O Camponês Eloquente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

O Camponês Eloquente é uma história egípcia antiga sobre um camponês, Khun-Anup, que tropeça em cima da propriedade do nobre Rensi, filho de Meru, guardada por seu supervisor áspero, Nemtynakht.[1][2] É situado na IX ou X dinastia em torno de Heracleópolis.[3]

Resumo da história[editar | editar código-fonte]

Books-aj.svg aj ashton 01.png A Wikipédia possui o
Portal de Literatura

A história começa com um camponês, Khun-anup, e seu burro tropeçando nas terras do nobre Rensi, filho de Meru.[4] Nemtynakht, supervisor das terras de um nobre, era famoso por suas transgressões e enganou o camponês para causar danos à propriedade de seu mestre Rensi, espalhando uma folha do outro lado da estrada da fazenda, forçando o camponês e seus burros a caminhar pelas lavouras. Uma vez que o burro começou a comer os grãos, Nemtynakht tomou a custódia do animal e começou a bater em Khun-anup, sabendo que Rensi acreditaria na palavra de seu supervisor em vez de quaisquer alegações de trapaça e roubo de Khun-anup.

Khun-anup procurou pelo nobre e o encontrou perto da beira da cidade. Dirigiu-se a ele com louvores. Rensi e seus juízes ouviram o caso e responderam que as testemunhas do suposto crime de Nemtynakht eram necessárias para que o caso continuasse. Khun-anup não conseguiu encontrar nenhuma, mas o magnífico discurso do camponês eloquente convenceu o nobre a continuar a considerar seu caso. Rensi trouxe o caso diante do faraó Nebkaure (que se acredita ser Nebcauré Queti[5][6]) e lhe contou os poderes retóricos de Khun-anup. O rei ficou impressionado, mas ordenou que o camponês não fosse justiçado ainda e suas petições fossem colocadas por escrito.

Durante nove dias, elogiou o alto mordomo Rensi e implorou por justiça. Depois de sentir que estava sendo ignorado, Khun-anup o insultou e foi punido com uma surra. Depois de um último discurso, o camponês desanimado partiu, mas Rensi mandou chamá-lo e lhe ordenou que voltasse. Mas, em vez de ser punido por sua insolência, o camponês foi julgado. Rensi, depois de ler o último discurso do camponês, ficou impressionado e ordenou que os burros fossem devolvidos a ele e ao camponês para ser compensado com toda a propriedade de Nemtynakht, incluindo seu trabalho, tornando o supervisor tão pobre quanto Khun-anup tinha sido.

Referências

  1. Parkinson, Richard (1991). The Tale of the Eloquent Peasant (em inglês). Oxford: Griffith Institute. ISBN 0900416602 
  2. «The Eloquent Peasant (5)». AEL Email List (em inglês). Consultado em 2 de dezembro de 2016. Arquivado do original em 28 de agosto de 2008 
  3. Parkinson, R B (1999). The Tale of Sinuhe and other ancient Egyptian poems, 1940–1640 BC (em inglês). Nova Iorque, NI: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-283966-4 
  4. Lichtheim, M (1973). Ancient Egyptian Literature (em inglês). Vol.1. [S.l.: s.n.] p. 169–184 
  5. Alan Gardiner, Egypt of the Pharaohs. An introduction, Oxford University Press, 1961, p. 112.
  6. William C. Hayes, in The Cambridge Ancient History, vol 1, part 2, 1971 (2008), Cambridge University Press, ISBN 0-521-077915, p. 465.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.