Joaquim Carlos da Cunha Andrade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde junho de 2017). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Barão de Alfié Joaquim Carlos da Cunha Andrade

Joaquim Carlos da Cunha Andrade, primeiro e único barão de Alfié, ([onde?],[quando?]Itabira, 27 de julho de 1881) foi coronel da Guarda Nacional.

Filho de Carlos Casemiro da Cunha Andrade e de Senhorinha dos Santos Alvarenga. Casou-se em primeiras núpcias com Maria Isidora de Andrade e em segundas com Ana da Costa Lage. Foi o pai de Joaquim Carlos, Carlos Casemiro, quem construiu o sobrado posteriormente alcunhado Solar do Barão de Alfié, atualmente Hotel Itabira, o qual servira de residência para a família do nobre. Há quem diga que Carlos Drummond de Andrade, natural de Itabira, tenha se inspirado no imóvel para escrever alguns de seus poemas. O sobrado se manteve entre os Paula Andrade, parentes dos Cunha Andrade. Dentre os proprietários posteriores, destaca-se Olinto Horácio de Paula Andrade, juiz e deputado provincial, além de pai de Amariles de Paula Andrade, prima de Drummond e sua inspiração para a Lili do poema Quadrilha, além de ser a paixão de José de Andrade], irmão de Drummond.

Títulos nobiliárquicos e honrarias[editar | editar código-fonte]

Título conferido por decreto imperial em 19 de julho de 1879. Faz referência ao bairro mineiro de Santana do Alfié, então freguesia de Itabira e posteriormente distrito de São Domingos do Prata.

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.