João Alemão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
João Alemão ou João de Colónia
Nascimento Século XV
Renânia
Morte Século XVI
Nacionalidade Alemanha Alemão (?)
Área Escultura
Movimento(s) Gótico flamejante
Cadeiral, Igreja do Mosteiro de Santa Cruz, Coimbra

João Alemão, ou Mestre João Alemão, ou João de Colónia[1] (século XV — século XVI) foi um escultor originário da Renânia ativo em Portugal no século XVI.

Obra[editar | editar código-fonte]

Originário da Renânia, João Alemão fez a sua formação em Sevilha – onde, segundo Pedro Dias, terá permanecido mais de uma década –, tendo tido intervenção no retábulo da Sé andaluza enquanto adjunto de mestre Dancart. Trabalhou no retábulo-mor da Igreja do Mosteiro de Santa Cruz, Coimbra (a par de Cristóvão de Figueiredo, autor das pinturas), de que resta apenas o grupo do Descendimento da Cruz, com figuras que rondam o 1,70m (hoje na capela de Nossa Senhora da Piedade, Antuzede). Trabalhou também nos retábulos "de fora" da capela-mor desse templo (hoje inteiramente perdidos) e, em 1518, foi responsável pela segunda fase de execução do notável cadeiral, hoje instalado no coro-alto (1ª fase de Machim, 1513). Alguns anos mais tarde está ativo em Alcobaça, presumindo-se que terá realizado o cadeiral do mosteiro cisterciense (hoje desaparecido) e o púlpito da Igreja de Évora de Alcobaça.[2][3][4]

Referências

  1. Markl, Dagoberto – História da arte em Portugal: o renascimento. Lisboa: Publicações Alfa, 1986, p. 80
  2. Dias, Pedro (2003). A escultura de Coimbra, do gótico ao maneirismo. Coimbra: Câmara Municipal de Coimbra. p. 88, 89 
  3. Serrão, Vítor (2001). História da Arte em Portugal: o renascimento e o maneirismo. Lisboa: Editorial Presença. p. 133, 134 
  4. Carvalho, Maria João Vilhena de; Correia, Maria João Pinto (2009). Arte Portuguesa: a escultura nos séculos XV a XVII. [S.l.]: Fubu Editores, S.A. p. 23