Lente Objetiva de Imersão em Óleo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox question.svg
Esta página ou seção carece de contexto (desde setembro de 2018).

Este artigo (ou seção) não possui um contexto definido, ou seja, não explica de forma clara e direta o tema que aborda. Se souber algo sobre o assunto edite a página/seção e explique de forma mais clara e objetiva o tema abordado.

As lentes objetivas de imersão em óleo podem chegar até uma ampliação de 100x. Elas receberam este nome, por terem óleo de imersão entre sua sua extremidade e a preparação.

Contexto Teórico[editar | editar código-fonte]

As lentes redirecionam a luz espalhada por um objeto. Para atingir esse objetivo todas as ordens de difração precisam ser coletadas. A resolução de um microscópio é definida como a menor distância entre dois objetos em análise, para que o microscópio os identifique como objetos separados. Essa distância mínima é denominada δ. Se dois objetos são separados por uma distância menor que δ, eles aparecerão como um único objeto no microscópio.

A medida do poder de resolução, RP, de uma lente é dada por sua abertura numérica, NA:

onde λ é o comprimento de onda da luz. Portanto, uma boa resolução (δ pequeno) significa uma alta abertura numérica.

A abertura numérica de uma lente é definida como:

onde α0 é metade do ângulo medido pela lente objetiva vista da preparação, e n é o índice de refração do meio entre a lente e a amostra (aproximadamente 1 para o ar). Como sin α0 é sempre menor ou igual a unidade (o número "1"), a abertura numérica nunca pode ser maior que 1 para uma lente objetiva no ar. Se o espaço entre a lente objetiva e a amostra for preenchido com óleo, a abertura numérica pode obter valores maiores que a unidade. Isso ocorre porque o óleo tem um índice de refração maior que 1.

Referências[editar | editar código-fonte]

[1]

[2]

  1. Publicação no Wikipédia em inglês: Oil immersion
  2. "Microscope Objectives: Immersion Media" by Mortimer Abramowitz and Michael W. Davidson, Olympus Microscopy Resource Center (website), 2002.