Linhas de Ley

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Malvern Hills na Inglaterra. Alfred Watkins acreditava que a linha de ley passa ao longo do rio.

Linhas de Ley /l lnz/ são supostos alinhamentos entre vários lugares de interesse geográfico e histórico, tais como monumentos megalíticos, cumes, cordilheiras e cursos de água. A frase foi cunhada em 1921 pelo arqueólogo amador Alfred Watkins, em seu livro Early British Trackways e The Old Straight Track. Ele procurou identificar sinais e pegadas de povos antigos nos campos britânicos. Watkins mais tarde desenvolveu a teoria de que estes alinhamentos foram criados para facilitar o deslocamento através de navegação por linhas de visão, no período Neolítico, e que teriam persistido na paisagem ao longo de milênios.[1]

No livro The View Over Atlantis (1969), o escritor John Michell reviveu o termo "linha de ley", associando-as a teorias místicas e espirituais sobre os alinhamentos e as formas nas montanhas e paisagem, tendo como base o conceito chinês do feng shui. Ele acreditava que uma rede mística de linhas de ley existiria em toda a Grã-Bretanha.[2]

Desde a publicação do livro de Michell, sua versão espiritualizada tem sido adotada por outros autores e aplicada a paisagens em diversos lugares ao redor do mundo. Ambas as versões da teoria são criticadas por estudiosos com o argumento de que, na distribuição aleatória de um número suficiente de pontos sobre um plano, inevitavelmente criam-se pontos alinhados randomicamente, por acaso.

The Old Straight Track (a velha pista em linha reta)[editar | editar código-fonte]

O conceito das Linhas de Ley desenvolvido por Alfred Watkins em Early British Trackways e em The Old Straight Track também baseou-se em ideias anteriores sobre alinhamentos; em particular, ele cita o trabalho do astrônomo Inglês Norman Lockyer, para quem os alinhamentos antigos podem ter origem na orientação para o nascer e o pôr do sol nos solstícios.[3][4]

Em 30 de junho de 1921, Alfred Watkins visitou Blackwardine, em Herefordshire, e estava dirigindo em uma estrada perto dessa localidade (atualmente quase desaparecida). Atraído pela investigação arqueológica nas proximidades de um acampamento romano, ele parou o carro para comparar a paisagem de cada lado da estrada com as características marcadas em seu mapa. Enquanto olhava para a cena do entorno e consultava o mapa, ele viu, segundo descreve seu filho, "como uma fileira de luzes de fadas", uma série de alinhamentos retos com várias características antigas, como pedras de pé, caminhos de cruzes, calçadas, castros, igrejas em antigos montes.[1] Ele percebeu imediatamente que o potencial da descoberta tinha de ser verificado a partir do alto e, durante essa observação, notou que muitos dos caminhos pareciam ligar um morro ao outro em uma linha reta.

Watkins cunhou o termo "ley", pelo menos em parte, porque as linhas passavam por lugares cujos nomes continha a sílaba ley, afirmando que filólogos definiram a palavra (escrito também, lea, lee, ou lai) de forma diferente, mas o tinha interpretado mal.[5][6][7] Ele acreditava que esse era o nome que os antepassados davam a essas linhas e caminhos, preservado no uso moderno. Watkins acreditava que, em tempos antigos, quando a Grã-Bretanha era densamente florestada, o país era cruzado por uma rede de rotas de viagem em linha reta, com características proeminentes da paisagem servindo ​​como pontos de navegação. Esta observação foi tornada pública durante uma reunião do clube naturalista de Hereford em setembro de 1921.

Castelo Snodhill em Dorstone.

Seu trabalho remete ainda a uma tese de GH Piper apresentado ao Woolhope Clube em 1882, na qual Piper ressaltava que: "A linha traçada a partir da montanha Ysgyryd Fawr ao norte de Arthur Stone, Herefordshire, passaria por cima do acampamento e do ponto mais ao sul da colina Hatterall Colina, Oldcastle (Monmouthshire), Longtown Castle e Urishay Castle e Dorstone Castle."[8] Também tem sido sugerido que seria mera especulação de Watkins (que ele chamou de suposição),[1] resultado da leitura de uma anotação em setembro de 1870 por William Henry e entregue ao British Archaeological Association em Hereford, intitulada Boundaries and Landmarks. Nela, Henry especulava que "Monumentos existem para marcações de grandes linhas geométricas, que cobrem toda a Europa Ocidental."[9] Watkins publicou um comentário em seu livro Early British Trackways, no ano seguinte, afirmando que "Eu não sabia nada em 30 de junho do que eu vos comunico agora".[10]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Watkins, Alfred Watkins (1925). The old straight track: its mounds, beacons, moats, sites, and mark stones. [S.l.]: Methuen & Co Ltd 
  2. Michell, John (1969). The View Over Atlantis. [S.l.]: Sago Press 
  3. Ruggles, Clive L. N. (2005). Ancient astronomy: an encyclopedia of cosmologies and myth. [S.l.]: ABC-CLIO. p. 224. ISBN 978-1-85109-477-6 
  4. Brown, Peter Lancaster (1976). Megaliths, Myths and Men: An Introduction to Astro-Archaeology. [S.l.]: Blandford Press. p. 221. ISBN 0-7137-0784-4 
  5. Brown, Peter Lancaster (1976). Megaliths, Myths and Men: An Introduction to Astro-Archaeology. [S.l.]: Blandford Press. p. 222. ISBN 0-7137-0784-4 
  6. Clive L. N. Ruggles, page 224.
  7. Watkins, Alfred (originally published 1922, this publication 2008). Ley Lines: Early British Trackways, Moats, Mounds, Camps and Sites. [S.l.]: Forgotten Books. p. 46. ISBN 978-1-60506-472-7  Verifique data em: |ano= (ajuda)
  8. Piper, G.H. (1888). Arthur's Stone, Dorstone. Transactions of the Woolhope Naturalists' Field Club 1881-82: 175-180.
  9. Pennick, Nigel; Devereux, Paul (1989). Lines on the landscape: leys and other linear enigmas. [S.l.]: Hale. ISBN 978-0-7090-3704-0 
  10. Alfred Watkins, Early British Trackways, Moats, Mounds, Camps and Sites (1922).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]