Molniya-3

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Molnya-3 (11F637)
Maquete de um satélite Molniya em exposisão no museu de Le Bourget
Características Gerais
Fafricante União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, Rússia OKB-1
País de Origem União das Repúblicas Socialistas Soviéticas URSS, Rússia Rússia
Plataforma Kaur-2
Tipo de missão Satélite de comunicação
Órbita Órbita elíptica alta
Operação União das Repúblicas Socialistas Soviéticas Forças Armadas da União Soviética, Rússia Força Espacial Russa
Vida útil 3 anos[1]
Antecessor Molniya-2
Sucessor Molniya-3K
Produção e Operação
Situação em serviço
Construídos 54
Perdidos 2
Primeiro lançamento 21 de novembro de 1974
Último lançamento 19 de junho de 2003
Veículo Lançador Molniya 8K74
Configuração típica
Massa 1.740 kg
Alimentação 1.000 W
Motor de estabilização KDU-414
Largura 8,2 m
Altura 4,4 m

Molnya-3, (código GRAU: 11F637), é a designação da quarta série de satélites de comunicação da União Soviética, depois Rússia. Uma versão melhorada do satélite Molniya-2, o Molniya-3, era parte do Sistema Unificado de Comunicação por Satélite.

Esses satélites eram colocados em órbita elíptica alta usando um foguete Molniya a partir do cosmódromo de Plesetsk. O satélite, tinha massa de 1.740 kg e vida útil estimada de 3 anos. Seu principal objetivo, era prover um sistema de comunicação e transmissão de TV para o sistema de comunicação estatal.[2]

A partir de 2006, ele começou a ser substituído pelo satélite Meridian.

História[editar | editar código-fonte]

Depois de vários anos de operação com o satélite Molniya-2 os engenheiros e técnicos concluíram ser necessário uma evolução com várias melhorias. Esse projeto de modernização, teve início em 1972. O Molniya-3 representa a evolução dos satélites Molniya-2, melhorando os aspectos de confiabilidade e capacidade de retransmissão. Os testes em voo tiveram início em 1974. Em 1979, o satélite Molniya-3 em conjunto com o Raduga, foram adotados para compor o Sistema Unificado de Comunicação por Satélite.[3]

Objetivo[editar | editar código-fonte]

Como o Molnya-3 foi uma modernização do Molnya-2, ele basicamente servia aos mesmos propósitos do antecessor: de um lado, ele era usado para retransmitir os programas da Central Soviética de Televisão como parte do sistema Órbita de TV, e de outro lado, como parte do Sistema Unificado de Comunicação por Satélite.[4][5]

A carga útil do satélite Molnya-3 foi desenvolvida no MNIIRS. Ele era equipado com um sistema repetidor de rádio chamado "Segment 3", que foi produzido na fábrica Yaroslavl e provia comunicação simultânea em banda C. Além disso, o satélite fazia uso de uma série de inovações tecnológicas, principalmente nos equipamento rádio repetidores.[6]

Agrupamento[editar | editar código-fonte]

Inicialmente, a constelação de satélites Molnya-3, consistia de 4 veículos. No entanto, em 1993, para atender um plano de melhoria na estabilidade das comunicações militares, foi iniciada a criação de subsistemas adicionais usando o satélite Raduga, também com 4 veículos. A constelação então composta por 4 satélites Molniya-3 e 4 satélites Raduga estendeu a capacidade operacional do sistema além de criar a redundância operacional necessária em combate.

Assim sendo, desde 1983 a constelação era constituída por oito veículos, 4 em cada hemisfério a 40 000 km de apogeu e 500 km de perigeu, divididos em 4 pares se movendo na mesma rota com intervalo de 6h entre cada um, alinhados em 90° um do outro. Com esta configuração os oito satélites forneciam cobertura completa ao redor do mundo. Essas características orbitais permitiram a cobertura do território da Sibéria Central, da América do Norte por um grupo, enquanto o outro cobria a Europa Ocidental e o Pacífico. Como quando posicionados para o processo de comunicação os satélites estavam muito alto sobre a União Soviética, eles eram objetos muito fracos em relação as estações de terra, o que facilitou o processo de orientação das suas antenas.[6]

O projeto[editar | editar código-fonte]

O satélite "Molniya-3" foi construído cobre a plataforma Kaur-2. Essa plataforma, consistia de um compartimento cilíndrico pressurizado com os equipamentos de serviço e retransmissão, que era interligado com seis painéis solares, um módulo de propulsão para controle de atitude e correção orbital na forma de um cone truncado, além de antenas, radiadores externos, sistema de controle de temperatura, sistemas de controle geral, reservatórios de nitrogênio esféricos para o sistema de orientação. O corpo do satélite ficava orientado longitudinalmente para o Sol, e as antenas montadas externamente ficavam permanentemente voltadas para a Terra.[7][8]

Lista de lançamentos do Molniya-3[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Новая «Молния» красноярцев». Журнал «Новости Космонавтики». 09.2001. Consultado em 21 de janeiro de 2011.. Cópia arquivada em 10 de março de 2012  Verifique data em: |data= (ajuda)
  2. «Молния-3». ИСС имени академика М. Ф. Решетнёва. Consultado em 4 de setembro de 2010.. Cópia arquivada em 9 de maio de 2012 
  3. a b c Мохов В. (2003). «Последняя «Молния-3» на орбите». Новости космонавтики. Consultado em 4 de setembro de 2010.. Cópia arquivada em 9 de maio de 2012 
  4. «Cорок лет назад советские конструкторы изобрели первую телевизионную систему "Орбита", 07.11.2007». Broadcasting.Ru. Consultado em 28 de janeiro de 2010.. Cópia arquivada em 9 de maio de 2012 
  5. «Спутникостроители с берегов Енисея (НК, 1999/9)». Журнал Новости Космонавтики. Consultado em 2 de outubro de 2010.. Cópia arquivada em 3 de fevereiro de 2012 
  6. a b «ВТОРАЯ ДОЛГОСРОЧНАЯ КОСМИЧЕССКАЯ ПРОГРАММА(1971-1975)». nashivkosmose.ru. Consultado em 28 de janeiro de 2010.. Cópia arquivada em 19 de fevereiro de 2012 
  7. «Спутник связи "Молния-1"». Журнал «Техника – молодёжи». Consultado em 22 de janeiro de 2011.. Cópia arquivada em 10 de março de 2012 
  8. Каптельцев Н. Л. (1999). «В полете «Молния-3»». Новости космонавтики. Consultado em 4 de setembro de 2010.. Cópia arquivada em 9 de maio de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]