Padrão Willow

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

O Padrão Willow ou padrão do salgueiro é atribuído a cópias de cerâmica azul e branca chinesas feitas originalmente pelos fabricantes de cerâmica ingleses durante a última metade do século XVIII. Trata-se de uma variedade de louças decoradas muito popular na Europa por possuir um estilo conhecido como chinoiserie, uma imitação da arte e da cultura chinesa.

Prato com o padrão Willow

Os principais elementos do padrão Willow presentes nas gravuras podem ser descritos da seguinte forma: Uma paisagem chinesa com um salgueiro no centro da composição. Um grande edifício está no primeiro plano à direita com um telhado ornamentado, com um edifício menor à esquerda e várias árvores à direita. No primeiro plano, geralmente há uma cerca em zigue-zague. Abaixo do salgueiro está localizada uma ponte, sobre a qual três figuras caminham em direção a um pequeno pavilhão: a primeira segura um bastão, a segunda um longo objeto retangular geralmente identificado como uma caixa, e a terceira o que costuma ser descrito como um chicote. Acima da ponte pode-se ver um barqueiro virando seu barco para a direita, enquanto atrás dele está uma ilha com uma ou duas casas e às vezes outras ilhas ao fundo. Frequentemente, há duas pombas voando no centro da composição.[1]

História[editar | editar código-fonte]

A porcelana era uma das principais exportações do Império Chinês durante os séculos XVI a XVIII. Os portugueses foram os principais transportadores europeus deste comércio a partir do entreposto comercial em Macau no século XVI mas outros países como Espanha e Inglaterra também passaram a comercializar diretamente com a China. O ocidente tinha um grande interesse nas porcelanas de boa qualidade chinesas por sua beleza e durabilidade. Muitas tentativas de produzir porcelana na Europa começaram em Florença, no século XVII, mas a primeira produção europeia bem-sucedida aconteceu em Meissen na Alemanha no século XVIII e já em 1721 era comercializada com decoração em azul e branco imitando a porcelana chinesa.[2] O processo de manufatura se espalhou pela Itália, Áustria, França e Inglaterra na segunda metade do século XVIII.

Ilustração do padrão de salgueiro (1917)

A origem do padrão Willow é atribuída a vários gravadores de porcelana especialmente da fábrica Caughley Pottery Works que é o possível lugar de origem desse padrão. Um desses ceramistas era Thomas Minton, aprendiz de gravador na Caughley, ele teria incluído padrões de paisagem chinoiserie como salgueiros, pagodes e barcos chineses até chegar na composição do salgueiro. Foi a partir das produções baseadas nos desenhos de Minton que da fábrica Spode criou e produziu o padrão em sua forma mais completa por volta de 1790.[3]

Lenda[editar | editar código-fonte]

Várias histórias baseadas em lendas e contos tradicionais orientais foram criadas em cima dessa gravura, a versão mais famosa está escrita na revista inglesa The Family Friend em 1849 intitulada como "The Story of the Common Willow Pattern Plate".[4]

Influências no Brasil[editar | editar código-fonte]

Um prato com o padrão do salgueiro é mencionado na obra O Prato Azul-Pombinho da escritora goiana Cora Coralina.[5]

Referências

  1. Portanova, Joseph J. «Porcelain, The Willow Pattern, and Chinoiserie» (PDF). New York University 
  2. Corbeiller, Clare Le (1990). Le Corbeiller, Clare. “German Porcelain of the Eighteenth Century” in Metropolitan Museum of Art Bulletin, Vol. 47, No. 4 (Spring, 1990), p. 1-56. Metropolitan Museum of Art Bulletin: Spring. 55 páginas 
  3. Sydney B, Williams (1949). Antique Blue and White Spode. London: Batsford. p. 129 
  4. «The Willow Pattern Story» 
  5. «O Prato Azul-Pombinho» (PDF)