Moralismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O moralismo é uma filosofia surgida no século XIX que se preocupa em imbuir a sociedade de um determinado conjunto de morais, geralmente de comportamento tradicional, mas também de “justiça, liberdade e igualdade”. [1] Tem afetado fortemente a cultura norte-americana e britânica, tanto no que diz respeito a questões privadas como a unidade familiar e sexualidade, quanto a questões que passam para a praça pública, como o movimento da temperança. [2]

História[editar | editar código-fonte]

Ao rastrear as origens do moralismo, o sociólogo Malcolm Waters escreve que "o moralismo surgiu de um choque entre o caráter irrestrito do expansionismo de fronteira, uma classe média, ênfase protestante na respeitabilidade cultivada em pequenas cidades da América e um evangelismo igualitário e anti-intelectual entre fragmentar grupos protestantes. " [3]

No século XIX as questões de abolição e temperança formaram os "pilares gêmeos" do moralismo, tornando-se populares por meio das igrejas cristãs nos Estados Unidos, tanto protestantes quanto católicas romanas . [4] [5] O moralismo promovido por algumas denominações cristãs, como os quakers, manifestou-se em amplo apoio ao abolicionismo . [6]

A ascensão do pós-milenalismo no século XIX "encorajou uma cultura geral do moralismo protestante e empurrou-o para uma série de movimentos de reforma social, desde o antiescravismo e o abolicionismo (liberdade para os escravos agora), aos protestos contra a remoção dos índios, aos esforços contra a guerra e pela paz, aos direitos das mulheres, ao trabalho de temperança antes e depois da Guerra Civil. " [7] Como tal, a campanha pelo sufrágio feminino, evidenciada pelo ethos de organizações como a Women's Christian Temperance Union (WCTU), foi altamente impulsionada pelo moralismo da época. [8]

Na última parte do século XX, assim como no século XXI, os moralistas nos Estados Unidos voltaram sua atenção para defender o movimento pró-vida. [2] Os moralistas também concentraram seus esforços em manter as leis azuis, como as que desencorajam as compras dominicais, de acordo com as crenças sabatistas do primeiro dia que tentam entrar em ressonância com as sensibilidades dos trabalhadores e sindicatos. [9] O moralistas do século XXI também defendem guerras humanitárias.[10][11]

links externos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Theissen, Gerd (2007). The Bible And Contemporary Culture (em English). [S.l.]: Fortress Press. ISBN 9781451408607 
  2. a b Klingemann, Hans-Dieter; Fuchs, Dieter; Zielonka, Jan (2006). Democracy and Political Culture in Eastern Europe (em English). [S.l.]: Routledge. ISBN 9781134170418  Erro de citação: Código <ref> inválido; o nome "KingemannFuchsZielonka2006" é definido mais de uma vez com conteúdos diferentes
  3. Waters, Malcolm (2002). Daniel Bell (em English). [S.l.]: Routledge. ISBN 9781134845576 
  4. Welter, Brian (6 May 2011). «Philosophy professor finds both Christians, secularists lacking» (em English). Catholic News Service. In many essays, Taylor shows how this excessive moralism in both the Protestant and Catholic churches from the 17th century onward led to a "polite" Christian society where being polite was more important than being Christian.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. Robins, R. G. (2004). A. J. Tomlinson: Plainfolk Modernist (em English). [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 9780199883172 
  6. Ryan, James Emmett (2009). Imaginary Friends: Representing Quakers in American Culture, 1650-1950 (em English). [S.l.]: University of Wisconsin Press. pp. 51. ISBN 9780299231743. Still operating at the margins of American religious discourse, Quaker civic moralism would see its legitimacy in the public sphere grow as increasing numbers of American citizens grew sympathetic with the Unionist and abolitionist causes. 
  7. Brekus, Catherine A.; Gilpin, W. Clark (2011). American Christianities: A History of Dominance and Diversity (em English). [S.l.]: Univ of North Carolina Press. ISBN 9780807869147 
  8. Delany, Sheila (2007). Writing Woman: Sex, Class and Literature, Medieval and Modern (em English). [S.l.]: Wipf and Stock Publishers. 11 páginas. ISBN 9781556354434 
  9. Steinfels, Peter (2013). The Neoconservatives: The Origins of a Movement: With a New Foreword, From Dissent to Political Power (em English). [S.l.]: Simon and Schuster. ISBN 9781476729701 
  10. «John McCain's Disastrous Militaristic Legacy». The Future of Freedom Foundation (em inglês). Consultado em 7 de maio de 2021 
  11. says, Dr Surya Nath Prasad. «Arms Control & Disarmament: A Failed Marriage». TRANSCEND Media Service (em inglês). Consultado em 7 de maio de 2021