Maria de Nassau (1556–1616)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maria de Hohenlohe-Neuenstein
Condessa de Hohenlohe-Neuenstein
Condessa de Nassau
Retrato por Adriaen Thomasz Key.
Condessa de Hohenlohe-Neuenstein
Período 2 de fevereiro de 1595 - 6 de março de 1606
Antecessor(a) Ana de Solms-Lich
Sucessor(a) Fim de Título
 
Cônjuge Filipe de Hohenlohe-Neuenstein
Nascimento 7 de fevereiro de 1556
  Breda, Países Baixos
Morte 10 de outubro de 1616 (60 anos)
  Buren, Países Baixos
Pai Guilherme I, Príncipe de Orange
Mãe Ana de Egmont

Maria de Nassau (Breda, 7 de fevereiro de 1556 - Buren, 10 de outubro de 1616) foi a segunda filha de Guilherme I, Príncipe de Orange com a sua primeira esposa, Ana de Egmont. Recebeu o nome da sua irmã mais velha, Maria, que tinha morrido ainda bebé.

Biografia[editar | editar código-fonte]

No início da Guerra dos Oitenta Anos, o irmão mais velho de Maria, Filipe Guilherme, foi enviado para Espanha, onde recebeu uma educação católica. Maria defendeu firmemente o direito do irmão receber o título de príncipe de Orange e barão de Breda contra o meio-irmão de ambos, o conde Maurício de Nassau.

Maria queria casar-se com o conde Filipe de Hohenlohe-Neuenstein, que conhecia desde os onze anos de idade, mas o seu pai opôs-se inicialmente a este plano, acabando por dar o seu consentimento em 1582. Contudo, após a sua morte, o seu irmão Maurício recusou-se a permitir a união. Maria estava prometida ao filho católico do duque de Aerschot, por este ser um aliado importante contra Espanha, mas a condessa recusou-se a casar com ele por ser uma calvinista fervorosa. Além do mais, deu início a um julgamento por se considerar no direito de proteger os bens do seu irmão Filipe Guilherme, que tinha sido feito prisioneiro em Espanha, por ser a sua única irmã direita.[1]

No dia 2 de Fevereiro de 1595, aos trinta-e-nove anos de idade, Maria casou-se finalmente com Filipe de Hohenlohe-Neuenstein em Buren. O casal não teve filhos e Filipe morreu em 1606. O seu irmão Filipe Guilherme foi libertado em 1595 e regressou a Breda em 1610. Em 1612, Maria abriu um orfanato em Buren e morreu em 1616. O seu corpo encontra-se enterrado na Igreja de São Lamberto na mesma cidade.

Referências

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Maria de Nassau (1556–1616)