Mantle Hood

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde janeiro de 2012).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde janeiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Mantle Hood (24 de junho de 1918 – 31 de julho de 2005 Maryland) foi um etnomusicologista estadunidense. Sua área de estudo foi a música da Indonésia, principalmente o gamelão. Hood foi um dos pioneiros, na década de 1950 de uma nova área de estudo de música, criando na Universidade da Califórnia - Los Angeles o programa de etnomusicologia.

Estudos[editar | editar código-fonte]

Graduação - UCLA, 195l Mestrado em música - UCLA, 1952 Doutorado - Universidade de Amsterdam, 1954 Doutor Honoris Causa em Filosofia - Universidade de Cologne, 2003

Prêmios e menções honrosas[editar | editar código-fonte]

  • 2002 Pela contribuição nas relações Estados Unidos-Indonésia Relationship. The United States-Indonesia Society
  • The Charles Seeger Lecture, Austin Texas, SEM, November 20, 1999: “Ethnomusicology’s Bronze Age in Y2K”.

Principais contribuições[editar | editar código-fonte]

Livros
romances
  • The Keepers 1998
  • The Celestial Connection 1999
  • Just a Stone’s Throw 2000
  • The Wisdom Knot 200l
  • From Out of the Blue 2002
  • Trompin’ the Wraparound 2002
artigos em livros
  • “Balinese Gamelan Semar Pegulingan: the Modal System,” To the Four Corners, a Festschrift in Honor of Rose Brandel, edited by Ellen C. Leichtman, Michigan: Harmonie Park Press, 1994, 11-23.
  • "Voiceprints in Omani Traditional Music," in a festschrift for J. H. Nketia African Musicology.
  • Current Trends, Vol. II, Los Angeles: University of California Press, 1992, 191-244.
  • "All Musical Cultures are about Equally Complex." (chapter in) More than Drumming. Westport: Greenwood Press, 1985.
  • The Ethnomusicologist. New Edition. Kent, Ohio: Kent State University Press, 1982; translations complete or in process: Arabic, Chinese, Indonesian, Korean, Polish (1986 -).
  • Music of the Roaring Sea. THE EVOLUTION OF JAVANESE GAMELAN, BOOK I. Wilhelmshaven: Heinrichshofen, 1980.
  • "Music of Indonesia." (chapter in) Handbuch der Orientalistik. Leiden: E. J. Brille, 1972.
  • McPhee, Colin. Music in Bali. Forward and indices by Mantle Hood. New Haven: Yale University Press, 1966.
  • Hood, Mantle. "Indonesia." (chapter in) Asia in the Modern World. Helen G. Mathew, ed. New York: Mentor Books, 1963.
  • Javanese Gamelan in the World of Music. (Gamelan Djawa Dilihat Dari Segi Dunia Musik, Trans. H. Susilo) Jogyakarta: Kedaulatan Rakjat, 1958.
enciclopédias
  • Mantle Hood, "Composition and Improvisation," Encyclopedia of Communications, University of Pennsylvania, 1987.
  • "Southeast Asia." The New Grove Dictionary of Music and Musicians, 6th ed. London: Macmillan, 1980, 20 vols.
  • “Bronze drum.” The New Grove Dictionary of Music and Musicians, 6th ed. London: Macmillan, 1980, 20 vols.
  • "Indonesia." The New Grove Dictionary of Music and Musicians, 6th ed. London: Macmillan, 1980, 20 vols.
  • "Ethnomusicology." Harvard Dictionary of Music, 2nd ed. Cambridge: Harvard University Press, 1969.
  • "Pelog." Harvard Dictionary of Music, 2nd ed. Cambridge: Harvard University Press, 1969.
  • "Slendro." Harvard Dictionary of Music, 2nd ed. Cambridge: Harvard University Press, 1969.
  • "Indonesie.” Encyclopedie de la musique. Paris: Fosquelle, 1963.
  • "Pelog." Encyclopedie de la musique. Paris: Fosquelle, 1963.
  • "Slendro." Encyclopedie de la musique. Paris: Fosquelle, 1963.
  • "Music in History, II - The Orient," Home Encyclopedia of Music, Columbia Records, 196l.
  • "Balinesische Musik." Riekmann Musiklexikon. Reiburg: Briesgau, 1960.
  • "Javanische Musik." Riemann Musiklexikon. Reiburg: Briesgau, 1960.
  • "Indonesie." Encyclopedia van de Muziek. Amsterdam: Elseviers, 1958.
  • "Pelog." Encyclopedia van de Muziek. Amsterdam: Elseviers, 1958.
  • "Slendro." Encyclopedia van de Muziek. Amsterdam: Elseviers, 1958.
Artigos em jornais e revistas
  • “Il Rasa del suono,” Musica/Realta, 53, Luglio, 1997.
  • "The Quantum Theory of Music II," World Music Reports, Vol. I, No.l, Center for World Music, 1996; published in Chinese (China News, 1992); published in Croat, 1992.
  • “The Quantum Theory of Music (I),” (prepublished and read in ESEM Congress, Berlin, 1990), China News, (published in Chinese), Beijing, 199l; (viz II) in Croat, 1992; Mudra, (in English) Bali, 1996.
  • John Blacking Memorial Lecture, “The Musical River of Change and Innovation,” European Seminar in Ethnomusicology, pub. By Oideion, Internet, 1995.
  • “Angkep-angkepan,” Ndroje balendro, Musiques, terrains et disciplines, Peters, Paris, 1995.
  • "Universal Aspects of Javanese Musical Improvisation," Premio Internazionale Latina di Studi Musicali, Camp Internazionale di Musica, Latina, Italy, 1990; also in Chinese translation in Chinese News, Central Academy of Music, Beijing, 1991.

Método da bi-musicalidade[editar | editar código-fonte]

Mantle Hood esplicava a etnomusicologia como sendo o estudo da música "onde for e quando for" (wherever and whenever). Enquanto seu professor escreveu dois volumes sobre a Música em Java sem realmente tocar qualquer música, Hood exigia que seus estudantes aprendesse a tocar a música que estivessem estudando. Ele nomeou este método como bi-musicalidade. Esta forma de abordagem permite, de alguma forma, aprender a música de dentro, experimentando seus desafios técnicos, conceituais e estéticos. O pesquisador é capaz de se socializar com a comunidade sendo estudada e ter melhor acesso aos rituais e apresentações. O termo é uma adaptaçãodo bi-linguismo, da mesma forma que alguem pode falar duas línguas.

Ele também defendia que seus estudantes deveriam falar a língua das culturas estudadas, o que veio a romper a tradição de que os etnomusicólogos falassem apenas francês e alemão.

Referências

inglês