Manuel Pinto de Fonseca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sua Alteza Eminentíssima, O Príncipe (1681-1773), pintado por Pierre Bernard.

Manuel Pinto da Fonseca (1681Valletta, Malta, 23 de janeiro de 1773). Filho de Miguel Álvaro Pinto da Fonseca, Alcaide-Mor de Ranhados, e da sua mulher Ana Pinto Teixeira, foi o 68º Grão-Mestre da Ordem dos Hospitalários de 1741 até 1773. Foi o primeiro homem a criar e a deter o estilo de Sua Alteza Eminentíssima.

Administração da Ordem de Malta[editar | editar código-fonte]

Eleito Grão-Mestre em 18 de janeiro de 1741, durante a sua administração, criou ainda muitos novos títulos nobiliárquicos, acção que contrariou grande parte da velha nobreza de Malta, além de impor impostos injustos à população. Para mais, ele ofendera o clero com a decisão não só de fechar o Colégio jesuíta Melitense, como em 1768, expulsou os próprios Jesuítas de Malta.[1] . Tais factos contribuíram para que fizesse muitos inimigos e não fosse, de facto, muito popular, incorrendo mesmo no ódio dos cavaleiros mais velhos que já esperavam que morresse para lhe poderem suceder.

Não obstante, um acontecimento relevante deu-se em 1749; um dos seus guarda-costas, Cassar, refusou-se a aderir à revolta organizada por Mustafa Pascha para iniciar uma sublevação entre os escravos muçulmanos da ilha. A sua recusa suscitou a atenção do Grão-Mestre que suprime a revolta. Curiosamente, este evento é celebrado, por tradição, como festividade de estado todos os anos a 29 de junho.

Por outro lado, em 1764, Pinto da Fonseca negoceia com Frederico o Grande da Prússia a reunificação do Bailio Protestante de Brandenburgo com a Ordem de Malta, mas o Papa Clemente XIII não admitiria a admissão de elementos que via como heréticos no seio de uma organização Católica Romanana; assim, o acordo esfumar-se-ia.[2] . Foi, ainda, amigo do alquimista Cagliostro.

Teve um filho ilegítimo de Rosenda Paulichi, filha de Alberigo Paulichi e da mulher Patronilla Ramuzetta; ao pequeno, um rapaz, foi posto o nome de José António Pinto da Fonseca e Vilhena, e casou com a sua prima direita Maria Inácia Pinto da Fonseca de Sousa Teixeira e Vilhena, filha ilegítima de Francisco Vaz Pinto (seu pai) e de Clara Cerqueira.

Obras[editar | editar código-fonte]

No entanto, Manuel Pinto da Fonseca amou a cidade de La Valetta. Completou o Albergue de Castela, uma das construções mais importantes da capital, que tinha sido iniciada em 1574 pelo Grão-Mestre Jean de la Cassière. Na sua fachada ainda se encontra hoje em dia, um busto que o evoca. Actualmente, no Albergue encontra-se o gabinete do Primeiro-Ministro. Fez ainda numerosas doações à Igreja Conventual de S. João e construiu muitas lojas na Marina, que ainda hoje possui o seu nome.

Quando morreu, Manuel Pinto da Fonseca foi sepultado num monumento funerário no qual o seu retrato foi realizado em mosaico; hodiernamente este é ainda uma das mais importantes atracções turísticas da ilha.

A bandeira de Qormi.

Qormi[editar | editar código-fonte]

A 25 de maio de 1743 deu o nome à cidade de Qormi que goza de um status particular (foi denominada Città Pinto). O seu brasão de armas pessoal é caracterizado por cinco crescentes vermelhos, simbolizando o número de otomanos que tinha vencido com a própria espada de uma só vez, durante a revolta. De facto, a cidade de Qormi adoptou este escudo para si mesma, como brasão, que, ainda hoje pertence à família Pinto da Fonseca.


Notas[editar | editar código-fonte]

  1. vd. Birgit Borowski, Reinhard Strüber: Malta. Baedeker, 2008.
  2. Robert M. Clark, Jr., The Evangelical Knights of Saint John: A History of the Bailiwick of Brandenburg of the Knightly Order of St. John of the Hospital at Jerusalem, Known as the Johanniter Order; Dallas, Texas: 2003; pages 18-25. Guy Stair Sainty, The Orders of Saint John: The History, Structure, Membership and Modern Role of the Five Hospitaller Orders of Saint John of Jerusalem; New York: The American Society of the Most Venerable Order of the Hospital of Saint John in Jerusalem, 1991; pages 86, 89-90.


Weblinks[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Raymond Despuig
Grão-Mestre da Ordem dos Hospitalários
17411773
Sucedido por
Francisco Ximenes de Texada