Ned Kelly

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Ned Kelly
Foto de Ned Kelly um dia antes de sua execução.
Nome Edward Kelly
Nascimento dezembro de 1855
Beveridge, Victoria,  Austrália
Morte 11 de novembro de 1880 (25 anos)
Nacionalidade Austrália Australiano
Pseudônimo(s) "Ned"
Crime(s) Assassinatos
Pena Execução por enforcamento.
Situação Morto
A máscara mortuária de Ned Kelly, em Melbourne

Edward "Ned" Kelly (dezembro de 185511 de novembro de 1880) foi um "fora-da-lei" australiano que ficou mistificado por ter desafiado as autoridades da Austrália colonial.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Na Austrália do século XIX, a polícia da colônia de Victoria já sabia quem procurar quando precisava de um culpado para qualquer delito: irlandeses ou descendentes, pobres e sem instrução, nascidos na zona rural. Se a suspeita não se confirmava, o sangue quente dos buliçosos irlandeses, inimigos fidagais dos ingleses, que mandavam no governo, se encarregava de torná-la realidade.

Edward "Ned" Kelly era fruto desse meio. Nasceu em Beveridge, um covil que abrigava ladrões como seu pai - degredado da Irlanda por roubar dois porcos -, avô e tios. Acabou por se tornar o maior deles. A Austrália, surgida como uma gigantesca colônia penal, até hoje louva a saga de seu mais famoso fora-da-lei. Ned Kelly virou uma lenda que deu origem a pelo menos seis filmes - o mais famoso, de 1970, tinha o roqueiro Mick Jagger no papel principal - e dezenas de livros, como o recente e premiado A História do Bando de Ned Kelly, de Peter Carey, e Ned Kelly de 2003, filme com o ator Heath Ledger no papel principal.

Primeiros delitos[editar | editar código-fonte]

Nos anos de 1870 e 1871, Ned foi preso por assalto e roubo, repetindo a sina de todos os seus irmãos. Tudo indica que ele fosse inocente: mais uma vítima da implicância policial. Segundo a carta de Jerilderie, documento de 1879 em que o bandoleiro narra sua versão dos fatos, os primeiros crimes foram cometidos só depois, quando a perseguição não permitia que sua família vivesse em paz. Ned começou roubando cavalos e só ficaria mais ousado a partir de 1878, após a supostamente injusta prisão de sua mãe.

Perseguição[editar | editar código-fonte]

Foram oferecidas 100 libras pela sua cabeça. Num dos confrontos com a lei, ele matou três policiais numa fuga, o que quintuplicou o prêmio para quem o capturasse - ou o matasse. Nos anos seguintes, o valor atingiu 8000 libras, o equivalente hoje a aproximadamente 500.000 reais - só para comparar, a polícia do Rio de Janeiro recentemente ofereceu 50 mil reais pela captura do traficante Elias Maluco.

Mas Ned não se intimidou e respondeu na mesma moeda: passou a oferecer prêmios pelas cabeças dos chefes da polícia local. Ele e seus amigos realizaram assaltos espetaculares aos bancos em Euroa (1878) e Jerilderie (1879).

Armadura de Ned Kelly em exposição na Biblioteca Estadual de Victoria em Melbourne, Austrália.

Prisão e execução[editar | editar código-fonte]

O último confronto do bando com seus perseguidores aconteceu em Glenrowan, em 28 de junho de 1880. Entrincherados em um hotel, Ned, seu irmão Dan, Joe Byrne e Steve Hart improvisaram armaduras de ferro que lhes cobriam o peito e a cabeça. O tiroteio durou 12 horas e só acabou com a morte de todos os membros do bando, menos um: Ned Kelly, preso depois de levar 28 tiros nas pernas e enfrentar sozinho cerca de 50 agentes da polícia.

Ned foi enforcado em Melbourne em 11 de novembro daquele ano, apesar dos apelos de sua mãe e das 32.000 assinaturas contrárias à sua execução. Após o enforcamento, cortaram-lhe a cabeça e enterraram seu corpo no pátio da prisão. Até 2008, ninguém sabia do paradeiro de seus restos mortais, até que um grupo de arqueólogos o encontrou junto com outros 32 prisioneiros mortos por enforcamento. Em agosto de 2011, especialistas identificaram a ossada do crinimoso, faltando apenas o crânio, visto pela última vez em 1929 na mesa de um investigador.[1]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.