Movimento para a Mudança Democrática

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Movimento para a Mudança Democrática
Movement for Democratic Change – Tsvangirai
Líder Nelson Chamisa
Fundador Morgan Tsvangirai
Ideologia Social-democracia
Nacionalismo de esquerda
Ala jovem MDC Youth Assembly
País Zimbabwe
Afiliação nacional MDC Alliance
Afiliação internacional Internacional Socialista,[1]
Aliança Progressiva
Página oficial
www.mdc.co.zw

O Movimento para a Mudança Democrática (em inglês Movement for Democratic Change – Tsvangirai (MDC–T)) é um partido político do Zimbabwe liderado por Morgan Tsvangirai e fundado em fevereiro de 1999 como partido de oposição ao partido ZANU-PF de Robert Mugabe.

História[editar | editar código-fonte]

A primeira grande vitória do MDC contra o partido dominante foi em fevereiro de 2000 quando o governo organizou um referendo constitucional. A alteração proposta teria dado o gabinete do presidente mais poderes executivos, ele também teria feito o seu governo militar e funcionários imune de qualquer acusação de atos ilícitos cometidos enquanto em funções, e em nada foi reflexiva das reivindicações do povo.

Em 2000, nas eleições parlamentares, o MDC ganhou 57 dos 120 lugares[2]. O MDC vence na maioria dos centros urbanos e Matabeleland. Vence em todos os lugares nas duas maiores cidades de Harare e Bulawayo e perdeu apenas duas em Matabelelândia. O processo eleitoral foi perturbado por violência e intimidação, a eleição, que foi condenada pela comunidade internacional, a partir dos relatórios dos observadores da Commonwealth, norueguês, bem como a Delegação Parlamentar Sul-Africano de não serem livres e justas. Esta eleição foi condenada pela comunidade internacional. Foi visualizada pelos observadores internacionais da Commonwealth, Noruega, bem como a Delegação Parlamentar da África Austral, de não serem livres nem justas. Algumas missões de aliados de Mugabe, como observadores da SADC consideraram que as eleições foram substancialmente livres e justas.

O MDC anunciou em meados de 2004 que não participaria em quaisquer outras eleições no Zimbabwe incluindo as eleições de 2005, parlamentares até que ele acreditasse que uma livre e justa votação poderia ter lugar. No entanto, no dia 3 de Fevereiro de 2005, o então porta-voz Paul Themba Nyathi disse em uma conferência de imprensa "É com pesar que a MDC decidiu participar nas eleições ... Esta decisão baseia-se principalmente na vontade do nosso povo" [3].

A reunião das partes do processo decisório nacional foi realizada em outubro de 2005 para decidir sobre se o partido deveria participar nas eleições senatoriais que eram iminentes. O conselho nacional resolveu por uma votação de 33 a 31 que o partido deveria participar. Morgan Tsvangirai venceu a votação, alegando que não era conveniente contestar uma eleição onde o campo eleitoral estava "dividido entre raças onde os resultados se prevrem" [4]. Ele argumentou que o Senado do Zimbabué fazia parte da 17ª alteração que o MDC tinha no Parlamento.

A Assembleia Nacional Constitucional - uma coligação pró-democracia de grupos da sociedade civil, também apoiou um boicote das eleições para o Senado, acreditando que ela foi concebida apenas como resultado de uma mudança constitucional antidemocrática [5].

Após as eleições para o senado, o MDC ficou dividido em dois grupos, um liderado por Morgan Tsvangirai e outro pelo seu adjunto Gibson Sibanda, com o apoio de Welshman Ncube, Gift Chimanikire e do porta-voz Paul Themba Nyathi.[6].

Acredita-se que a divisão era um reflexo dos problemas que tinham surgido no partido [7]. A divisão também tinha surgido ao longo de linhas étnicas e entre sindicalistas e acadêmicos. Os dois campos tinham vindo a tentar se unir, a fim de lutar durante as eleições como uma frente unida, mas a partir de Julho de 2007, nenhum acordo foi atingido [8].

Eleições de 2008[editar | editar código-fonte]

Tsvangirai e Mutambara não conseguiram se unir em um único candidato do MDC à eleição presidencial de Março de 2008. Tsvangirai queria concorrer para Presidente enquanto Mutambara apoiou a candidatura independente de Simba Makoni[9].

Membros notáveis do partido[editar | editar código-fonte]

  • Morgan Tsvangirai, ex-presidente do Movimento para a Mudança Democrática, que morreu em fevereiro de 2018 de câncer de cólon.
  • Thokozani Khuphe, Ex-Vice-Primeiro Ministro, Vice-Presidente e Membro do Parlamento para Makokoba
  • Douglas Mwonzora, Secretário geral
  • Lovemore Moyo, Presidente Nacional e Presidente da Câmara dos Deputados; Membro do Parlamento para Matobo North
  • Nelson Chamisa, Presidente em exercício do partido; Ex-Ministro das Comunicações; Membro do Parlamento para Kuwadzana Central
  • Elias Mudzuri, Secretária Organizadora; Ex-Ministro de Obras Públicas; Membro do Parlamento para Warren Park e ex-prefeito executivo de Harare
  • Eddie Cross, Coordenador Geral de Políticas do MDC e Membro do Parlamento para Bulawayo South
  • Roy Bennett, MDC tesoureiro-geral e ex-vice-ministro da Agricultura designado, que morreu em janeiro de 2018 em um acidente de helicóptero
  • Thamsanqa Mahlangu, Presidente da MDC National Youth; Ex-Vice-Ministro da Criação de Emprego, Assuntos de Gênero e Juventude e Membro do Parlamento para Nkulumane
  • Felix Magalela Mafa Sibanda, Porta-voz Provincial do MDC e Membro do Parlamento para Magwegwe Bulawayo
  • David Anthony Chimhini, Membro fundador do MDC, primeiro administrador nacional do MDC em sua fundação em 1999 e MP Mutasa North
  • Kahondo C Tinotenda, Ex-Secretário Geral da Assembleia Nacional da Juventude do MDC, Diretor da Organização do Setor Informal do Zimbábue

Referências

  1. «Progressive Politics for a Fairer World». Socialist International. Consultado em 5 de Dezembro de 2012. Arquivado do original em 3 de maio de 2013 
  2. «MDC.co.zw». Consultado em 17 de março de 2008. Arquivado do original em 21 de março de 2008 
  3. IOL.co.za
  4. «Cópia arquivada». Consultado em 17 de março de 2008. Arquivado do original em 28 de março de 2008 
  5. BBC[ligação inativa]
  6. Zimbabwe Journalists.com
  7. [1]
  8. «IOL.co.za». Consultado em 17 de março de 2008. Arquivado do original em 26 de outubro de 2006 
  9. NewZimbabwe.com