Lojas Pirani

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2018). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Lojas Pirani
Razão social Lojas Pirani S/A
Varejista
Fundação 1952
Encerramento 1972
Produtos Variedades e Eletroeletrôncos

As Lojas Pirani foi uma Rede Varejista de eletrodomésticos que foi inaugurada em meados dos anos 50, foi uma das lojas mais importantes de varejo do país e principalmente em São Paulo até seu trágico incêndio em 1974. De suas várias sedes a mais especial era a sua loja localizada no Brás no Edifício Andraus que "virou" cartão-postal por ser uma das primeiras lojas varejistas a terem escadas rolante e de poderem tirar fotos com instrumentos por exemplo como recordação, mas logo após o incidente do incêndio da sua sede no Brás na região da República, a empresa passou por processo judicial de indenização as vítimas e feridos levando então a ter sua falência decretada pouco tempo depois.[1]

Incêndio[editar | editar código-fonte]

Seu prédio o Edifício Andraus ainda é localizado nas esquinas da Avenida São João com a Rua Pedro Américo na região da República no Centro de São Paulo Capital, funcionava desde o térreo até o 5º andar do prédio, mas em 24 de Fevereiro de 1972 por volta das 16h da Tarde ocorreu um incêndio no Edifício, onde lá também funcionavam nos outros 29 andares sedes de escritórios, alguns de marcas famosas como Henkel, Petrobrás, Siemens e a Companhia Adriática de Seguros. Morreram 16 pessoas e mais de 300 ficaram feridas, neste incêndio entre os mortos estão os dois executivos da Henkel : Paul Jürgen Pondorf (Presidente da Empresa) e Ottmar Flick.[2]

Foi constatado mais tarde que foi a partir do segundo pavimento que se originou o incêndio, mais exatamente na marquise luminosa (luminoso de propaganda) da loja e isto foi consequência da negligência técnica da Administração do Edifício e da Loja por ignorarem as cartas de advertência da companhia de luz da cidade avisando sobre os perigos do excesso de carga elétrica, e isto causou a sobrecarga no sistema elétrico do prédio. Em menos de 15 minutos o fogo alcançava o 6º andar do prédio além do térreo alcançando cinco prédios vizinhos ao afetado pelo incêndio.[3]

Fim[editar | editar código-fonte]

Ficou decidido em processo Judicial que os responsáveis das Lojas Pirani deveriam pagar indenizações as famílias das vítimas e os feridos do incêndio causado pela marquise luminosa, com os inúmeros pedidos de indenização para pagarem pouco tempo depois a rede anunciou a sua falência pública. O prédio passou por restauração e perícia pois restou apenas o esqueleto do prédio após o incêndio, Atualmente no local ele abriga uma parte da Secretaria Municipal de Finanças de São Paulo[3]. Não se tem notícias sobre o estado atual da marca ou de seu dono mas a marca ainda passa por processo de recuperação judicial, seu último status de andamento foi em Janeiro de 2018, e pode ser consultada no site jusbrasil.com.br[4]

Referências

  1. «Grandes lojas que fecharam as portas | Memória». VEJA SÃO PAULO 
  2. «Memória Globo». memoriaglobo.globo.com. Consultado em 2 de maio de 2018 
  3. a b «Relembre 10 incêndios que marcaram a história de São Paulo» 
  4. «Casas Pirani S/a - Massa Falida». Jusbrasil. Consultado em 2 de maio de 2018