Luta pela independência assíria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou secção está a ser traduzido de en: Assyrian struggle for independence. Ajude e colabore com a tradução.
A bandeira do movimento de independência da Assíria.

A luta pela independência da Assíria foi travada pelos Patriarcas e chefes tribais dos assírios entre 1843 e 1933, com a assistência mais tarde do Império Britânico, contra o Império Otomano, a União Soviética, o Império Qajar, o Reino do Iraque, o Mandato Francês da Síria, e o Mandato Britânico da Mesopotâmia.

Como Austen Henry Layard, embaixador do Império Britânico no Império Otomano escreveu, os assírios sobreviveram às conquistas árabes, mongóis, e curdas nas montanhas de Hakkari e norte da Mesopotâmia, onde eles lutaram para manter sua independência.[1] O professor da Universidade de Columbia, Abraham Yohannan, escreveu em 1916, os assírios "são um povo resistente que, como os curdos, têm mantido um estado de semi-independência e têm sido mais ou menos capaz de se defender contra ataques."[2] A pátria assíria tradicional incluía o norte do Iraque, nordeste da Síria, sudeste da Turquia e o nordeste da Pérsia.[3] A área do Iraque habitada pelos assírios está localizada principalmente, mas não exclusivamente no NinawaMosul, região no norte do Iraque onde as bíblicas capitais assírias de Nínive e Assur estavam localizadas. Esta área é conhecida como o "Triângulo assírio".[4]

Primeira Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Na Turquia[editar | editar código-fonte]

Mapa do Genocídio Assírio
Cidades onde ocorreram genocídio
Cidades que receberam os refugiados
Outras cidades importantes
   Regiões de concentrações de assírios

Os assírios na atual Turquia vivem principalmente nas províncias de Hakkari, Şırnak e Mardin no sudeste da Turquia. Essa área também tem uma considerável população curda. A partir do século XIX, os armênios, gregos e assírios da Anatólia oriental, incluindo os das montanhas na província de Hakkari Van, foram objeto de transferências e execuções forçadas. A região de Hakkari foi o principal centro de população assíria no início do século XX. De acordo com o Patriarca de Constantinopla, havia em 1912/1913 18.000 assírios em Van Vilayet, 15.000 em Bitlis Vilayet e 25.000 em Diyarbekir Vilayet.[5]

Em 1914, Jovens Turcos, com a ajuda dos curdos, começaram a sistematicamente perseguir as antigas comunidades indígenas cristãs da Ásia Menor, principalmente as compostas por armênios, assírios, gregos e em menos grau georgianos, o que resultou nos conhecido Genocídio Assírio e Genocídio armênio.[6] [7] No início da Primeira Guerra Mundial, cerca de metade da população assíria vivia no que é hoje o sul da Turquia. Os Jovens Turcos, um grupo ultra-nacionalista, assumiu o controle do Império Otomano apenas cinco anos antes do início da Primeira Guerra Mundial[8] No final de 1914 e 1915, sob o regime dos Jovens Turcos o Império Otomano declarou uma guerra santa aos cristãos assírios, gregos, armênios, georgianos e eslavos do Império, juntamente com os impérios britânico e russo, que foram todos agrupados como os inimigos do Islam.[9]

Referências

  1. Sir Austen H. Layard, Nineveh and Its Remains, Volume 1 (1845), p. 245, http://books.google.co.uk/books?id=P2JCAAAAIAAJ&pg=PA258&dq=assyrians+kurds+indepedence&lr=&as_drrb_is=b&as_minm_is=0&as_miny_is=1840&as_maxm_is=0&as_maxy_is=1880&as_brr=1&cd=1#v=onepage&q=&f=false
  2. Abraham Yohannan, The Death of a Nation, or, The Ever Persecuted Nestorians or Assyrian Christians, p. 146 (1916), http://books.google.co.uk/books?id=G7AVAAAAYAAJ&pg=PA146&dq=assyrians+kurds+indepedence&lr=&as_drrb_is=b&as_minm_is=0&as_miny_is=1914&as_maxm_is=0&as_maxy_is=1916&as_brr=1&cd=1#v=onepage&q=&f=false
  3. Celestia Bloss, Ancient History, Illustrated by Colored Maps, p. 242 (1883), http://books.google.co.uk/books?id=s5kZAAAAYAAJ&pg=PA42&dq=persia+assyrian+intitle:illustrated&lr=&as_drrb_is=b&as_minm_is=0&as_miny_is=1600&as_maxm_is=0&as_maxy_is=1936&as_brr=1&cd=13#v=onepage&q=persia%20assyrian%20intitle%3Aillustrated&f=false
  4. The Origins of War: From the Stone Age to Alexander the Great By Arther Ferrill - Page 70
  5. "The Treatment of Armenians in the Ottoman Empire 1915-1916" by JAMES VISCOUNT BRYCE, London, T. Fisher Unwin Ltd., 1916
  6. Entenda a polêmica sobre o suposto "genocídio" armênio FolhaOnline (13 de outubro de 2006). Visitado em 22 de junho de 2014.
  7. Gaunt, David (2006), Massacres, Resistance, Protectors: Muslim-Christian Relations in Eastern Anatolia during World War I, Piscataway, NJ: Gorgias, http://books.google.se/books?id=4mug9LrpLKcC&printsec=frontcover&dq=Massacres,+Resistance,+Protectors&cd=1#v=onepage&q=&f=false 
  8. Encyclopædia Britannica, vol. 3, p. 31 (1922), http://books.google.co.uk/books?id=dsYUAAAAQAAJ&pg=PA31&dq=enver+central-asia+intitle:britannica&lr=&as_brr=0&cd=9#v=onepage&q=enver%20central-asia%20intitle%3Abritannica&f=false
  9. Anthony Arnoux, The European War: August [1914] to March [1915], p. 160 (1915)

Bibliografias[editar | editar código-fonte]

  • Naayem, Jean. Les Assyro-Chaldeans et les Armeniens Massacres Par les Turcs, documents inédits recueillis par un témoin oculaire [published in English as Shall This Nation Die?]. Paris/New York: Bloud et Gay/Chaldean Rescue, 1920, http://www.aina.org/books/stnd.htm.
  • Rhetore, Jacques. "Les chrétiens aux bêtes"; Souvenirs de la guerre sainte proclamée par les Turcs contre les chrétiens en 1915. Paris: Les editions du Cerf, 2004/2005.
  • Toynbee, Arnold. Treatment of Armenians and the Assyrian Christians by the Turks, 1915-1916, in the Ottoman Empire and North-West Persia, 3 Class 96, Series II, six files, FO 96*205-210. [S.l.]: Foreign Office, 1916.