Luísa de Jesus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2016). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Luísa de Jesus (Figueira de Lorvão, 10 de dezembro de 1748[1] - Coimbra, 1 de julho de 1772), foi a última mulher executada em Portugal. Foi executada aos 22 anos de idade por ter assassinado 33 expostos, ou seja, bebés abandonados, que ela ia buscar à "roda" de Coimbra, umas vezes usando o seu nome verdadeiro outras vezes usando um nome falso, apenas com o intuito de se apoderar do enxoval da criança e embolsar os 600 réis que eram dados cada vez que se ia buscar uma criança.

A ré só confessou a autoria de 28 homicídios. Foi "atenazada" (mortificada, insultada) pelas ruas de Lisboa tendo em seguida sido garroteada e queimada em execução pública.

Referências

OLIVEIRA, António Braz de, (apresentação e notas de), As execuções capitais em Portugal num curioso manuscrito de 1844, Separata da Revista da Biblioteca Nacional, nº1, 1982, p. 116.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]