Laringotraqueobronquite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Laringotraqueobronquite, também conhecida por crupe, é um tipo de infecção respiratória geralmente causada por um vírus.[1] A infecção leva a um inchaço dentro da traquéia, que interfere com a respiração normal e produz os sintomas clássicos de tosse de "latido", estridor e voz rouca.[1] Febre e corrimento nasal também podem estar presentes.[1] Esses sintomas podem ser leves, moderados ou graves.[2] Muitas vezes começa ou piora à noite.[1][2] Normalmente dura de um a dois dias.[3]

O crupe pode ser causado por vários vírus, incluindo o virus parainfluenza e vírus influenza.[1] Raramente é devido a uma infecção bacteriana.[4] O crupe é tipicamente diagnosticado com base em sinais e sintomas após causas potencialmente mais graves, como epiglotite ou corpo estranho das vias aéreas, terem sido descartadas.[3] Investigações posteriores - como exames de sangue, raios X e culturas - geralmente não são necessárias.[3]

Muitos casos de crupe são evitáveis ​​pela imunização para influenza e difteria.[5] O crupe geralmente é tratado com uma dose única de esteróides por via oral. [1][6] Em casos mais graves, a epinefrina inalada também pode ser usada.[1][7] A hospitalização é necessária em um a cinco por cento dos casos.[8]

O crupe é uma condição relativamente comum que afeta cerca de 15% das crianças em algum momento.[3] Ocorre mais comumente entre os 6 meses e os 5 anos de idade, mas raramente pode ser visto em crianças de até quinze anos.[2][3][8] É um pouco mais comum no sexo masculino que no sexo feminino.[8] Ocorre com mais frequência no outono.[8] Antes da vacinação, o crupe era freqüentemente causado pela difteria e muitas vezes era fatal.[5][9] Essa causa agora é muito rara no mundo ocidental devido ao sucesso da vacina contra difteria.[10]

Sinais e Sintomas[editar | editar código-fonte]

O crupe é uma condição caracterizada por uma tosse "latente", estridor, rouquidão e dificuldade para respirar, que geralmente piora à noite.[1] A tosse "latindo" é freqüentemente descrita como parecida com o chamado de uma foca ou leão-marinho.[5] O estridor é agravado pela agitação ou pelo choro e, se puder ser ouvido em repouso, pode indicar um estreitamento crítico das vias aéreas. Quando o crupe se agrava, o estridor pode diminuir consideravelmente.[1]

Outros sintomas incluem febre, coriza (sintomas típicos do resfriado comum) e sinal de Hoover.[1][11] Sialorreia ou uma aparência muito doente indicam outras condições médicas, como a epiglotite.[11]

Causas[editar | editar código-fonte]

Geralmente, o crupe é considerado ser devido a uma infecção viral.[1][3] Outros usam o termo mais amplamente, incluindo laringotraqueíte aguda, crupe espasmódico, difteria laríngea, traqueíte bacteriana, laringotraqueobronquite e laringotraqueobroncopneumonite. As duas primeiras condições envolvem uma infecção viral e são geralmente mais brandas em relação à sintomatologia; os últimos quatro são devido a infecção bacteriana e geralmente são de maior gravidade.[5]

Viral[editar | editar código-fonte]

O crupe viral ou a laringotraqueíte aguda são mais comumente causados ​​pelo vírus parainfluenza (um membro da família dos paramixovírus), principalmente dos tipos 1 e 2, em 75% dos casos.[2] Outras causas virais incluem influenza A e B, sarampo, adenovírus e vírus sincicial respiratório (VSR).[12] O crupe espasmódico é causado pelo mesmo grupo de vírus que a laringotraqueíte aguda, mas não apresenta os sinais habituais de infecção (como febre, dor de garganta e aumento da contagem de leucócitos).[12] O tratamento e a resposta ao tratamento também são semelhantes.[2]

Bacteriano[editar | editar código-fonte]

O crupe bacteriano pode ser dividido em difteria laríngea, traqueíte bacteriana, laringotraqueobronquite e laringotraqueobroncopneumonite.[5] A difteria laríngea é causada por Corynebacterium diphtheriae, enquanto a traqueíte bacteriana, a laringotraqueobronquite e a laringotraqueobroncopneumonite são geralmente causadas por uma infecção viral primária com crescimento bacteriano secundário. As bactérias mais comuns implicadas são Staphylococcus aureus, Streptococcus pneumoniae, Hemophilus influenzae e Moraxella catarrhalis.[5]

Fisiopatologia[editar | editar código-fonte]

A infecção viral que causa o crupe leva ao inchaço da laringe, traqueia e grandes brônquios[3] devido à infiltração de leucócitos (especialmente histiócitos, linfócitos, plasmócitos e neutrófilos).[5] O inchaço produz uma obstrução das vias aéreas que, quando significativa, leva a um aumento dramático do trabalho respiratório e ao fluxo de ar característico, turbulento e ruidoso, conhecido como estridor.[3]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

O crupe é tipicamente diagnosticado com base em sinais e sintomas.[3] O primeiro passo é excluir outras condições obstrutivas da via aérea superior, especialmente epiglotite, corpo estranho das vias aéreas, estenose subglótica, angioedema, abscesso retrofaríngeo e traqueíte bacteriana.[3][5]

A radiografia frontal do pescoço não é rotineiramente realizada,[3] mas se for feito, pode mostrar um estreitamento característico da traquéia, chamado sinal de campanário, por causa da estenose subglótica. O sinal do campanário é sugestivo do diagnóstico, mas está ausente em metade dos casos.[11]

Outras investigações (como exames de sangue e cultura viral) são desencorajadas, pois podem causar agitação desnecessária e, assim, piorar o estresse na via aérea comprometida.[3] Embora culturas virais, obtidas por aspiração nasofaríngea, possam ser usadas para confirmar a causa exata, elas geralmente são restritas a situações de pesquisa.[1] A infecção bacteriana deve ser considerada se uma pessoa não melhorar com o tratamento padrão, sendo que ai novas investigações podem ser indicadas.[5]

Prevenção[editar | editar código-fonte]

Muitos casos de crupe foram prevenidos pela imunização para influenza e difteria.[5] Houve uma época em que o crupe se referia a uma doença diftérica, mas com a vacinação, a difteria agora é rara no mundo desenvolvido.[5]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Crianças com crupe geralmente são mantidas tão calmas quanto possível.[3] Os esteróides são administrados rotineiramente, com epinefrina usada em casos graves.[3] Crianças com saturação de oxigênio abaixo de 92% devem receber oxigênio,[5] e aquelas com crupe grave podem ser hospitalizadas para observação.[11] Se for necessário oxigênio, recomenda-se a administração segurando uma fonte de oxigênio perto do rosto da criança, pois causa menos agitação do que o uso de uma máscara.[5] Com o tratamento, menos de 0,2% das crianças necessitam de intubação endotraqueal.[13]

Esteróides[editar | editar código-fonte]

Os corticosteroides, como a dexametasona e a budesonida, mostraram melhorar os resultados em crianças com todas as gravidades de crupe.[14] Um alívio significativo é obtido duas horas após a administração.[6] Embora eficaz quando administrada por injeção ou por inalação, dar a medicação por via oral é o preferido.[3] Uma dose única é geralmente tudo o que é necessário e geralmente é considerada bastante segura.[3] A dexametasona em doses de 0,15, 0,3 e 0,6 mg / kg parece ser igualmente eficaz.[15]

Epinefrina[editar | editar código-fonte]

O crupe de moderado a severo pode ser melhorado temporariamente com epinefrina nebulizada.[3] Embora a adrenalina normalmente produza uma redução na gravidade do crupe dentro de 10 a 30 minutos, os benefícios duram apenas cerca de 2 horas.[1][3] Se a condição permanecer melhorada por 2 a 4 horas após o tratamento e não surgirem outras complicações, a criança geralmente recebe alta hospitalar.[1][3]

Outros[editar | editar código-fonte]

Embora outros tratamentos para crupe tenham sido estudados, nenhum deles tem evidências suficientes para apoiar seu uso. A inalação de vapor quente ou ar umidificado é um tratamento tradicional de autocuidado, mas os estudos clínicos não mostraram eficácia[3][5] e atualmente raramente são usados.[16] O uso de medicamentos para a tosse, que geralmente contêm dextrometorfano ou guaifenesina, também é desencorajado.[1] Há evidências de que respirar heliox (uma mistura de hélio e oxigênio) para diminuir o trabalho de respiração é útil em pessoas com doença grave.[17] Como o crupe geralmente é uma doença viral, os antibióticos não são usados, a menos que haja suspeita de infecção bacteriana secundária.[1] Em casos de possível infecção bacteriana secundária, os antibióticos vancomicina e cefotaxima são recomendados.[5] Em casos graves associados à influenza A ou B, os inibidores da neuraminidase antiviral podem ser administrados.[5]

Prognóstico[editar | editar código-fonte]

O crupe viral é geralmente uma doença autolimitada,[1] com metade dos casos se resolvendo em um dia e 80% dos casos em dois dias.[3] Pode muito raramente resultar em morte por insuficiência respiratória e/ou parada cardíaca.[1] Os sintomas geralmente melhoram em dois dias, mas podem durar até sete dias.[2] Outras complicações incomuns incluem traqueíte bacteriana, pneumonia e edema pulmonar.[2]

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

O crupe afeta cerca de 15% das crianças e geralmente se apresenta entre as idades de 6 meses e 5 a 6 anos.[3][5] É responsável por cerca de 5% dos internamentos hospitalares nessa população.[2] Em casos raros, pode ocorrer em crianças a partir dos 3 meses e com 15 anos de idade.[2] Os machos são afetados 50% mais freqüentemente do que as fêmeas, e há uma prevalência aumentada no outono.[5]

História[editar | editar código-fonte]

A palavra crupe vem do inglês, que verbalmente significa "chorar com voz rouca"; o nome foi aplicado pela primeira vez à doença na Escócia e popularizado no século XVIII.[18] O crupe diftérico é conhecido desde a época da Grécia Antiga de Homero, e só em 1826 o crupe viral foi diferenciado do crupe devido à difteria por Bretonneau.[10][16] O crupe viral era então chamado de "falso-crupe" pelos franceses e frequentemente chamado de "falso crupe" em inglês,[19][20] como "crupe" ou "crupe verdadeiro", sendo mais comumente referido à doença causada pela bactéria da difteria.[21][22] A falsa crupe também é conhecida como pseudo-crupe ou crupe espasmódico.[23] O crupe devido à difteria tornou-se quase desconhecido em países ricos nos tempos modernos devido ao advento da imunização eficaz.[24][25]

Ícone de esboço Este artigo sobre doenças é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Referências

  1. a b c d e f g h i j k l m n o p q r Rajapaksa, Shabna; Starr, Mike (2010-5). «Croup - assessment and management». Australian Family Physician. 39 (5): 280–282. ISSN 0300-8495. PMID 20485713  Verifique data em: |data= (ajuda)
  2. a b c d e f g h i https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2907784 https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19445760
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v Thompson, Matthew; Vodicka, Talley A; Blair, Peter S; Buckley, David I; Heneghan, Carl; Hay, Alastair D (11 de dezembro de 2013). «Duration of symptoms of respiratory tract infections in children: systematic review». The BMJ. 347. ISSN 0959-8138. PMC PMC3898587Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 24335668. doi:10.1136/bmj.f7027 
  4. Cherry, James D. (24 de janeiro de 2008). «Croup». New England Journal of Medicine. 358 (4): 384–391. ISSN 0028-4793. PMID 18216359. doi:10.1056/NEJMcp072022 
  5. a b c d e f g h i j k l m n o p q r Cherry, James D. (24 de janeiro de 2008). «Croup». New England Journal of Medicine. 358 (4): 384–391. ISSN 0028-4793. PMID 18216359. doi:10.1056/NEJMcp072022 
  6. a b Gates, Allison; Gates, Michelle; Vandermeer, Ben; Johnson, Cydney; Hartling, Lisa; Johnson, David W; Klassen, Terry P (22 de agosto de 2018). «Glucocorticoids for croup in children». Cochrane Database of Systematic Reviews. ISSN 1465-1858. doi:10.1002/14651858.cd001955.pub4 
  7. Bjornson, Candice; Russell, Kelly; Vandermeer, Ben; Klassen, Terry P; Johnson, David W (10 de outubro de 2013). «Nebulized epinephrine for croup in children». Cochrane Database of Systematic Reviews. ISSN 1465-1858. doi:10.1002/14651858.cd006619.pub3 
  8. a b c d Johnson, David W.; Bjornson, Candice L. (15 de outubro de 2013). «Croup in children». CMAJ (em inglês). 185 (15): 1317–1323. ISSN 0820-3946. PMC PMC3796596Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 23939212. doi:10.1503/cmaj.121645 
  9. «Book sources». Wikipedia (em inglês) 
  10. a b «Book sources». Wikipedia (em inglês) 
  11. a b c d http://www.childhealthbc.ca/resources/category/5-croup?download=13%3Acroup-guideline
  12. a b Cherry, James D. (24 de janeiro de 2008). «Croup». New England Journal of Medicine. 358 (4): 384–391. ISSN 0028-4793. PMID 18216359. doi:10.1056/NEJMcp072022 
  13. «ScienceDirect». www.sciencedirect.com. doi:10.1016/s0031-3955(05)70180-2. Consultado em 1 de março de 2019 
  14. Russell, Kelly F; Liang, Yuanyuan; O'Gorman, Kathleen; Johnson, David W; Klassen, Terry P (19 de janeiro de 2011). «Glucocorticoids for croup». Cochrane Database of Systematic Reviews. ISSN 1465-1858. doi:10.1002/14651858.cd001955.pub3 
  15. Medicine, BMJ Publishing Group Ltd and the British Association for Accident & Emergency (1 de abril de 2009). «Bet 4. Dose of Dexamethasone in Croup». Emergency Medicine Journal (em inglês). 26 (4): 291–292. ISSN 1472-0205. PMID 19307398. doi:10.1136/emj.2009.072090 
  16. a b Marchessault, Victor (2001). «Historical review of croup». The Canadian Journal of Infectious Diseases. 12 (6): 337–339. ISSN 1180-2332. PMC PMC2094841Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 18159359 
  17. Moraa, Irene; Sturman, Nancy; McGuire, Treasure M; van Driel, Mieke L (29 de outubro de 2018). «Heliox for croup in children». Cochrane Database of Systematic Reviews. ISSN 1465-1858. doi:10.1002/14651858.cd006822.pub5 
  18. «Wayback Machine». Wikipedia (em inglês). 28 de fevereiro de 2019 
  19. Cormack, John Rose (8 de maio de 1875). «Meaning of the Terms Diphtheria, Croup, and Faux Croup». British Medical Journal. 1 (749). 606 páginas. ISSN 0007-1447. PMC PMC2297755Acessível livremente Verifique |pmc= (ajuda). PMID 20747853 
  20. JAMA: The Journal of the American Medical Association (em inglês). [S.l.]: American Medical Association. 1895 
  21. Bennett, James Risdon (8 de maio de 1875). «True and False Croup». Br Med J (em inglês). 1 (749): 606–607. ISSN 0007-1447. doi:10.1136/bmj.1.749.606-a 
  22. Beard, George Miller (1875). Our Home Physician: A New and Popular Guide to the Art of Preserving Health and Treating Disease ; with Plain Advice for All the Medical and Surgical Emergencies of the Family ... (em inglês). [S.l.]: E.B. Treat 
  23. «Book sources». Wikipedia (em inglês) 
  24. «Book sources». Wikipedia (em inglês) 
  25. «American Nurse Today». web.archive.org. 16 de abril de 2014. Consultado em 2 de março de 2019