Mère Royaume

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A legenda diz: uma mulher que um pote de ferro mata um Saboiardo
A Marmite de l'Escalade

Mère Royaume é o nome porque é conhecida Catherine Cheynel que despejou o conteúdo a ferver do pote onde estava a preparar a sopa quando a Clémence da Catedral de São Pedro de Genebra começou a tocar para acorda a população na noite do 11-12 de Dezembro de 1602 quando Carlos Emanuel I de Saboia atacou Genebra naquilo que é conhecido como L'Escalade, a Escalada.

Quando o Royaume não é o que se pensa[editar | editar código-fonte]

Catherine Cheynel nasceu em Lyon entre 1540 e 1545, filha de Claude Cheynet [1] que se casa com um Mestre de armas e depois de enviuvar casa com Pierre Royaume [2] filho de um fabricante de peças em estanho. Exilado em Genebra para fugir da perseguição contra os huguenotes na França, Pedro é admitido como habitante de Genebra três semanas depois do Massacre da noite de São Bartolomeu, e instalam-se junto à Porta da Moeda pois ele conseguiu arranjar um emprego como gravador de moedas.

Defesa[editar | editar código-fonte]

Ora é quando os invasores tentavam entrar por essa porta que a Dame Royaume contribuí à defesa da cidadela, despejando a sopa sobre os assaltantes. A festa da L'Escalade não faz mais do que lembrar esse feito e as crianças não perdem a oportunidade de partirem a marmita em chocolate e onde os legumes da sopa são em maçapão.

Mesmo se hoje se contesta historicamente a sua acção, a legenda persiste e ela é como em muitos outros países e em circunstâncias idênticas o símbolo do patriotismo, uma padeira de Aljubarrota genebrina!

Um nome[editar | editar código-fonte]

A descendências dos Royaume atinge 1 951 pessoas das quais 1 000 ainda estariam vivas no ano 2000. O patronímico desapareceu em 1722 com a morte de Madeleine Royaume, mas o ramo dos Pierre, Etienna e dos Jeanne Royaume ainda persist.

Biografias[editar | editar código-fonte]

  • DUFOUR-VERNES, Louis Descendance genevoise de la Mère Royaume. Complément à la

brochure " la mère Royaume et sa marmite", Genève, impr. J. Carey, 1881, 36 p. in 8e ; tableau généalogique.

  • Alice WERNER-FLOURNOY, Généalogies de quelques descendants de la Mère Royaume et

de Nicolas Bogueret, Genève, 1954

  • MONIER-VINARD, Patrick, La Mère Royaume à Lyon, in Bulletin de la Compagnie de 1602 Escalade de Genève 1602-1982,recueil du 380e anniversaire, 55ème brochure d'Escalade, 1982.

Referências

  1. Contrat de mariage entre Faule Petitot et Etienna Royaume chez Simon Butini, notaire, le 29 juillet 1598 (AEG Notaire Simon Butini 1588-1609 volume unique f° 99). L'acte précise qu'Etienna est fille d'honnête Pierre Royaume et d'honnête Catherine Chesney !
  2. Contrat de mariage de Pierre Reaulme et Catherine Cheynet à Lyon, le 12 avril 1564 (Archives départementales du Rhône Minutes de Maître Peronnet - 3 E 6942, f° 347)

Ver também[editar | editar código-fonte]