Língua bearnesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bearnês

Bearnés - Biarnés

Falado em: França
Total de falantes: de 29 a 55 mil(est. 2008)
Família: Itálico
 Românico
  Ítalo-ocidental
   Galo-ibérico
    Galo-românico
     Occitano-românico
      Bearnês
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
Castelo de Pau, onde reinou a corte occitana do Reino de Navarra

O Bearnês (Béarnais) é um dialeto do Occitano gascão falado em Bearne (no departamento francês dos Pirenéus Atlânticos, no sudoeste França). Como língua escrita, beneficiou-se do fato de Bearne ser um estado independente (Viscondado de Bearne) dos meados do século XIV até 1620. O Bearnês foi utilizado em documentos legais e administrativos muito depois da maioria das outras províncias da Gasconha terem sido incorporadas. Na França, a língua francesa substituiu o Béearnês em documentos legais apenas em 1789, durante a Revolução Francesa).

Edição do século XVIII da peça teatral de Jean-Henri Fondeville La pastorala deu paisan

Sociolinguística[editar | editar código-fonte]

Bearnês é atualmente a variedade mais proeminente do Gascão. É amplamente utilizado nas tentativas de normatização para alcançar um padrão Gascão e é o dialeto mais provável para ter sucesso, devido à forte identidade cultural e saída desta área.

Uma pesquisa de 1982 com os habitantes de Bearne indicou que 51% da população falava Bearnês, 70% a entendiam e 85% eram a favor da preservação da língua. [1] No entanto, o uso do idioma diminuiu nos últimos anos, já que o Bearnês raramente é transmitido para as gerações mais jovens dentro da família. Há um ressurgimento do foco na língua que melhorou a situação, no entanto, levando as crianças a aprenderem a língua na escola (comparável à forma como os alunos iirlandeses aprendem uma forma padronizada de língua irlandesa).

Atualmente, a maioria das associações culturais considera o Gascon (incluindo Béarnese) um dialeto língua occitana. No entanto, outras autoridades consideram-nas línguas distintas, incluindo Jean Lafitte, editora do Ligam-DiGam, uma revisão linguística e lexicográfica do Gascon..[2]

Um estudo sociolinguístico detalhado apresentando o status atual da linguagem (prática e percepções dos diferentes locutores) foi feito em 2004 por B. Moreux a maioria dos falantes nativos a tem aprendido oralmente e tende a ser mais velha. Por outro lado, os proponentes para a manutenção e renascimento da língua são classificados em três grupos: Bearnistas, Gasconistqs e Occitanistqs, termos que resumem o foco de preferência regional que dão respectivamente à suas línguas de interesse: Bearnês, Gascão ou Occitano.

Literatura[editar | editar código-fonte]

No que diz respeito à literatura e aos poemas, o primeiro livro importante foi uma tradução Bearnês dos Salmos de David por Arnaud de Salette, no final do século XVI, contemporânea com o dialeto Gascão de (Armagnac tradução destes Salmos por Pey de Garros. Ambas as traduções foram encomendadas por Jeanne d'Albret, rainha do Reino de Navarra e mãe de Henrique IV da França, para ser usada nas igrejas protestantes. Henrique IV foi o primeiro Enrico III de Navarra, o rei deste estado independente de língua calvinista e occitana. O dialeto de Bearnês era a sua língua nativa que ele também usou em cartas para os assuntos dele.

Durante o século XVII, o escritor bearniano Jean-Henri Fondeville (entre outros) compôs peças como "La Pastorala deu Paisan" e também suas "Eglogas" anti-calvinistas. [Cyprien Despourrins]] é certamente um dos principais poetas do Bearnês do século XVIII; muitos de seus poemas ainda são canções folclóricas de Bearne.[3]}[4] A partir do século XIX podemos citar o poeta Xavier Navarrot e também Alexis Peyret, que emigrou para Argentina por motivos políticos, onde editou sua poesia bearnesa.[5]

Após a criação do Felibritge, a Escole Gastoû Fèbus (que se tornaria Escòla Gaston Fèbus ) foi criada como parte Bearnesa de Frédéric Mistral e Joseph Academia de Roumanille. Simin Palay, um dos seus membros mais proeminentes, publicou um dicionário.

Amostra de texto[editar | editar código-fonte]

Artigo 1º da Declaração Universal dos Direitos Humanos [6]

Moderno Occitano

Totas las (/eras) personas que vaden libras e parièras en dignitat e en drets. Que son totas doadas d’arrason e de consciéncia e que deven agir las uas envèrs las autas hens un esperit de fraternitat.

Moderno Bearnês

Toutes las (/eras) persounes que bàdin lìbrẹs e parières en dignitat e en dréts. Que soun toutes douades de rasoû e de counciénce e que débin ayi las ûes embèrs las àutẹs héns û esperit de fraternitat.

Português

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. The Ethnologue on Gascon (15th edition)
  2. DiGam project
  3. «Website about Béarnese folksong with Despourrins's song recorded.». Consultado em 20 de setembro de 2011. Arquivado do original em 29 de março de 2012 
  4. "Mais l'association de la musique et du genre pastioral donnait en Béarn, au XVIIIe siècle une floraison d'un autre type : la chanson. Ce fut l'oeuvre de Cyprien Despourrins (1698-1759). [...] La trentaine de chansons qu'il laissa (réunies et publiées en 1820 par Vignancour) constitue un modèle souvent imité [...] [English: But the combination of music and the pastoral genre in Béarn during the eighteenth century brought about the flourishing of another kind of art: song. It was the work of Cyprien Despourrins (1698-1759). [...] The thirty songs he left behind (collected and published in 1820 by Vignancour) are a model often imitated... ]". Robert Lafont, op. cit (448)
  5. Argentine edition of Peyret's poetry
  6. (voir le texte en français)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Anatole, Cristian - Lafont, Robert. Nouvelle histoire de la littérature occitane. París : P.U.F., 1970.
  • Molyneux R-G (2007). Grammar and Vocabulary of the language of Bearn. For Beginners reissue ed. [S.l.]: Pyremonde/PrinciNegue. ISBN 978-2-84618-095-5 
  • Moreux, B. (2004). Bearnais and Gascon today: language behavior and perception. The International Journal of the Sociology of Language,169:25-62.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]