Martha M. Place

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fotografia de Martha Place.

Martha M. Place (1854 ou 185520 de março de 1899) foi a primeira mulher a morrer na cadeira elétrica. Ela foi executada em 20 de março de 1899 aos 44 anos, na prisão Sing Sing Correctional Facility pelo assassinato de sua enteada Ida Place.[1]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Nascida em New Jersey, Martha Place foi atingida na cabeça por um trenó aos 23 anos. Seu irmão afirmou que ela nunca recuperou completamente e que o acidente deixou-a mentalmente instável. Martha casou-se com o viúvo William Place, em 1893. Place já possuía uma filha do casamento anterior, Ida Place. William casou com Martha para ajudá-lo a criar sua filha, embora tenha mais tarde tenham surgidos rumores de que Martha sentia ciúmes de Ida. William chamou a polícia pelo menos uma vez para prender sua mulher por ameaçar matar Ida.

Assassinato[editar | editar código-fonte]

Na noite de 7 de fevereiro de 1898, Willian Place chegou em sua casa no Brooklyn, New York e foi atacado por Martha, que estava empunhando um machado. William escapou para pedir socorro, e quando os policiais chegaram, eles encontraram Martha Place em um estado crítico deitada no chão com a roupa sobre sua cabeça e com fumaça de queimadores dentro do quarto. No andar de cima, eles descobriram o cadáver de Ida Place, de dezessete anos, deitada em uma cama. Sua boca estava sangrando e os olhos estavam desfigurados após ácido ter sido jogado em seu rosto. A evidência posterior indicou que Ida Place havia morrido de asfixia. Martha acabou sendo presa e acusada de assassinato.[2]

Julgamento[editar | editar código-fonte]

Place proclamou sua inocência enquanto aguardava julgamento. Uma reportagem do jornal contemporâneo descreveu a réu da seguinte forma:

Martha Place foi considerada culpada do assassinato da enteada e sentenciada à morte. Seu marido era uma testemunha-chave contra ela.

Execução[editar | editar código-fonte]

Sem nunca ter executado uma mulher na cadeira elétrica, os responsáveis ​​pela execução da sentença de morte concebeu uma nova forma de colocar os eletrodos em seu corpo.[1] Eles decidiram cortar o vestido e colocar o eletrodo em seu tornozelo.[1] Edwin Davis foi o carrasco. Segundo os relatos de testemunhas, ela morreu instantaneamente.[1]

O governador do Estado de Nova York Theodore Roosevelt foi convidado para comutar a sentença de morte, mas ele se recusou.[1] Martha Place foi sepultada no cemitério da família em East Millstone, Nova Jersey, sem cerimônias religiosas.

Embora Place tenha sido a primeira mulher a morrer na cadeira elétrica, ela não foi a primeira mulher condenada a ela; a primeira foi Maria Barbella, que mais tarde foi considerada inocente de seu crime e liberada.

Referências

  1. a b c d e Erro Lua em Módulo:Citação/CS1 na linha 2140: attempt to call upvalue 'year_date_check' (a nil value).
  2. Reports of Cases By New York (State). Court of Appeals, CA Dist Courts of Appeal, New York (State) NY, Harvard University v.157 1899

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Shipman, Marlin (2002). Penalty Is Death: U.S. Newspaper Coverage of Women's Executions (em inglês) (Columbia, MO, USA: University of Missouri Press).