Noisy-le-Sec

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Noisy-le-Sec
Petit Noisy.jpg
Brasão de armas de Noisy-le-Sec
Brasão de armas
Noisy-le-Sec está localizado em: França
Noisy-le-Sec
Localização de Noisy-le-Sec na França
Coordenadas 48° 53' 22" N 2° 27' 01" E
País  França
Região Blason France moderne.svg Ilha de França
Departamento Blason département fr Seine-Saint-Denis.svg Sena-São Dinis
Administração
 - Prefeito Laurent Rivoire
Área
 - Total 5,1 km²
Altitude máxima 120 m
Altitude mínima 55 m
População (2010) [1]
 - Total 39 733
    • Densidade 7 790,8 hab./km²
Gentílico Noiséens
Código Postal 93130
Código INSEE 93053
Sítio noisylesec.net

Noisy-le-Sec é uma comuna francesa situada no departamento de Seine-Saint-Denis, região da Ilha de França. Seus habitantes são chamados de Noiséens.

Comuna decorada com a Croix de guerre com palmas ao título da Segunda Guerra Mundial, pois o seu centro ferroviário tem sido um dos mais ativos da resistência francesa e a coragem dos seus habitantes vítimas de um terrível bombardeio durante a noite de 18 de abril de 1944 foi portanto homenageada. A ofensiva aérea da Royal Air Force, destinada a destruir o importante centro ferroviário do Leste parisiense, tinha sido retransmitida pela mensagem da BBC "les haricots verts sont secs" ("as vagens estão secas"). Ela fez 464 vítimas civis, 370 gravemente feridos, 2 846 sem-abrigo: 20 minutos de inferno para toda uma geração de Noiséens[2].

Transporte[editar | editar código-fonte]

Anteriormente, a comuna foi servida por :

Bonde do Est parisien place Jeanne-d'Arc, no início do século XX.
No centro da imagem, a fonte, construída em 1849, encimada por uma estátua de Joana d'Arc, que data de 1910.
  • durante a criação da linha ferroviária Paris-Meaux, uma estação foi construída em Noisy-le-Sec. Tornada demasiado estreita, ele foi substituída por uma nova estação em 1910 (que foi destruída durante a Segunda Guerra Mundial). Em 1913, a estação recebia 1 557 637 passageiros (contra 884 517 em 1902) ;
  • a linha da Grande Ceinture servia a estação de Noisy. Ela recebia passageiros de 1882 a 1939 ;
  • Compagnie des tramways de l'Est parisien (EP), explorava desde outubro de 1900 a linha de bonde entre Noisy-le-Sec e a Ópera, passando pela avenue Jean-Jaurès e estendida posteriormente até Pavillons-sous-Bois. Esta linha, renumerada 95 pela STCRP em 1921, foi transformada em linha de ônibus em 17 de dezembro de 1934, e é a ancestral da atual linha RATP 105. A cidade também foi servida pela linha 21c entre Ópera e Noisy–le–Sec. Esta linha foi removida em 3 de outubro de 1933 e substituída por uma conexão de ônibus, que foi a ancestral da atual linha RATP 145[3].

A comuna é atualmente servida por uma rede de transportes efetuantes :

Projetos para o Transportes correntes e Grande Paris[editar | editar código-fonte]

Tangentielle Nord[editar | editar código-fonte]

Em 2018, o Tram Express Nord, projeto da linha de trem leve de 28 km e 14 estações ao longo da Grande Ceinture, deve ligar a estação de Sartrouville à estação de Noisy-le-Sec, antes de uma eventual extensão mais para o Sul para a estação de Noisy-le-Grand - Mont d'Est depois de 2020.

Extensão do T1 em Bobigny até Val de Fontenay[editar | editar código-fonte]

O traçado da linha, para a travessia de Noisy-le-Sec, tem sido objeto de muitas partilhas na consulta anterior. Três hipóteses de traçados foram então submetidos a discussão. O traçado passando em ambas as direções, pela rue Jean Jaurès foi mantido e disponibilizado por uma decisão de 8 de julho de 2009 do Conselho do STIF. Em 17 de fevereiro de 2014, os prefeitos de Seine-Saint-Denis e Val-de-Marne assinaram a declaração de utilidade pública de T1 em Bobigny até Val de Fontenay.

Noisy-le-Sec agora é servida por 7 estações : Pont de Bondy, Petit Noisy, Gare de Noisy-le-Sec, Saint-Jean, Place Jeanne d’Arc, Rue Hélène et Carrefour de la Vierge. Consultar o traçado

Extensão da Linha 11 do Metrô[editar | editar código-fonte]

Os prefeitos de Seine-Saint-Denis e da Ilha de França/Prefeitura de Paris assinaram a declaração de utilidade pública[4] para a extensão da Linha 11 do Metrô de Mairie des Lilas para Rosny-Bois-Perrier em 28 de maio de 2014. O traçado servirá a comuna com duas estações : Côteaux Beauclair e La Dhuys. A abertura está prevista para o final de 2022.

Conexão entre Paris 19e e Pavillons-sous-Bois[editar | editar código-fonte]

Para Noisy-le-Sec, o TZen 3 se inserirá ao longo da rue de Paris (ex-RN 3), entre a Pont de Metz e a Pont de Bondy. Quatro estações servirão Noisy-le-Sec : École Hôtelière, Arts de la rue, Bergère et Territoires de l’Ourcq.

O Tramway T4 poderá ser estendido para a estação de Bondy na estação de Noisy-le-Sec, no âmbito das hipóteses propostas pelo projeto de SDRIF publicado em novembro de 2006.

Toponímia[editar | editar código-fonte]

Atestada sob a forma Nucenum Minus em 1096, Noisy-le-Sec poderia ter sido chamada de Noisy-le-Petit.

Do latim nucetum, nogueira ; a segunda parte do nome refere-se à aridez do solo e a ausência de água.

História[editar | editar código-fonte]

Origem[editar | editar código-fonte]

Vestígios de ocupação pré-histórica foram encontrados em Noisy-le-Sec, em particular em 1920, na forma de um conjunto de pedras dispostas em uma casa, bem como fragmentos de cerâmica e ossos de animais, que remontam da Idade do Bronze. Foram encontrados também um biface do Paleolítico Médio. Um conjunto de 300 moedas romanas da Antiguidade tardia, enterradas por volta de 270, foi encontrado em 1911 na aderência da estação.

Noisy é uma villa atestada em 832. Em 842imperador Lotário deu aos religiosos de Saint-Maur-des-Fossés, todas as propriedades que ele tinha em Noisy-le-Sec. Ordenança confirmada em 998, pelo rei Roberto.

Em 1265, Isabelle de Romainville reconhece a manter em feudo do abade de Saint-Denis os vinhedos localizados no Clos du Châtelain, e o senhorio da abadia de Saint-Denis subsistirá até a Revolução. As abadias de Saint-Martin des Champs e de Livry também possuíam terras e direitos feudais em Noisy-le-Sec.

Sob Filipe o Belo, Enguerrando de Marigny teria sido senhor de Noisy-le-Sec, mas esta localidade não figura no seu cartulário normando. Ela foi confusa com Nogeon-le-Sec em que a ortografia antiga é muito próxima. Em todo caso, Noisy-le-sec estava em 1430 com Luís de Orleans,[5]. Este senhorio sob Luís XI, passou a Nicholas Balue, irmão do famoso cardeal de Balue[6].

Em 1517, Étienne Cochu e Denise Thiphaisne, sua esposa, curadores dos herdeiros de Étienne Damoiselet, relatório para o aprimoramento de Jacques Charmoulue, senhor de Noisy, seus estábulos, casa, granja, curral, pombal, pátio e jardim, paredes do muro, chamado fazenda de Cols, assentado na dita Noisy no final do fundo, segurando uma parte para a rua que leva na extremidade do fundo a la Magdeleine, levando de um lado para o dito Cochu e consortes e do outro lado Jean David (na esquina das ruas atuais de Saint-Denis e Denfert-Rochereau)[7]. Carlos IX permitiu o exercício da religião reformada.

Em 1709, a vila contava com 250 famílias, depois 304 em 1788, na véspera da Revolução. Em 1775, os éditos reais mencionavam Noisy como um dos locais onde pode ser exercido o culto protestante. Vários moinhos de vento existiam na comuna, um dos quais, o da Pequena torre, remontava ao menos de 1517 (destruído em 1912), perto da estação. Um outro foi atestado em 1618 e destruído antes de 1740.

RF 2 - NLS - Station des Tramways.JPG
CLC 14 - NLS - La platrière.jpg

Cidades geminadas[editar | editar código-fonte]

Cultura e patrimônio[editar | editar código-fonte]

Noisy-le-Sec - La Platrière.JPG

Personalidades ligadas à comuna[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Populations légales des communes en vigueur au 1er janvier 2013». www.insee.fr (em francês). INSEE. Dezembro de 2012. Consultado em 3 de abril de 2013. 
  2. Film documentaire les haricots verts sont secs, produit par la Ville de Noisy-le-Sec en avril 2004 à l'occasion des 60 ans du bombardement - http://www.noisylesec.net/index.php?id_rub=histoire&id_article=1696
  3. (em inglês) http://www.tundria.com/trams/FRA/Paris-1926.shtml  Em falta ou vazio |título= (ajuda)Em falta ou vazio |title=
  4. http://rosnyboisperrier.prolongementligne11est.fr/IMG/pdf/DUP_ligne11-RBP.pdf
  5. Dictionnaire historique des environs de Paris du docteur Ermete Pierotti
  6. Essai sur les seigneurs de Villemomble
  7. SOURCE : Atlas du patrimoine de Seine-Saint-Denis

Ligações externas[editar | editar código-fonte]