Operação Rosário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde abril de 2012).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde agosto de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Mapa das Ilhas Malvinas
(toponímia argentina)

Operação Rosário ("Operación Rosario") é o nome de código da operação militar desencadeada pelas Forças Armadas Argentinas no dia 2 de abril de 1982 com o objectivo de invadir e ocupar as ilhas Malvinas, um dos Territórios britânicos ultramarinos cuja soberania é reclamada pela Argentina. Em resposta, o Reino Unido enviou para o Atlântico Sul duas forças tarefa da Marinha Real Britânica com o objectivo de recuperar a soberania das ilhas, desencadeando a Guerra das Malvinas.

Trajetória[editar | editar código-fonte]

Forças militares argentinas patrulhando Port Stanley após a tomada da cidade, abril de 1982.

A Operação Rosário consistia em uma série de ações de intensidade crescente destinadas a recuperação argentina das ilhas Malvinas, Geórgia do Sul e Sandwich do Sul que executariam em sentido inverso (de Leste a Oeste e de menor a maior relevância política), iniciando-se de maneira mais discreta possível e culminando com a tomada do arquipélago das ilhas Malvinas e de sua capital, Puerto Argentino (Port Stanley), mediante um assalto direto. A Junta logrou manter em segredo o plano de Anaya até apenas 48 horas antes do início das hostilidades.

Às 5h45, o grupo de Sánchez-Sabarots abre intenso fogo com fuzis automáticos e granadas contra os acampamentos que supõe ser dos royal marines. Em poucos minutos, descobrem que não respondem ao fogo. O ruído, pelo contrário, alerta ao major Norman — quem dirige às forças britânicas — que os argentinos chegaram.

Porém o grupo de Giachino os observa para preparar o contra-ataque. Evitando-os, se dirige diretamente à residência do Governador, com intenção de atacá-la pela porta dos fundos. Cometem um erro e entram no anexo da área de serviço, onde três royal marines os estavam esperando e abrem fogo. Giachino cai gravemente ferido, enquanto o resto de seus homens responde aos tiros. Pedro Giachino morre depois, tornando-se assim a primeira baixa da Guerra das Malvinas.


Às 6h20, o Cabo San Antonio traz a companhia E com veículos anfíbios LVTP-7 do 2º Batalhão de Fuzileiros Navais, orientando-se com as boias que foram colocado pelos mergulhadores táticos do Santa Fé. Na primeira oportunidade, sob o comando do tenente-comandante Santillans, chega em terra e toma a direção do aeroporto. A companhia D desembarca pouco depois para tomar conta do farol.

Quando a companhia E chega às proximidades do antigo aeroporto, sofre o primeiro ataque dos fuzileiros navais britânicos. Um blindado LVTP foi avariado pelo disparo de um míssil antitanque do lança-foguetes Carl Gustav, porém a tripulação sai ilesa. O contra-almirante Busser, responsável pelo desembarque, começa a preocupar: as tropas blindadas ainda não entraram em contato com os comandos e a resistência britânica era mais intensa do que o esperado. Ordena que o 1º Batalhão e uma companhia de lança-foguetes de 105 mm sejam transportados por helicópteros à costa.

Às 8h30, o governador Hunt e o major Norman debatem sobre o que fazer. Cogitam dispersar pelo interior para formar uma guerra de guerrilhas, porém finalmente decidem que com forças tão pequenas não tem sentido. Fez trair a Héctor Gilobert, um argentino residente nas ilhas ao que consideram um espião, e o encarregam de negociar o cessar-fogo. Às 9h30, o governador Hunt se rende nas ilhas Malvinas ao contra-almirante Busser. Um avião de transporte militar argentino leva Hunt a Montevidéu, de onde voltará para Londres.

Sem dúvida, nas ilhas Geórgia do Sul, os britânicos não aceitaram a rendição, que lhes é anunciada pelo navio Bahía Paraíso. Na manhã do dia 3, as forças argentinas trataram de tomar Grytviken e os 22 fuzileiros navais britânicos reagiram. Não somente derrubaram um helicóptero Puma, como também danificaram a corveta Guerrico com intenso fogo de infantaria e de um lança-foguetes Carl Gustav quando tentaram aproximar-se do povoado. O cabo Guanca e os soldados Mario Almonacid e Jorge Águila morreram e outros ficaram feridos. Finalmente, o Guerrico é abandonado e, embora tenha inutilizado o seu canhão principal de 105 mm, dispara uma salva com o canhão de 40 mm contra as posições britânicas. Ante deste desfecho, com um fuzileiro ferido num braço e com os soldados infantes argentinos aproximando-se, os royal marines decidem render-se.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.