Mosteiro de Flor da Rosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Mosteiro de Flor da Rosa: fachada.
Mosteiro e pousada de Flor da Rosa: interior.
Mosteiro de Flor da Rosa.

O Mosteiro de Santa Maria de Flor da Rosa, também referido como Mosteiro da Ordem do Hospital de Flor da Rosa, localiza-se na freguesia de Flor da Rosa, concelho do Crato, distrito de Portalegre, em Portugal.

Considerado o mais importante exemplo de mosteiro fortificado existente na Península Ibérica, nele está instalada, em nossos dias, uma das unidades das Pousadas de Portugal.

História[editar | editar código-fonte]

Mandado construir em 1356 por D. Álvaro Gonçalves Pereira, primeiro Prior do Crato e pai do Santo Condestável, D. Nuno Álvares Pereira foi, segundo historiadores o local de nascimento deste.[1][2][3][4]

Em 1232 o Rei D. Sancho II doou a povoação do Crato à Ordem dos Hospitalários. Foi em 1340 que a sede da Ordem do Hospital foi alterada de Leça do Bailio ou de Belver, para o Crato, tendo logo o Prior do Crato, D. Álvaro Gonçalves Pereira, decidido fundar uma capela na localidade. Com o crescimento da Ordem é então erguido este Mosteiro, casa-mãe da Ordem em Portugal, fundado em 1356. A partir do século XVI, a Ordem do Hospital passou a denominar-se Ordem de Malta, nome que ainda hoje conserva.[5]

Atualmente,o Mosteiro abriga o túmulo do fundador, uma pousada da Enatur e o Núcleo de Escultura Medieval do Museu Nacional de Arte Antiga.

Características[editar | editar código-fonte]

Este mosteiro é composto por três edificações distintas: a igreja-fortaleza de estilo gótico, um paço-acastelado gótico, já com alterações quinhentistas, e as restantes dependências conventuais já renascentistas e mudéjares. Todo o conjunto tem sido alterado ao longo dos séculos, nomeadamente nos século XVI e XVII e mais tarde no século XX, onde houve uma maior preocupação de preservação do plano original gótico. De facto já no tempo do Rei D. Manuel I o espaço monástico é alargado para um maior número de aposentos, transformando-o num Paço Real, e com o grande terramoto de 1755 e um temporal devastador em 1897 que se fez sofrer na área, o conjunto teria sofrido grandes desgastes.

O Mosteiro da Ordem do Hospital de Flor da Rosa foi classificado como Monumento Nacional em 1910 e, na década de 1940, começaram as obras de restauro. Mais tarde, em 1991 iniciam-se os trabalhos de reconversão para Pousada de Portugal, pelo Arquitecto João Luís Carrilho da Graça, aberta ao público em 1995 e transformando-se este legado patrimonial numa das mais aclamadas Pousadas do País, a Pousada Flor da Rosa.

Em julho de 2009, após um conjunto alargado de acções de investigação, recuperação e valorização realizados neste Mosteiro de Santa Maria da Flor da Rosa, mais concretamente na ala não afecta à pousada, o monumento é aberto ao público visitante com uma área de acolhimento e interpretação onde são disponibilizados diferentes serviços de apoio que permitirão, quer uma melhor compreensão de toda a história deste sítio, quer as condições adequadas de recepção. O que permitiu a instalação do Núcleo de Escultura Medieval do Museu Nacional de Arte Antiga e uma exposição de escultura de João Cutileiro, na nave da igreja.

Referências

  1. Sociedade Histórica da Independência de Portugal
  2. S. NUNO DE SANTA MARIA por Teresa Bernardino
  3. Boletim da Academia Portuguesa de História. Lisboa, 1960. Pág. 106.
  4. O local de nascimento é disputado, com autores que identificam o Paço de Bonjardim, local de nascimento de Nuno Álvares Pereira, com Cernache do Bonjardim, no concelho da Sertã, mas esta identificação não parece ser a mais correcta, devendo o termo Bonjardim referir-se a um outro local perto do Mosteiro de Flor da Rosa, no Crato (ver Boletim da Academia Portuguesa de História. Lisboa, 1960. Pág. 106.)
  5. PINHO, António Brandão de (2017). A Cruz da Ordem de Malta nos Brasões Autárquicos Portugueses. Lisboa: Chiado Editora. 426 páginas. Consultado em 28 de agosto de 2017. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • GRAÇA, João Luís Carrilho da. Opere e Progetti, Roberta Albiero, João Luís Carrilho da Graça, Rita Simone, Electa, 2003
  • PEREIRA,Paulo; RODRIGUES, Jorge. O Mosteiro da Flor da Rosa e Vilhena de Carvalho, Maria João O Polo Museológico de Escultura em Pedra, Colecção Monumentos, Monografias, IGESPAR/DRCALEN, 2008
  • RODRIGUES, Jorge, PEREIRA, Paulo (1986). Flor da Rosa e o Mosteiro: catálogo da exposição. [S.l.]: Câmara Municipal do Crato 
  • Boletim da Academia Portuguesa de História, Lisboa, 1960

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Mosteiro de Flor da Rosa