Martim Vasques da Cunha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Martim Vasques da Cunha foi um nobre do Reino de Portugal e o 4.º senhor Morgado de Tábua e o 6.º senhor de Tabua[1][2].

Exerceu o cargo de Alcaide-mor do Castelo de Linhares da Beira e no reinado de D. Dinis do Castelo de Celorico da Beira. Além dessas alcaidarias teve os senhorios de Pombeiro, de Angeja e de Bemposta.

A quando da Batalha de Trancoso que ocorreu princípios do mês de junho do ano de 1385, entre forças Portuguesas e Castelhanas. voltava para Castela o rei D. João I de Castela que invadira Portugal, saiu-lhes ao encontro o Alcaide-Mor do Castelo de Trancoso, Gonçalo Vasques Coutinho, as forças do Alcaide-Mor do Castelo de Linhares, Martim Vasques da Cunha e as do Alcaide-Mor do Castelo de Celorico da Beira, João Fernandes Pacheco que travaram combate junto à Capela de São Marcos de Trancoso, em Trancoso. Portugal venceu a contenda e desse modo recuperaram as posses e libertaram os cativos.

Já na campanha de 1386 ao serviço de D. João I, após tomarem Almeida, esta hoste dividiu-se em três e ele seguiu no seu o comando. Mas, como o alvo seguinte era o cerco à vila de Coria, já em território castelhano, então esta se voltou a reagrupar. E como o resultado prático foi nulo para as forças sitiantes estas acabaram por retirar para Penamacor, terminando aí essa campanha[3].

Relações familiares[editar | editar código-fonte]

Foi filho de Vasco Lourenço da Cunha (1210 -?), 2.º senhor do Morgado de Tábua e de D. Teresa Pires Portel (c. 1210 – 1291) Filha de D. Pedro Pires de Portel ou D. Pedro Pires Fernandes de Portel ou ainda D. Pedro Pires de Portugal e de D. Froile Rodrigues de Pereira.

Casou com Joana Rodrigues de Nomães (1240 -?) filha de D. Rodrigo Martins de Nomães e de Beatriz Anes Redondo, de quem teve:

  1. Vasco Martins da Cunha (1260 -?), 5.º senhor do Morgado de Tábua casado com Senhorinha Fernandes de Chacim, filha de Fernão Gonçalves Chancino;
  2. Rui Martins de Nomães[4] (? - >1305) casado com Senhorinha Rodrigues de Bifardel ou Senhorinha Portocarreiro Bifardel, filha de Rui Gonçalves Bifardel[5][6][7] e de Senhorinha Fernandes de Chacim;
  3. Brites da Cunha casada com Fernão Martins Teixeira;
  4. Teresa Martins da Cunha (1280 -?) casada com Fernão Gonçalves de Chacim.

Referências

  1. José Augusto de Sotto Mayor Pizarro, Linhagens Medievais Portuguesas - 3 vols, Universidade Moderna, 1ª Edição, Porto, 1999. vol. 2-pg. 370.
  2. Manuel José da Costa Felgueiras Gaio, Nobiliário das Famílias de Portugal, Carvalhos de Basto, 2ª Edição, Braga, 1989. vol. IV-pg. 144 (Cunhas).
  3. Estevão Vasques Filipe O percurso de um guerreiro em finais de Trezentos, por Miguel Gomes Martins, in Cadernos do Arquivo Municipal, nº 5, Lisboa, pág. 24.
  4. O Mosteiro de Santo Tirso, de 978 a 1588. A silhueta de uma entidade
  5. Manuel José da Costa Felgueiras Gaio, Nobiliário das Famílias de Portugal, Carvalhos de Basto, 2ª Edição, Braga, 1989. vol. III-pg. 171 e 409 (Chancinhos) e vol. IV-pg. 144 (Cunhas).
  6. José Augusto de Sotto Mayor Pizarro, Linhagens Medievais Portuguesas, Porto, 1997. Nos 3 vols da Edição da Universidade Moderna, Porto, 1999, vol. 2-pg. 372.
  7. José Augusto P. De Sotto Mayor Pizarro, Os Patronos do Mosteiro de Grijó, Porto, 1987.

Ver também[editar | editar código-fonte]