João André Teixeira Mendes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde novembro de 2014). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
João André Teixeira Mendes
Nascimento 17 de março de 1781
Icó
Morte 1874 (93 anos)
Cidadania Brasil
Ocupação militar

João André Teixeira Mendes (Icó, 17 de março de 17811874) foi um militar brasileiro.

Oficial da Guarda Nacional do Brasil e político, protagonizou polêmicos eventos na história do Ceará. Também ficou conhecido pela alcunha de "Canela Preta".

Biografia[editar | editar código-fonte]

João André Teixeira Mendes foi o quarto filho do casal Manoel Alexandre Teixeira Mendes e Maria Catarina Sebastiana de Arrendes e tinha como irmão mais velho o Pe. Filipe Benício Mariz. Pertenceu ao partido Conservador e foi membro da Comissão Militar do Icó, organizada pelo governo provisório imperialista daquela cidade para julgar os implicados na revolução de 1824 e tornada tristemente famosa pela alcunha de "Comissão Matuta".[1] Foi julgado pelas mortes do Ten. Antônio Vieira do Lago Cavalcante e do Ten. Cel. José Cavalcante de Luna Albuquerque, sendo condenado à morte mais de uma vez em sucessivos julgamentos. Em Fortaleza as penas foram reduzidas a exílio de 20 anos no Amazonas. Faleceu quase centenário e segundo conta-se mantendo sua intransigência.

Referências

  1. BARROSO, Oswald. Tristão Araripe: alma afoita da revolução. Secretaria da Cultura e Desporto do Estado do Ceará 1993

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MACÊDO, Nertan. O Bacamarte dos Mourões; roteiro de andança e guerra de Alexandre e seus irmãos. Instituto do Ceará 1966

Ligações externas[editar | editar código-fonte]