Manfred Max-Neef

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Manfred Max-Neef
Manfred Max-Neef em 2007
Nome completo Manfred Max-Neef
Nascimento 26 de outubro de 1932
Valparaíso, Chile
Morte 8 de agosto de 2019 (86 anos)
Valdivia, Chile
Nacionalidade chileno
Ocupação Economista

Manfred Max-Neef (Valparaíso, 26 de outubro de 1932Valdivia, 8 de agosto de 2019) foi um economista e ambientalista chileno.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Max-Neef era filho de imigrantes alemães que se mudaram para o Chile depois da Primeira Guerra Mundial.

Após estudar economia, Max-Neef fez carreira na Shell. Em 1957, porém, passou a estudar os problemas dos países em desenvolvimento.[1] Max-Neef começou sua carreira como professor de economia na Universidade da California, Berkeley no início dos anos 60, envolvendo-se nos protestos contra a Guerra do Vietnã. Ele viajou pela América Latina e pelos Estados Unidos como professor convidado em várias universidades e como pesquisador vivendo em comunidades pobres, trabalhando também para organizações da ONU.

Em 1981, escreveu From the Outside Looking In: Experiences in Barefoot Economics, uma narrativa de suas viagens em comunidades pobres da América do Sul. O livro descreve sua abordagem à uma 'economia que leva em conta as pessoas'. No mesmo ano, ele fundou a organização CEPAUR (Centro de Estudio y Promoción de Asuntos Urbanos). Inspirado pelos estudos de Ernst Friedrich Schumacher, desenvolveu a tese da "economia descalça" e "economia em escala humana", apresentando dez necessidades humanas básicas.[1]

Em 1983, Max-Neef recebeu o Right Livelihood Award, também conhecido como "Prêmio Nobel alternativo", por seu trabalho em áreas atingidas pela pobreza em países em desenvolvimento.

Nos anos 1990, formulou a hipótese do "limiar", defendendo que a partir de certo ponto de desenvolvimento humano a qualidade de vida começa a diminuir. Max-Neef foi candidato à presidência no Chile como independente nas eleições presidenciais chilenas de 1993. Com 5.55% dos votos, ele chegou à quarta posição.

Em 1993, ele foi apontado como reitor da Universidad Austral de Chile em Valdivia, permanecendo no cargo por oito anos.

Morreu em 8 de agosto de 2019, aos 86 anos de idade.[2]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Kornat, Gerhard Drekonka (24 de agosto de 2019). «Manfred A. Max-Neef (1932-2019), economista chileno. In memoriam». Instituto Humanitas Unisinos. Consultado em 26 de agosto de 2019 
  2. «Murió Manfred Max Neef, destacado ecologista y ex candidato presidencial» (em espanhol). Cooperativa Chile. 8 de agosto de 2019. Consultado em 8 de agosto de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]