Monema

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde março de 2012)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo.

Monema, na terminologia de André Martinet (1908 - 1999) que tenta explicar a complexidade da semiótica, é a unidade significativa mínima elementar, ou uma unidade linguística da primeira articulação. É uma unidade com um significado e um significante, que é a manifestação do primeiro.

Através dele a teoria do signo enriqueceu-se com o princípio da dupla articulação da linguagem: os signos linguísticos possuem unidades significativas, os monemas, que constituem a primeira articulação, e unidades que participam na forma, os fonemas, que constituem a segunda articulação[1] .

A primeira articulação combina monemas e sintemas (unidades significativas que a comutação revela como resultantes da combinação de vários signos mínimos, mas que se comportam em relação aos outros monemas da cadeia como monemas únicos[2] ) para formar unidades significativas mais extensas e que, ao contrário das primeiras, sejam livres, isto é, possam ocorrer isoladamente no discurso.

Um monema pode ser uma palavra simples, uma raiz (lexema) ou um prefixo, uma desinência (morfema).

  • Monema gramatical ou morfema é o que altera o significado de um vocábulo, em posições determinadas do sintagma, juntamente com um número relativamente reduzido de outros monemas. É a menor unidade lingüística que possui significado gramatical. Inclui raízes e afixos, formas livres, formas presas e vocábulos gramaticais (preposições, conjunções). Cada morfema carrega um significado básico ou uma função, e a união deles designa, modifica ou se opõe ao significado inicial, criando novos significados.
  • Monema lexical ou lexema é o que pertence a inventários ilimitados; é o monema dotado de significado lexical.

Referências

  1. semiologia, in Infopédia (Em linha), Porto: Porto Editora, 2003-2014 (Consult. 2014-08-21).
  2. Sintemas também podem ser definidos como elementos compostos ou derivados que funcionam como monemas. Ex.: passageiro, proibição, maria-fumaça, petróleo, a fim de que, etc. Ver Antes e durante: preparando e produzindo textos, por Maria Otília Farto Pereira.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MARTINET, André. Elementos de Linguística Geral. 5ª ed. Lisboa: Sá da Costa, 1973.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]