Mercado Municipal de Niterói

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mercado Municipal de Niterói
Mercado Municipal de Niterói em restauração.
Construção 1927 e 1930
Geografia
Cidade Niterói, RJ

Mercado Municipal de Niterói é o antigo edifício de arquitetura eclética com traços de art decó e neoclássica na Avenida Feliciano Sodré, entre a Rua Presidente Castelo Branco e a Avenida Washington Luiz, Centro de Niterói, próximo ao Porto de Niterói, construído entre 1927 e 1930, que abrigou o referido mercado, até ser desativado em 1976. A partir da década de 1980 o imóvel passou a abrigar o Depósito Público Estadual.[1] O imóvel compõe o conjunto arquitetônico da região portuária de Niterói, erguida durante o período histórico chamado de Renascença Fluminense.

Em 2011, a Prefeitura Municipal em parceira com o Governo do Estado iniciaram obras de restauração e adaptação para convertê-lo em um pólo de gastronomia e moda, mas também com características semelhantes aos mercados públicos turísticos como o de Mercado Municipal de São Paulo.[2] Não confundir o Mercado Municipal de Niterói com o Mercado São Pedro, também na mesma cidade, porém um mercado especializado em peixes e fruto-do-mar.

História[editar | editar código-fonte]

Praça Renascença Fluminense

O primeiro mercado público de Niterói era originalmente localizado no Largo do Mercado, atual Praça Arariboia, sendo seu feirantes expulsos pela prefeitura em 1889 para transformar o edifício em estação das barcas. Os feirantes se transferiram para o mercado de peixes e frutos-do-mar à beira-mar, na Rua da Praia (atual Avenida Visconde do Rio Branco) em frente a Rua São Pedro, antecessor do atual Mercado São Pedro. O mercado em condições precárias e em palafitas sempre foi alvo de críticas.

A década de 1910 a prefeitura elaborou a proposta de construir um mercado público municipal. Em 1911, o Porto de Niterói começa a ser idealizado entre a Ponta D`Areia e o Porto do Méier, região da Enseada de São Lourenço (ou Mangue de São Lourenço). Com a finalização do aterro da Enseada de São Lourenço, para construção do Porto de Niterói, em 1927, seu entorno foi erguido uma série de grandes edifícios públicos no aterrado, sendo o Mercado Municipal de Niterói inaugurado em 1930. Na área do aterrado da Enseada de São Lourenço, atual região portuária de Niterói, também funcionam ou já funcionaram diversos órgãos públicos, o Detran, o Tribunal de Contas do Estado, uma Policlínica e a garagem da EMOP.

Fim do mercado[editar | editar código-fonte]

Na década de 1960 ocorre o esvaziamento do movimento portuário de Niterói esvaziou-se em quase 50% no período de 1964-1967 com a decadência da economia cafeeira do Norte Fluminense. O setor têxtil, tradicional na economia fluminense, também foi perdendo competitividade. Por sua vez, o claro processo de degradação urbana da área do Aterrado pode ser entendido pela deterioração e subutilização de muitos imóveis públicos ali existentes. Esse processo deu-se, entre outros fatores, à perda de função destes imóveis quando da transferência da capital do Estado do Rio de Janeiro da cidade de Niterói para a do Rio de Janeiro, em 1975. Desde então, muitas das edificações ou lotes estaduais foram por muito tempo destinados a depósitos, como é o caso do Depósito Estadual (antigo Mercado Municipal) e do depósito da Empresa de Obras Públicas (EMOP). A construção dos viadutos e a cabeceira da Ponte Rio-Niterói naquela área, inaugurada em 1974 contribuíram para piorar a situação.

No início da década de 1970, a Secretaria Estadual de Agricultura construiu, por trás do antigo Mercado Municipal, um entreposto pesqueiro que serviria para a comercialização do produto. Diante da recusa dos antigos vendedores do Mercado São Pedro, que construíram entreposto próprio e privado no final da Avenida Visconde do Rio Branco, levou o entreposto público a uma situação difícil com a não concretização dos planos. Hoje, o prédio do entreposto, que pertence à CEASA-RJ (Centrais de Abastecimento do Rio de Janeiro), está desativado, desde 1981, com a construção da unidade de Columbandê, São Gonçalo, funcionando ocasionalmente como "sacolão" e depósito, e foi, na década de 2000, invadido por moradores de favelas vizinhas.[3]

Reforma e pólo de moda e gastronomia[editar | editar código-fonte]

Antigo entreposto de pesca.

A prefeitura agora quer que o antigo prédio se torne um pólo de moda e gastronomia,[4] alteração solicitada ao estado. O Mercado Municipal de São Paulo como inspiração, para criar ali um espaço que reúna restaurantes e boxes para a venda de produtos. Além disso, é possível que tenha também boxes para vendas de produtos, como flores e frutas.

A prefeitura ainda pretende construir uma estação do sistema de BRT - Bus Rapid Transit da cidade em frente ao mercado e batizá-lo com o mesmo nome.

Referências

  1. Antigo galpão da Ceasa vai virar novo mercado municipal de Niterói O Globo. (Julho, 2014).
  2. «Obra no Centro pode gerar Mercado ou Polo de Moda Gastronomia». Globo.com 
  3. «Prédio da antiga Ceasa virou um depósito para ambulantes». A Tribuna. 23 de abril de 2010 
  4. Matéria do Globo na coluna Anselmo Gois de 9 de abril de 2011 noticia a obra do Mercado Municipal de Niterói