogo) confusar o que aparecêra escrito sob o nome de Jeronymo Franchi de Conestaggio, no livro Dell'unione del regno di Portugallo alla corona di Castiglia (1585).

A propósito desta história, dada em nome de Connestagio, e na qual os portugueses são assaz maltratados, diz D. Francisco Manuel de Melo nos Apólogos dialogaes, pag.341 : "A Historia da União de Portugal e Castella, que escreveu Hieronymo Franchi de Conestaggio, d'elle só tem o nome, mas o espirito e arte é de D. João da Silva, conde de Portalegre, espelho de cortezãos do seu tempo, e um dos melhores discipulos da eschola de Philippe II".

Está dividida em três livros :

O Livro Primeiro, dividido em 7 capítulos, narra as "rezões que teve el Rey dom Sebastião pera passar a Berberia", a partida da armada, a batalha, e seu fim.

O livro Segundo, dividido em 18 capítulos, conta o que resultou desta batalha, da repartição dos cativos, da vida destes em Marrocos, entre árabes, Judeus e "Elches".[4] Das fugidas e dos resgates.

O livro Terceiro, dividido em 14 capítulos, evoca a "Vida & morte" dos "sete moços" martirios, Francisco da Esperança, Simão de Freitas, Fernão Gines, João Frances, Domingos, Amaro, e Antonio da Silva.

Passagens deste livro se encontram no artigo Wikipedia sobre Frei João Vicente da Fonseca.

Referências

  1. Sendo a dedicatória do seu livro datada de 20 de Janeiro de 1607, como vem abaixo, e apesar de Agostinho Rebelo da Costa, na sua Descripção topografica, e historicada cidade do Porto (Porto, na Officina de Antonio Alvarez Ribeiro, 1789. P. 333), o dar como falecido em 1598...
  2. Grande Livro dos Portugueses ISBN 972-42-0143-0
  3. Enciclopédia Larousse (vol. 12) ISBN 978-972-759-932-5
  4. Na "Berbéria", a homens livres mas nem mouros, nem judeus, mas de fé muçulmana - pelo menos na aparencia - dava-se o nome de Elches

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Grande Enciclopédia Universal (vol. 13) ISBN 84-96330-13-3
  • Dicionário bibliográfico português, de Inocêncio Francisco da Silva.
  • IORNADA DE AFRICA COMPOSTA POR HIERONYMO de Mendoça, natural da cidade do Porto : em a qual se responde a Hieronymo Franqui, & outros, & se trata do sucesso da batalha, cativeiro, & dos que nelle padecerão por não serem Mouros, com outras cousas dignas de notar… Com licença da Sancta inquisição. EM LISBOA. Impresso por Pedro Crasbeeck ANNO 1607


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.